Águia de Ouro vence o Carnaval 2018 de São Paulo pelo Grupo de Acesso

Membros da Escola de Samba Águia de Ouro, no Carnaval 2016 de São Paulo.

Membros da Escola de Samba Águia de Ouro, no Carnaval 2016 de São Paulo.

Desfile da Escola de Samba Águia de Ouro, no Carnaval 2016 de São Paulo.

Desfile da Escola de Samba Águia de Ouro, no Carnaval 2016 de São Paulo.

A Águia de Ouro é a campeão do Grupo de Acesso do Carnaval de São Paulo neste ano e sobe, portanto, para o Grupo Especial no desfile de 2019. A escola desfilou na madrugada de segunda-feira (12/02/2018) e levou para a avenida a influência da cultura árabe. A escola Colorado do Brás foi a vice-campeã e também sobe para o Grupo Especial no ano que vem.

“Nós voltamos para o nosso lugar, reestruturados, com uma nova leitura da nossa escola e eu tenho certeza que, para o ano que vem, nós vamos dar um pouquinho de trabalho ao Grupo Especial”, disse o Mestre Juca, que lidera a bateria da Águia de Ouro. “Trabalhamos o ano inteiro, desde abril ensaiando de domingo de manhã e à tarde. Não é brincadeira não. A comunidade se uniu em prol da Águia de Ouro e é isso aí que aconteceu”, acrescentou.

A apuração das notas começou às 19h desta terça-feira (13), no Sambódromo do Anhembi, na zona norte da capital paulista, logo depois da apuração das notas do Grupo Especial, do qual saiu vitoriosa a Acadêmicos do Tatuapé.

A Águia de Ouro transformou o Anhembi em um grande mercado árabe, com o enredo Mercadores de sonhos. A escola falou da tradição milenar do comércio entre os povos do deserto em um clima de mil e uma noites. O desfile destacou também os alimentos e temperos típicos dos grandes mercados, tecidos, perfumes e produtos religiosos. Uma ala, por exemplo, exalou cheiro de cravo e pimenta.

A escola também destacou as técnicas de negociação e a pechincha, associadas ao povo árabe, bem como os jogos de sedução do comércio que transformam um sonho em realidade. O enredo se estendeu ainda à influência árabe na cultura brasileira.

História

A Águia de Ouro surgiu na Pompeia, bairro de uma das zonas nobres da capital e distante das regiões que tradicionalmente acolhem as escolas de samba paulistanas. Atualmente, está instalada em uma grande quadra na Marginal do Tietê. A agremiação foi fundada em 1976 a partir de um time de futebol de várzea, o Faísca de Ouro.

Em 1984, chegou ao Grupo Especial. Teve um período de subidas e descidas, mas a partir de 1999 firmou-se e disputou 18 de 19 carnavais na elite, até ser rebaixada em 2017. Seu melhor período foi no início desta década, quando obteve dois terceiros lugares e um quarto de 2013 a 2015.

As escolas rebaixadas do Grupo Especial e que, no ano que vem, desfilarão pelo Grupo de Acesso são a Unidos do Peruche e a Independente Tricolor, que ficaram na última e penúltima colocação do Especial.

*Com informações da Agência Brasil.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]