Debate sobre ‘A Revolução Russa de 1917: legados e lições’ reuniu pesquisadores na UFRB, em Cachoeira; pesquisador Nilson Weisheimer comentou sobre 100 Anos da Revolução Russa

Palestra na UFRB debate 100 anos da Revolução Russa

Palestra na UFRB debate 100 anos da Revolução Russa.

A primeira edição do ‘Ciclo de Debates: 100 anos da Revolução Russa’ abordou o tema ‘A Revolução Russa de 1917: legados e lições’. O evento ocorreu na quarta-feira (09/08/2017), no Auditório do Centro de Artes Humanidades e Letras (CAHL) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), em Cachoeira.

Participaram do debate, pesquisadores, estudantes, políticos, formadores de opinião e membros da comunidade. A atividade foi transmitida ao vivo pela TV UFRB, através do canal na internet (https://www.youtube.com/user/ufrb).

O debate contou com a mediação do professor Dr. Nilson Weisheimer e palestras de Antônio Eduardo Alves (UFRB), abordando o tema ‘A política bolchevique na Revolução Russa’ Fábio Batista Perreira (CEPAG); com o tema ‘A Revolução Russa no Ensino de História’; Mary Garcia Castro (FLACSO), com o tema ‘Alexandra Kollontai: Feminismo e Revolução de 1917’; e Jorge Nóvoa (UFBA), com o tema ‘Desdobramentos críticos da Revolução de 1917’.

Abertura

Ao dar início ao debate, o professor Nilson Weisheimer destacou que a Revolução Russa de 1917 é um marco na história da humanidade e o fato de ser a primeira vez que um debate aberto à comunidade, com o tema socialismo, ocorre no CAHL.

Na sequência, c informou que avanços econômico, científico, cultural e social ocorreram durante a Revolução Russa, permitido a mudança do modo de produção feudal para o socialismo. Ele afirmou que a Revolução registrou, também, limitações, que têm sido objeto de diferentes críticas sobretudo no que se refere ao controle estatal, a simbiose equivocada entre partido e estado e a “estagnação do desenvolvimento da rica teoria do materialismo histórico dialético, com bloqueio da democracia participativa”.

O professor convidou as pessoas a fazerem uma reflexão crítica sobre o momento histórico da Revolução Russa e o processo civilizatório da humanidade.

Perfil do coordenador e mediador do debate

Nilson Weisheimer é doutor em Sociologia pela UFRGS, Pós-Doutor em Sociologia pela USP, professor adjunto da UFRB; professor permanente do programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais: Cultura, Desigualdade e Desenvolvimento (PPGCS/UFRB); líder dos grupos de pesquisas Núcleo de Estudos em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural (NEAF/UFRB) e Observatório Social da Juventude (OSJ/UFRB). Vencedor so Prêmio capes de Teses em Sociologia – 2010.

Confira vídeo

Leia +

Debate sobre ‘A Revolução Russa de 1917: legados e lições’ reuniu pesquisadores na UFRB, em Cachoeira; pesquisador Nilson Weisheimer comentou sobre 100 Anos da Revolução Russa

Professor Antônio Eduardo Alves palestra sobre o tema ‘A política bolchevique na Revolução Russa’; evento marca 100 Anos da Revolução Russa e ocorreu na UFRB, em Cachoeira

Professor Fábio Batista Perreira palestra sobre o tema ‘A Revolução Russa no Ensino de História’; evento marca 100 Anos da Revolução Russa e ocorreu na UFRB, em Cachoeira

Pesquisadora Mary Garcia Castro palestra sobre o tema ‘Alexandra Kollontai: Feminismo e Revolução de 1917’; evento marca 100 Anos da Revolução Russa e ocorreu na UFRB, em Cachoeira

Pesquisador Jorge Nóvoa palestra sobre o tema ‘Desdobramentos críticos da Revolução de 1917’; evento marca 100 Anos da Revolução Russa e ocorreu na UFRB, em Cachoeira

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Nilson Weisheimer
Doutor em Sociologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS – 2009), Pós-Doutor em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP – 2015), professor adjunto da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS/UFRB), líder dos Grupos de Pesquisa do CNPq: Núcleo de Estudos em Agricultura Familiar e Desenvolvimento Rural (NEAF/UFRB) e Observatório Social da Juventude (OSJ/UFRB), e vencedor do Prêmio CAPES de Teses em Sociologia 2010.