Salvador: vereador José Trindade diz que obedientes aliados de ACM Neto são mal informados e que inexperiência administrativa do prefeito se revela através das picuinhas

Vereador José Trindade diz que obedientes aliados do prefeito ACM Neto são mal informados: "só aplicou 30% do valor que arrecadou com o Hospital Municipal".

Vereador José Trindade diz que obedientes aliados do prefeito ACM Neto são mal informados: “só aplicou 30% do valor que arrecadou com o Hospital Municipal”.

O líder da oposição na Câmara Municipal de Salvador (CMS), José Trindade (PSL), rebateu a fala do deputado estadual Pablo Barrozo (DEM) sobre o pedido de liminar da oposição da CMS contra a venda dos terrenos no projeto de desafetação da prefeitura de Salvador.

“Eu entendo a fala do deputado, dá para ver que os obedientes aliados do prefeito são mal informados. Á prefeitura desafetou em 2014, 59 terrenos e até o momento só conseguiu vender 14 e disso, só aplicou 30% do valor que arrecadou com o Hospital Municipal.  Ou seja, pode muito bem utilizar a venda dos terrenos restantes para aplicar em saúde”, afirmou.

Barrozo acusou a oposição de ter recebido ordens do governador Rui Costa (PT) para que derrubassem o projeto de desafetação de terrenos “para tentar atrasar as obras de construção do Hospital Municipal de Salvador”.

Segundo Trindade, os aliados do prefeito ACM Neto (DEM) estão acostumados a posição de submissão. “Talvez o deputado esteja falando isso porque o grupo político que ele serve está acostumado a ser submisso e subserviente ao prefeito, mas no governo democrático de Rui Costa essa é uma prática inexistente”, rebateu.

O vereador disse ainda que a inexperiência administrativa do prefeito se revela através das picuinhas. “Neto tem 45 terrenos encalhados desde 2014. O prefeito tenta compensar a inexperiência administrativa e se vende nas picuinhas com seus aliados”.

A oposição da Câmara lutou na justiça, através de liminar que requeria a suspensão da votação do projeto de desafetação na Câmara Municipal de Salvador. No mandado de segurança, os vereadores José Trindade (PSL), Marta Rodrigues (PT) e Aladilce Souza (PCdoB) argumentaram que a prefeitura não apresentou estudos técnicos “para avaliação do interesse público do projeto”.

Eles cobraram valores dos imóveis, estudos técnicos, manifestação formal das secretarias da Saúde, Cidade Sustentável e Educação sobre possíveis bens afetados como áreas verdes, escolares ou para saúde.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]