Governador Rui Costa comenta sobre votação da autorização da ação criminal contra o presidente Michel Temer; processo parlamentar tramita na Câmara dos Deputados

Rui Costa:  topo colocar o meu cargo à disposição, para que nós possamos antecipar as eleições no Brasil e deixar que o povo brasileiro decida quem será o presidente da República, e não o Congresso Nacional.

Rui Costa: topo colocar o meu cargo à disposição, para que nós possamos antecipar as eleições no Brasil e deixar que o povo brasileiro decida quem será o presidente da República, e não o Congresso Nacional.

Em vídeo — encaminhada nesta terça-feira (01/08/2017) ao Jornal Grande Bahia — o governador Rui Costa (PT) comenta sobre a posição que parlamentares da base devem assumir durante votação da autorização para que o Supremo Tribunal Federal (STF) dê prosseguimento a ação criminal interposta pela Procuradoria-Geral da República, contra o presidente Michel Temer (PMDB/SP), por suposto crime de corrupção passiva cometido no exercício da presidência, em conluio com executivos do Grupo J&F.

Ao comentar sobre a situação, Rui Costa relembrou que o mandato popular da ex-presidente da República Dilma Rousseff (PT/RS) foi usurpado, e que, na sequência, um quadro recessivo, com aumento do desemprego e retirada de direitos trabalhistas foi protagonizado. O usurpador Michel Temer e os aliados, a exemplo de ACM Neto (DEM), prefeito de Salvador; e Antonio Imbassahy (PSDB), Ministro-chefe da Secretaria de Governo do Brasil são protagonistas destas violações.

Neste cenário, o governador Rui Costa reafirmou que a saída para a crise política e econômica instalada no país é a convocação de eleições antecipadas.

— Só as eleições diretas podem trazer confiança de volta ao povo brasileiro. Só eleições diretas podem trazer a confiança e o respeito do mundo inteiro para o Brasil. Portanto, acho que neste momento, nós não podemos ter apegos à cargos. Portanto, já disse e vou reafirmar, topo colocar o meu cargo à disposição, para que nós possamos antecipar as eleições no Brasil e deixar que o povo brasileiro decida quem será o presidente da República, e não o Congresso Nacional. Acho que [o Congresso Nacional] não tem legitimidade para fazer esta escolha. — Declarou Rui Costa.

Sufrágio somo alternativa

A posição do governador, segundo parlamentares, é de que a base se abstenha de votar durante a análise do processo criminal contra Michel Temer. Na prática, a orientação favorece o presidente da República, mas, na análise de Rui Costa, evita-se um cenário ainda mais crítico de incertezas, cuja única superação possível é através do sufrágio que legitima o governante, restabelecendo a soberania do povo.

Prosseguimento da ação

Para que o STF dê continuidade à ação criminal, é preciso que a Câmara dos Deputados autorize com pelo menos 342 votos em plenário, o que representa dois terços dos 513 parlamentares.

Confira o vídeo

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]