Karl Marx e o jornalismo | Por Pedro de Oliveira

Karl Marx: desde que a verdadeira filosofia tornou-se a quintessência de seu tempo, o tempo deverá chegar em que a filosofia não apenas internamente por seu conteúdo, mas também externamente por sua forma, deverá entrar em contato e interagir com o mundo real do dia a dia.

Karl Marx: desde que a verdadeira filosofia tornou-se a quintessência de seu tempo, o tempo deverá chegar em que a filosofia não apenas internamente por seu conteúdo, mas também externamente por sua forma, deverá entrar em contato e interagir com o mundo real do dia a dia.

No início deste ano [2018] – em que se comemora os 200 anos do nascimento deste cérebro prodigioso que foi Karl Marx – poderemos aproveitar os eventos que certamente ocorrerão ao longo de 2018 para revisitar sua obra, aprofundar o conhecimento de sua valiosa contribuição teórica e prática ao movimento revolucionário dos trabalhadores e trabalhadoras do mundo inteiro. E, ao mesmo tempo, poderemos analisar como a repercussão de suas descobertas científicas – em colaboração com Friedrich Engels – se estendem até nossos dias.

Nos primórdios de seu desenvolvimento intelectual, Marx se envolveu com um estudo acadêmico voltado fundamentalmente para a filosofia, a teologia e o direito, sendo que em matéria de economia e política ele ainda se revelava um noviço. Foi neste contexto que ele concluiu sua tese de doutorado na Universidade de Jena, em abril de 1841, com sua tese sobre as filosofias da natureza em Demócrito e Epicuro. Mas logo percebeu que suas pretensões de trabalhar nas lides universitárias haviam sido dificultadas pelo reacionarismo que tomava conta daquela sociedade.

Um dos biógrafos de Marx, Francis Wheen, foi virulentamente acusado de fazer não um trabalho histórico, acadêmico, mas um trabalho com viés jornalístico sobre a vida do biografado. Esta era uma maneira muito comum, entre a intelectualidade, de desqualificar uma obra. Crítica essa que ele enfrentou se declarando sim um jornalista, como era o caso do objeto de seu livro. Neste trabalho, Wheen defende a tese que escrever para jornais é uma disciplina muito útil, pois ela força o cidadão a se engajar com o aqui e agora, obrigando a testar suas teorias contra a realidade da vida, e aplicar sua compreensão da história aos acontecimentos concretos, tendo de escrever de forma clara para atingir as consciências das pessoas comuns.

De fato, como retrata Wheen em seu livro, Marx é muito referenciado como filósofo, economista, historiador, revolucionário ou sociólogo – e mesmo como matemático – mas dificilmente é lembrado como jornalista. Diante daquele ambiente de conservadorismo dominante, ele resolveu escrever seu primeiro artigo para a imprensa alemã em fevereiro de 1842, para um jornal de Dresden, o Deutsche Jahrbücher.

O tema do artigo era sobre a questão da censura à imprensa, polemizando fortemente contra as instruções normativas de restrição à liberdade de imprensa assinadas pelo Rei Frederico Guilherme IV. Seu artigo foi prontamente censurado e o jornal fechado logo em seguida por um decreto do Parlamento Federal. Marx, então, foi tentar a sorte como colaborador de um jornal chamado Gazeta Renana. Inclusive, neste primeiro de janeiro de 2018, lembramos sua criação em 1842, na cidade de Colônia, por iniciativa de setores da burguesia da Renânia. Este jornal se propunha lutar contra o Governo monárquico de Frederico Guilherme IV que assumira o trono prussiano em 1840, capitaneando aquela onda conservadora que atingia todos os setores da Prússia naquela época.

Em um artigo para esta Gazeta Renana, Marx escreveu em 1842 que “desde que a verdadeira filosofia tornou-se a quintessência de seu tempo, o tempo deverá chegar em que a filosofia não apenas internamente por seu conteúdo, mas também externamente por sua forma, deverá entrar em contato e interagir com o mundo real do dia a dia”. Esta reorientação de seu trabalho exigiria um grande esforço de autoeducação de sua parte.

O próprio Marx chegou a admitir, anos depois, que “como editor da Gazeta Renana experimentei pela primeira vez o embaraço de participar de discussões sobre os então chamados interesses materiais” como está registrado em um livro editado por James Ledbetter intitulado “Karl Marx e seus artigos para o jornal New York Daily Tribune”.

Um dos artigos mais famosos deste período e que bem espelha essas suas preocupações foi uma longa reportagem que escreveu para a Gazeta, em que procurava desvendar o que estava por trás de uma nova lei que tratava dos “roubos” de lenha em florestas privadas na Renânia. Uma antiga tradição camponesa permitia que os moradores das redondezas apanhassem galhos e gravetos para o aquecimento de suas lareiras e fogões. Com a nova lei, todos os que fossem pegos catando madeira nas florestas estavam condenados a ser presos. Pior ainda, aqueles que fossem pegos cometendo esse “crime”, teriam que pagar pela lenha coletada aos proprietários das florestas. Aliás, quem assistiu ao filme que está em cartaz atualmente sobre a vida do jovem Marx vai lembrar destes fatos que aparecem logo nas primeiras imagens da película.

Ao elaborar esta reportagem, Marx foi obrigado a pesquisar profundamente sobre aquela situação concreta de exploração dos camponeses pelos ricos proprietários de terras. Assim, talvez pela primeira vez em sua trajetória, ele teve de estudar questões de classe, propriedade privada e o papel do Estado.

Em seu último artigo para a Gazeta Renana, Marx escreve que “se toda a violação de propriedade, de forma indiferenciada, sem determinação mais precisa, é roubo, toda a propriedade privada não seria roubo? Não excluo, por minha propriedade privada, qualquer terceiro dessa propriedade? (…) Nós pessoas pouco práticas, exigimos para a multidão pobre e despossuída política e socialmente o que esses lacaios obedientes e dóceis que são esses pretensos historiadores apresentaram como a verdadeira pedra filosofal a fim de transformar qualquer medida impura em ouro jurídico puro. Reivindicamos para os pobres o direito consuetudinário e, mais precisamente, um direito consuetudinário que não seja local, mas um direito consuetudinário que seja o direito consuetudinário dos pobres em todos os países. Vamos ainda mais longe e afirmamos que, segundo sua natureza, o direito consuetudinário só pode ser o direito dessa massa despossuída, a mais baixa e elementar. (…) Um senso instintivo do direito afirma-se, portanto, nesses costumes da classe pobre; sua raiz é positiva e legítima, e a forma do direito consuetudinário é aqui tanto mais conforme à natureza quanto a própria existência da classe pobre continua sendo até hoje um simples costume da sociedade burguesa, classe que ainda não encontrou, no círculo da organização consciente do Estado, um lugar apropriado. (…) A crueldade é típica das leis que ditam a covardia, porque a covardia só pode ser enérgica na medida em que é cruel. Ora, o interesse privado é sempre covarde, porque seu coração e sua alma são objetos externos, que sempre podem ser arrancados e avariados, e quem não tremeria diante do perigo de perder seu coração e sua alma? Como legislador egoísta seria humano, se o inumano, um ser material estranho, é seu ser supremo? (…) Esse materialismo depravado, esse pecado contra o espírito santo dos povos e da humanidade é consequência imediata da doutrina pregada pela Preussische Staatszeitung (uma espécie de Diário Oficial do Estado prussiano N.A.) ao legislador, segundo o qual somente se devem considerar o bosque e a floresta na legislação a respeito da lenha, e devem-se resolver os problemas materiais específicos de forma não política, isto é, sem relação com a racionalidade do Estado e a moralidade políticas”.

Marx como correspondente do New York DailyTribune

Alguns anos depois destes acontecimentos, em 1848, um jornalista editor do New York DailyTribune, Charles A. Dana, foi enviado a Colônia para a cobertura de vários episódios revolucionários mais ou menos simultâneos que ocorreram na Europa naquele ano. Neste período, uma grande quantidade de camponeses se transformaram em trabalhadores fabris, vários monarcas foram derrubados por uma nascente classe intermediária criada pela revolução industrial, ao mesmo tempo em que assistimos uma série de descobertas científicas, tecnológicas, uma verdadeira onda de choque impactou a Europa, a Ásia, as Américas e a África. Durante esta viagem, Dana foi apresentado a um poeta radical chamado Ferdinand Freiligrath, que por sua vez o introduziu a Karl Marx, que a esta altura estava com quase 30 anos de idade, e já havia publicado junto com Friedrich Engels o Manifesto do Partido Comunista. Apesar de não existir nenhum registro deste encontro, sabe-se que 3 anos depois aquele mesmo editor do Tribune, Dana, enviou uma carta a Marx convidando-o para elaborar uma série de artigos sobre as repercussões dos tumultuosos acontecimentos na Europa do final da década de quarenta e início da de 1950.

O jornal New York Daily Tribune foi fundado em 1841, com uma linha editorial progressista — antiescravista, antibelicista, antitabagista, anti-bebidas alcoólicas, anti-grandes conglomerados comerciais, anti-bordéis, anti-casas de jogo – como foi caracterizado por G.G. Van Deusen em um livro sobre o fundador do jornal, Horace Greeley. Com esta orientação o jornal acabou angariando muitos leitores chegando a circular com 200 mil exemplares nos Estados Unidos, ou seja, era considerado o maior jornal do mundo naquela época. Com seu crescimento seus proprietários resolveram montar uma equipe de correspondentes estrangeiros, para a qual Marx foi convidado a escrever.

Sem dúvida esta circunstância foi muito providencial para a situação de grande dificuldade econômica que a família de Marx enfrentava. Ele aceitou a tarefa mesmo sabendo que seria um fator de dispersão de seu foco no trabalho de elaboração de sua obra principal, O Capital. Foi nesta situação que alguns artigos assinados por ele foram escritos por Engels, a seu pedido.

As relações de Marx com seu editor nos Estados Unidos, no entanto, não foram tranquilas. Até um presidente dos Estados Unidos – John F. Kennedy, um dos principais responsáveis pela tragédia da Guerra do Vietnã – em uma conversa com grandes proprietários de jornais, fez referência ao trabalho jornalístico de Marx de forma jocosa: “Vocês devem lembrar que em 1851 o New York Herald (sic) Tribune, sob a direção de Horace Greeley, empregou como seu correspondente em Londres um obscuro jornalista chamado Karl Marx. Sabemos que Marx, este correspondente estrangeiro, estava quebrado, com sua família doente e subalimentada, e que constantemente apelava a Greeley e seu editor Charles Dana por um aumento em seu salário de 5 dólares por mês, um salário que ele e Engels taxaram de forma ingrata de “um desprezível descaramento pequeno-burguês”. Mas quando todos os apelos foram desconsiderados, Marx procurou outros meios de subsistência e fama, acabando por encerrar seu relacionamento com o Tribune e devotando todos os seus esforços em tempo integral à sua causa, deixando um legado para o mundo das sementes do leninismo, do estalinismo, da revolução e da Guerra Fria. Se ao menos este jornal capitalista de Nova Iorque o tivesse tratado de forma mais carinhosa, se ao menos Karl Marx tivesse permanecido como um correspondente internacional, talvez a história tivesse sido diferente”. (ver http:www.jfklibrary.org/042761.htm)

O jornalismo praticado por Marx em uma década de contribuições regulares para o jornal New York Tribune, se distinguia dos jornalismo tradicional de várias formas. A primeira, lembrada pelo organizador de uma seleção de artigos publicados por James Ledbetter, foi sem dúvida o desprezo pelo uso de citações de fontes das altas esferas da sociedade. Ele não era um confidente de diplomatas e mandarins, não vivia de participar em importantes jantares e colóquios secretos. Mas procurava estudar todos os aspectos do assunto tratado, após intensas pesquisas na Sala de Leitura do Museu Britânico (Reading Round Room) e em outras fontes qualificadas em vários países. Buscava a independência acima de qualquer questão, não temendo denunciar poderosos e reis. Não se tratava de ir atrás do furo jornalístico, mas de desvendar os aspectos históricos daquele acontecimento em tela.

Os editores de Marx, sabedores de suas ideias socialistas e comunistas, faziam questão de observar na introdução de alguns artigos que “O senhor Marx tem opiniões muito consolidadas de sua parte, com as quais algumas delas são bem diferentes das que acreditamos”. Além disso é preciso dizer que o jornal foi vítima de uma das crises do capitalismo que o próprio Marx bem reportou no ano de 1857. Em 1861, durante a guerra civil nos Estados Unidos, o Tribune foi obrigado a demitir todos os seus correspondentes estrangeiros, menos Karl Marx. Em 1862, entretanto, seu editor Dana escreveu-lhe uma carta pedindo-lhe que encerrasse sua colaboração com o jornal. Em 1864, já terminada sua atividade com o jornal americano, Marx — em nome da Associação Internacional dos Trabalhadores – enviou correspondência ao presidente Abraham Lincoln cumprimentando-o por sua reeleição e pela vitória da luta contra a escravidão nos Estados Unidos. Você poderá ter acesso à relação dos artigos de Karl Marx publicados na internet através do site: https://www.marxists.org/archive/marx/works/subject/newspapers/new-york-tribune.htm

Questão mais sensível deste período de trabalho regular de Marx para o jornalismo neste jornal americano, sem dúvida, foi o fato de que o trabalho jornalístico o retirava de seu foco mais importante que era sua obra-prima de economia política. No texto de introdução do trabalho “Contribuição à Crítica da Economia Política”, em 1859, Marx deixa claro a seus leitores sobre “a necessidade imperiosa de ganhar a vida, que reduzia o tempo à minha disposição”. E completava: “Minha colaboração com o New York Tribune já completa oito anos até agora, um jornal líder anglo-americano, que me impôs uma excessiva fragmentação de meus estudos…Desde que uma parte considerável de minhas contribuições consistiam de artigos que tratavam de importantes acontecimentos econômicos na Inglaterra e no Continente Europeu. Fui compelido a me tornar íntimo de detalhes práticos que, falando claramente, estavam à margem da esfera da política econômica”.

Aqui já nos referimos ao trabalho de Marx na Gazeta Renana e no Deutsche Jahrbücher, além do New York DailyTribune. É preciso registrar que em 1848 Marx aceitou o convite para dirigir a Nova Gazeta Renana, em Colônia, um jornal diário. Escreveu artigos para vários outros órgãos de imprensa na Alemanha, na França (Vorwärtz!, foi considerado o jornal mais radical da Europa) e na Inglaterra, com destaque para o jornal do movimento Cartista inglês, The Peoples’s Paper, o jornal alemão Die Presse, e o Neue Oder Zeitung. Para o New York DailyTribune Marx e Engels escreveram 487 artigos, sendo 350 de Marx, 125 de Engels e 12 textos escritos a quatro mãos. A publicação completa de todos estes artigos para o Tribune ocupam 7 volumes dos 50 editados como as obras completas de Marx e Engels (que ainda estão incompletas). Ou seja, há muito ainda o que estudar sobre os trabalhos de Marx como jornalista.

Referências

KARL MARX, Dispatches for the New York Tribune: Selected Journalism of Karl Marx – Edited By James Ledbetter com prefácio de Francis Wheen, Londres, 2007 – Penguin Books

KARL MARX, ou o Espírito do Mundo – Jacques Attali, São Paulo, 2007 – Editora Record

THE AGE OF REVOLUTION, 1789—1848, Eric Hobsbawn, New York, 1962 – Vintage Books

O LEITOR DE MARX, org. José Paulo Netto, Rio de Janeiro, 2012 – Civilização Brasileira

MARX ENGELS ET LE JOURNALISME RÉVOLUTONNAIRE, Trinh Van Thao, Paris, 1978, Éditions Anthropos.

*Pedro Oliveira é jornalista e assessor da presidência do PCdoB

*Publicado originalmente do site Vermelho, em 16 de janeiro de 2018.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]