A Bahia será mais uma vez cenário de novela da Rede Globo

Ilha de Boipeba, localizada no município de Cairu.

Ilha de Boipeba, localizada no município de Cairu.

A Ilha de Boipeba, localizada no município de Cairu, no Arquipélago de Tinharé, foi o cenário escolhido para ambientar as cenas iniciais da trama da próxima novela das 21 horas, de João Emanuel Carneiro, prevista para estrear em 2018

Cairu é a sétima cidade a entrar na lista dos municípios baianos que viraram locação de novelas da TV Globo. Após dois anos da exibição de Velho Chico, que teve a Bahia como destaque, o estado volta a ser representado agora pela Ilha de Boipeba, um dos destinos mais bonitos e procurados do Brasil.

Conhecida como o local indicado para pessoas que querem essencialmente contato com a natureza, paz e tranquilidade; dona de paisagens extasiantes acompanhadas de sol, mar, rio e praia. Boipeba que fica localizada aproximadamente a 100 km de Salvador por via marítima e 356 km por via terrestre, tem cerca de 4 mil habitantes, seu ponto forte é a simplicidade da pequena vila de pescadores e o aconchego da população local que dá o charme a ilha.

Novelas que utilizaram cidades da Bahia como cenário

Velho Chico (2016): cenas em Cachoeira e São Francisco do Conde

O Canto da Sereia (2012): cenas em Salvador

Porto dos Milagres (2001): cenas em Canavieiras

Renascer (1993): cenas em Ilhéus

Tieta (1989): cenas em Mangue Seco

Gabriela (1975): cenas em Ilhéus

As belezas naturais de Boipeba

Boipeba tem muito para ser explorado, na telinha o público pode desfrutar das piscinas naturais formadas por recifes de corais, passeio de canoa dentro do mangue, trilhas ecológicas em uma faixa da Mata Atlântica, praias quase desertas, além da possibilidade de banho no rio ou no mar.

O Rio do Inferno separa Boipeba da Ilha de Tinharé. Porém o lugar mais parece um paraíso, onde só se ouve o barulho da água doce que calmamente se encontra com o mar. O final de tarde, ali, é palco de um espetáculo imperdível da natureza: o pôr do sol com uma fantástica mistura de cores e encanto.

Composta por floresta densa da Mata Atlântica, restinga, dunas, extensos manguezais e praias paradisíacas com coqueirais e recifes de grande valor ecológico e paisagístico a ilha possui ainda recifes de corais que se estendem pela costa e tornam as praias abrigadas das ondas e correntes.

A flora e fauna são ricas de uma grande variedade de corais, algas, peixes, moluscos, ouriços, estrelas e outros. Além disso, pode-se constatar a existência de tartarugas marinhas na região, as quais desovam em diversas praias da ilha.

Opções de lazer

Que visita a ilha conta com uma programação variada, com passeios às piscinas naturais formadas por recifes de corais, passeio de canoa dentro do mangue, trilhas ecológicas em uma faixa da Mata Atlântica, praias quase desertas, além da possibilidade de banho no rio ou no mar.

Confira à seguir, outras opções de entretenimento:

Roteiro de Praias – Uma das mais bonitas, a Praia da Boca da Barra é a interseção entre o Rio e o Mar. A Praia de Itacimirim, com ampla faixa de areia é uma boa opção de passeio à pé ou de cavalo. Já a praia da Cueira, uma das mais belas da ilha, merece uma atenção especial. As praias de Moreré e Ponta dos Castelhanos também são excelentes opções.

Roteiro Histórico – A igreja do Divino Espírito Santo, localizado na Velha Boipeba, é o principal monumento da ilha. Há ainda outro importante monumento que data dos primórdios da fundação da cidade – a Residência dos Jesuítas. Pela sua importância histórica e integração com o entorno arquitetônico e natural do sítio, é um dos monumentos que merecem especial atenção.

Roteiro Gastronômico – A culinária local é outra grande atração. Na vila, o visitante pode se deliciar com pratos feitos à base de frutos do mar, e a famosa “pimenta arriba saia”. Um dos passeios mais procurados é na Praia da Cueira, para degustar a famosa lagosta do Sr. Guido, um pescador local, que prepara pratos fabulosos à base do crustáceo, na beira da praia, com água do mar.

Roteiro de Mergulhos e Trilhas – o ponto alto de Boipeba são os passeios e trilhas que podem ser feitos à pé ou a cavalo, mas devem ser sempre acompanhados por um guia local. Passando por paisagens rupestres, o turista conhece o dendezeiro, a mangabeira e o cajueiro, plantas típicas da região. Outro passeio indicado é o de canoa pelo mangue, ou ainda os famosos mergulhos de superfície pelo banco de corais das piscinas naturais.

Como chegar

Para chegar em Boipeba não é muito fácil, mas as dificuldades de acesso deixam o destino ainda mais charmoso. Do aeroporto de Salvador partem pequenos aviões. A viagem demora 30 minutos, mas são aeronaves fretadas e não são periódicas.

Outra opção são as empresas de transfer. A viagem é semiterrestre (vans e barcos) tem duração média de 4 horas. As saídas são diárias.

Se a opção for barco, o melhor é seguir de Salvador até Morro de São Paulo, via catamarã, e lá pegar uma conexão, por meio de lancha rápida. Neste caso a viagem pode durar cerca de 4 horas.  Os catamarãs saem diariamente em vários horários.

Quem viaja de carro ou ônibus, têm várias opções: a primeira via Baía de Todos os Santos com o Ferry-boat até Bom Despacho. A partir daí, segue até Valença. Se o viajante optar, pode fazer o caminho via BR 324, e depois BR 101.

A viagem, por terra dura aproximadamente 3 horas. Chegando a Valença ele pode deixar o carro em um dos estacionamentos pagos e pegar um barco ou lancha rápida para Boipeba. Existem saídas de uma em uma hora. Outra opção é seguir até a comunidade de Graciosa, a 10 km, e à partir daí, deixa o carro e segue de barco.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Assine o JGB

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Publicidade

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]