“Prefeitos ACM Neto e João Doria, tudo a ver!”, compara Robinson Almeida; administração do prefeito de São Paulo é reprovada em pesquisa

João Doria, Paulo Skaf e ACM Neto. Pesquisa aponta para ampliação da reprovação popular a administração de João Doria.

João Doria, Paulo Skaf e ACM Neto. Pesquisa aponta para ampliação da reprovação popular a administração de João Doria.

Em nota encaminhada neste domingo (08/10/2017) ao Jornal Grande Bahia (JGB), o ex-secretário estadual de Comunicação da Bahia e suplente de deputado federal Robinson Almeida (PT) comentou sobre pesquisa do DataFolha que aponta para rejeição crescente do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), com queda de 9%.

Confira o teor da nota de Robinson Almeida

— A pesquisa do DataFolha revelou a reprovação do paulistano a atitude do prefeito de São Paulo, João Doria, de abandonar a gestão para fazer campanha antecipada para presidência da república. Preferido de ACM Neto e dos ricos, Doria caiu 9% na avaliação do seu governo. Para 58% da população, o prefeito deve honrar o compromisso de governar a cidade até 2020.

— ACM Neto tem tudo a ver com Doria, que quando passou em Salvador foi recebido com ovada pelo povo. Toda semana, Neto deixa a prefeitura e se joga em campanha antecipada pra governo do estado. Por onde passa, à semelhança do seu candidato a presidente, Neto causa polêmica, com vaias, gritos de golpista e plateias vazias.

— Não bastasse a ilegalidade da campanha antecipada e o absurdo da traição ao povo de Salvador, que elegeu o prefeito pra trabalhar quatro anos, Neto deixa a gestão nas mãos do PMDB de Geddel, que ocupa a vice-prefeitura. A cidade sente o abandono, com os bairros populares sem atenção básica de saúde, as escolas sem merenda e a iluminação precária.

— É bom os prefeitos, aliados de Temer e líderes do golpe, colocarem as barbas de molho. O povo tá de olho bem aberto pra quem não cuida das cidades e só pensa em suas próprias carreiras políticas. Pra infelicidade deles, caso insistam na aventura de se candidatarem, terão que enfrentar duas pedreiras: Rui Costa na Bahia e Lula no Brasil.

Dados da pesquisa

Segundo o levantamento, o tucano tem 32% de aprovação, 26% de rejeição e 40% de avaliação regular entre os paulistanos. Há quatro meses, Doria pontuava 41% de ótimo/bom, 22% de ruim/péssimo e 34% de regular.

O nome do João Doria também foi rejeitado pela maioria dos entrevistados, todos paulistanos, em uma eventual candidatura para 2018, 55% disseram que não votariam nele para presidente.

Com margem de erro de três pontos para mais ou menos, entre os 1.092 entrevistados de 4 a 5 de outubro, a curva é francamente desfavorável ao prefeito: fora do empate técnico em todas as simulações.

ACM Neto e João Doria

Segundo o jornal Folha de São Paulo, desde a última pesquisa, João Doria passou a percorrer o país em reuniões e estreitou relações com siglas como o DEM, cuja parcela ligada ao prefeito de Salvador, ACM Neto, vê o tucano como melhor candidato à Presidência que o seu padrinho, o governador Geraldo Alckmin (PSDB). Criticado por suas viagens nacionais, Doria sustenta que sua presença física é dispensável num mundo conectado e que São Paulo precisa ser “global”. A população não concorda, segundo o Datafolha. Para 49% dos paulistanos, suas viagens pelo país trazem mais prejuízos do que benefícios à cidade, enquanto 35% aprovam a iniciativa.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Faça uma doação ao JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).