PCdoB critica decisão do juiz Sérgio Moro, diz que condenação ocorreu sem provas e que o “ex-presidente Lula é um patrimônio do povo brasileiro”

Atuação parcimoniosa do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.

Atuação partidária do juiz Sérgio Fernando Moro é criticada.

Em nota, emitida nesta quarta-feira (12/07/2017), o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) criticou a decisão do juiz Sérgio Moro em condenar criminalmente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Na avaliação do PCdoB, no processo judicial há completa ausência de provas ou mesmo de um conjunto de evidências minimamente consistentes que permitisse a condenação.

Confira a ‘nota do PCdoB sobre condenação do ex-presidente Lula’

Apesar da completa ausência de provas ou mesmo de um conjunto de evidências minimamente consistentes o juiz Sérgio Moro condenou o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a 9 anos e meio de prisão.

De nada adiantou o trabalho da defesa do ex-presidente, que invertendo o que pede o processo penal, produziu ela mesma prova da inocência de Lula; nem mesmo todas as declarações de inúmeros jurisconsultos afirmando que, com a completa ausência de provas, a condenação seria absurda.

O PCdoB manifesta a sua firme indignação com a decisão proferida pelo juiz Sérgio Moro, solidariza-se com Lula, sua família e seu partido, e conclama todos os democratas, independente de suas posições políticas ou ideológicas, a se mobilizarem para que o Estado democrático de direito seja garantido e o presidente seja inocentado nas próximas instâncias recusais.

A decisão judicial

A nota é decorrente da sentença proferida pelo juiz Sérgio Moro, que condenou o ex-presidente Lula a 9 anos e seis meses de prisão, pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro, no caso do tríplex no Guarujá. A ação judicial foi decorrente das investigações do Caso Lava Jato.

Publicidade

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia), dirige e edita o Jornal Grande Bahia (JGB).