Executivo da Alphabet alerta: China dominará inteligência artificial até 2030

Eric Emerson Schmidt é o presidente e ex-chefe executivo da Alphabet Inc. - anteriormente denominada Google, a principal subsidiária da empresa recém-criada.

Eric Emerson Schmidt é o presidente e ex-chefe executivo da Alphabet Inc. – anteriormente denominada Google, a principal subsidiária da empresa recém-criada.

Eric Schmidt, presidente da Alphabet, empresa-mãe do Google, advertiu que a China está no caminho certo para superar os EUA em inteligência artificial até 2025 e “dominar a indústria” até 2030 – a menos que as mentes americanas mudassem sua abordagem.

Os comentários vieram em resposta a Pequim, descrevendo sua estratégia de inteligência artificial (IA). Em um discurso perante o Centro de Inteligência Artificial da Nova Segurança Americana e Cúpula de Segurança Global, Schmidt elogiou a estratégia.Até o momento, a maioria dos principais avanços de IA vieram de organizações americanas. Os computadores Deep Blue e Watson da IBM demonstraram o poder de sistemas de aprendizado profundo, as sondas automatizadas da NASA, como Spirit e Discovery, exploraram a superfície de Marte com pouca assistência humana e empresas como a Ford e a General Motors lideraram a carga de veículos automatizados.

Mas isso não vai durar muito mais, de acordo com Schmidt — e ele não está feliz com isso.Qual é a diferença entre a China e os EUA, de acordo com Schmidt? É simples: Pequim inventou uma estratégia nacional de IA e alocou o financiamento público necessário para que isso aconteça. Os EUA não fizeram nada. “Precisamos agir como um país”, disse ele. “A América é o país que lidera nestas áreas, há todas as razões pelas quais podemos continuar essa liderança”.

Schmidt atua como presidente executivo da Alphabet, Inc., além do presidente do Conselho de Invenção da Defesa (DIB), que reúne os principais mentes do Vale do Silício que se associou com o Departamento de Defesa dos EUA. O DIB, que inclui os principais nomes de empresas como LinkedIn e Instagram, o almirante aposentado William McRaven e o astrofísico Neil DeGrasse Tyson, tem como objetivo ajudar o Pentágono a se tornar mais inovador e adaptável em um mundo em rápida mutação.O plano da China inclui aplicações comerciais e militares para IA. Schmidt aconselhou o Pentágono a acelerar os próprios programas. Ele disse que explicou ao ex-secretário da Defesa Ashton Carter e ao atual secretário James Mattis o quão crucial é a vantagem tecnológica em inovação em tempo de guerra.Em suma, o uso chave da automação seria realizar tarefas monótonas, mas cruciais. Schmidt apontou que uma máquina é inerentemente mais adequada à tarefa de, por exemplo, realizar diagnósticos em um tanque. Nunca está aborrecida ou cansada, não precisa fazer pausas e pode alertar instantaneamente aos humanos se algo acontecer.

O executivo também deu uma razão pouco ortodoxa para que os EUA normalizem as relações com um rival de longa data. “Algumas das melhores pessoas estão em países cujos cidadãos estamos banindo. Você preferiria que eles construíssem IA em algum outro lugar ou, em vez disso, o façam aqui?” Schmidt perguntou. “O Irã produz alguns dos melhores cientistas da computação do mundo, e eu quero eles aqui. Para ser claro, eu quero que eles trabalhem para a Alphabet e o Google”.

*Com informações do Sputnik Brasil.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]