Estudo do Banco Mundial analisa qualidade dos gastos públicos no Brasil

Segundo relatório ‘Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil’, é possível reduzir despesas de forma gradual e sem prejudicar a qualidade dos serviços prestados aos mais pobres. Dívida pública deve chegar a 74% do PIB brasileiro em 2017.

Segundo relatório ‘Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil’, é possível reduzir despesas de forma gradual e sem prejudicar a qualidade dos serviços prestados aos mais pobres. Dívida pública deve chegar a 74% do PIB brasileiro em 2017.

O Banco Mundial lançou nesta terça-feira (21/11/2017), em Brasília, um relatório mostrando como as despesas públicas perpetuam injustiças no Brasil. O documento, chamado Um Ajuste Justo, também discute formas de aumentar a eficiência desses gastos.

Segundo o estudo, a dívida pública brasileira deve chegar a mais de R$ 4,8 trilhões em 2017, que equivale a 74% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. E ela continua crescendo rapidamente. Para estabilizar as contas públicas, o país aprovou o teto de gastos em 2016.

Diagnóstico

Isso implica uma redução do gasto público de pelo menos R$ 300 bilhões, ou 5% do PIB, ao longo de uma década. O relatório, solicitado pelo governo federal, fornece um diagnóstico para facilitar a implementação desse ajuste.

O economista-chefe do Banco Mundial para o Brasil, Antonio Nucifora, autor do relatório, comenta que é possível alcançar essa meta de forma gradual, sem gerar prejuízos para os mais pobres.

“Além da reforma da previdência, que é necessária porque ela é o principal motor do desequilíbrio fiscal, uma forma de fazer isso seria reduzindo os privilégios que existem hoje nos salários do funcionalismo público federal e nas aposentadorias dos servidores públicos que entraram antes de 2003. Outra opção seria eliminar algumas políticas de apoio ao setor privado, que não parecem facilitar a criação de emprego e não resultam em melhor produtividade”.

O relatório também traz exemplos nas áreas de educação, saúde, programas de assistência social e políticas para o mercado de trabalho, entre outras.

De forma geral, aponta a necessidade de rever despesas consideradas regressivas, ou seja, que beneficiam apenas os brasileiros não pobres.

Baixe

Relatório do Banco Mundial ‘Um ajuste justo: análise da eficiência e equidade do gasto público no Brasil’

*Com informações de Mariana Ceratti, da Rádio ONU.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]