Daime ou Santo Daime? Doutrina do Daime ou Doutrina do Santo Daime? “O Santo Daime está aí, é para todos nós tomar…”

A Doutrina do Santo Daime é praticada através de culto essencialmente musical. A mensagem doutrinária é transmitida por meio de hinos recebidos do mundo espiritual. O conteúdo das mensagens expressa a base religiosa e filosófica da Doutrina, constituem o contato do daimista com a realidade sagrada. São revelações divinas manifestadas na forma de poesia musicada.

O sr. Francisco Grangeiro Filho recebeu significativo hino doutrinário, que diz assim:

Santo Daime está aí

É para todos nós tomar

Santo Daime é um primor

Para quem sabe apreciar

 

Não sabendo apreciar

Quase não adianta tomar

Passa por cima de tudo

Nada pode alcançar

 

Antiguidade não é riqueza

Antiguidade não é saber

De que serve antiguidade

E não saber compreender

 

A firmeza é muito boa

Sem firmeza não se vai

Senão tiver firmeza

Daqui da Terra não sai.

(Link para o vídeo deste hino no Youtube ao final do Artigo)

Francisco Grangeiro Filho

Francisco Grangeiro Filho

Todos sabem que o saudoso feitor de Daime do Mestre Irineu, Chico Grangeiro, e sua família, que conduz o Centro Livre Caminho do Sol (Rio Branco – Acre), não lideram uma instituição daimista dissidente da linha original, aberta pelo Mestre Fundador Raimundo Irineu Serra. Inclusive o Caminho do Sol pode ser classificado como um “centro ayahuasqueiro tradicionalista” — termo utilizado durante a AYA2016 – Conferência Mundial da Ayahuasca.

Francisco Grangeiro Filho não inventou este hino, não o compôs, inspirativamente. Ele o “recebeu” do mundo espiritual, das mãos do Mestre Imperador Rei Juramidã e dos Seres Divinos da Corte Celestial.

O fenômeno extraordinário de recebimento dos hinos pode ser considerado — aproximadamente — como psicofônico, isto é, uma forma específica e original de psicofonia que existe nesta linha espiritual, quando o adepto (daimista) ouve mentalmente a canção que lhe é trazida por seres que habitam o mundo invisível.

Daí que a mensagem doutrinária é testificada no Mundo Astral e aqui na Terra, através dos hinos. Pois estamos falando de religiosidade espírita ou espiritualista, onde se estabelece correspondência com o mundo invisível, astral, para se aferir a veracidade e autenticidade do conteúdo doutrinário.

O Daime é a Luz de Jesus, a Santa Luz. No seu Hinário, Mestre Irineu canta:

No Cruzeiro tem Rosário

Para quem quiser rezar

Também tem a Santa Luz 

Para quem quer viajar.

(Hino 93 do Hinário O Cruzeiro)

A Santa Luz para viajar no mar quântico de felicidade é o Santo Daime.

O Decreto de Serviço lido nos centros livres daimistas tradicionalistas, todo dia 15 e 30 do mês, esclarece:

“O Centro é livre, mas quem toma conta, deve dar conta; ninguém vive sem obrigação e quem tem obrigação tem sempre um dever a cumprir”. E continua: “todos que tomam esta Santa Bebida, não só́ devem procurar ver belezas, primores, e sim corrigir os seus defeitos, formando, assim, o aperfeiçoamento da sua própria personalidade”.

A Santa Luz na Barquinha, segunda Doutrina daimista

Daniel Pereira de Mattos, maranhense e conterrâneo de Irineu Serra, negro, marinheiro reformado e barbeiro na Cidade de Rio Branco – Acre, será seguidor de Mestre Irineu entre 1937 e 1945, quando, após revelação mística, se afasta das fileiras do antigo mestre e funda uma nova doutrina ayahuasqueira.

De Mestre Raimundo Irineu Serra ele receberá as bênçãos e incentivo para cumprir a sua Missão, inclusive os primeiros litros de Daime que utilizará nos trabalhos na sua igrejinha no meio da mata, na Vila Ivonete (Rio Branco – Acre).

Em comum com a Doutrina do Daime do Mestre Irineu, a Barquinha é uma religião cuja mensagem doutrinária também é trazida de forma musicada: os salmos cantados.

Em certa ocasião, quando do recebimento de um lindo salmo, com a consciência expandida em miração, Mestre Daniel percebeu o seu ser como Espírito, feito à imagem do Divino. Em desprendimento corpóreo, navegou nas ondas do Daime, viajando por outros planos e dimensões.

Neste estado de comunhão com Deus, ele pegou do seu violão e cantou o que experenciava:

Estou bem longe, pelas florestas

Pelas campinas, à beira-mar

Com a Rainha e a Santa Fé

E o Santo Daime a passear…

 

… Eu passeei longínquas terras

Lindos planetas eu percorri

A Paz de Deus seja convosco

Irmãos e irmãs estou aqui.

(Trecho de Salmo da Barquinha)

Daí que esta sagrada bebida de poder inacreditável, denomina-se Daime ou Santo Daime — tanto na Doutrina do Mestre Irineu quanto na Doutrina de Mestre Daniel,

Doutrina do Daime ou do Santo Daime?

O Mestre Fundador Irineu Serra não batizou a sua Doutrina com nenhum nome específico, pelo que se sabe. Ele criou uma instituição espiritualista cristã, ayahuasqueira, a qual denominou de ‘Centro de Irradiação Mental Luz Divina’ e, depois, de CICLU – Centro de Iluminação Cristã Luz Universal.

Com a morte do fundador, é considerado um “processo natural” as tensões vividas pelos seus discípulos e as lutas por poder dentro da organização, com a formação de novas lideranças. Abre-se espaço para as dissenções e surgimento de outros centros, que avocam para si a continuidade da Doutrina que adotaram.

Daí que, para designar a linha espiritual ayahuasqueira fundada por Irineu Serra, convencionou-se associá-la ao uso sacramental da “bebida de poder inacreditável “ e denominá-la de Doutrina do Daime — ou Doutrina do Santo Daime.

Quem afirmar o contrário, que os dois termos não podem nem devem ser usados como semelhantes, tipo sinônimos, está buscando criar uma distinção e diferenciação inexistente, sem substância argumentativa que sustente tal enunciado.

Aqueles indivíduos que se  arvoram à condição de “formadores de opinião”, que procurem outra maneira de enfatizar a diferenciação e distinção dos inúmeros “centros livres” da linha do Mestre Irineu, espalhados pelo Mundo Terra. Não é pela nomenclatura (terminologia) que, no caso da Doutrina do Daime — ou Santo Daime — se estabelece a distinção e diferenciação.

A espiritualidade é coisa séria, muito séria e responsável. O humilde homem do povo, Padrinho Irineu Serra, que no Mundo Maior chama-se Mestre imperador Rei Juramidã, alertava:

As palavras que eu disser

Aqui perante a este Poder

Estão escritas no Astral

Para todo mundo ver.

(Hino 78 do Hinário O Cruzeiro)

É fato que existem instituições ayahuasqueiras/daimistas com cosmologias e práticas diferentes da linha original. O que deu margem ao desenvolvimento de “sublinhas”, casas com especificidades e particularidades —  o que é um traço característico da diversidade e riqueza da religiosidade brasileira, que se reflete igualmente no campo ayahuasqueiro.

Todavia, isto em nada afeta a designação de que a linha espiritual fundada por Mestre Raimundo Irineu Serra Juramidã não possa ou não deva ser chamada por todos de Doutrina do Santo Daime.

Doutrina do Daime ou Doutrina do Santo Daime, pois, afinal de contas, “o Santo Daime está aí / É para todos nós tomar…”

Hino O Santo Daime está aí:

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: [email protected]