Caso Cui Bono: ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso pela PF na Bahia; confira decisão judicial

Investigação do Caso Cui Bono revela ligação entre o ex-ministro Geddel Vieira Lima, ex-deputado Eduardo Cunha e esquema do PMDB.

Investigação do Caso Cui Bono revela ligação entre o ex-ministro Geddel Vieira Lima, ex-deputado Eduardo Cunha e esquema do PMDB.

Agentes da Polícia Federal (PF) prenderam nesta segunda-feira (03/07/2017), na Bahia, o ex-ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o político baiano estaria tentando obstruir a investigação de supostas irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal.

A prisão preventiva foi pedida pela PF e pelos integrantes da Força-Tarefa da Operação Greenfield, a partir de informações fornecidas em depoimentos do doleiro Lúcio Bolonha Funaro, do empresário Joesley Batista e do diretor jurídico do grupo J&F, Francisco de Assis e Silva, sendo os dois últimos em acordo de colaboração premiada.

A Polícia Federal informou, também, que o cumprimento do mandado de prisão preventiva em desfavor do ex-ministro Geddel Vieira Lima ocorreu no contexto da Operação ‘Cui Bono?’, em decisão proferida pelo juiz Vallisney Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília. O ex-ministro do governo Temer será transferido para Brasília, onde ficará à disposição do juízo.

Em janeiro deste ano, policiais federais cumpriram mandados de busca e apreensão na casa do ex-ministro, alvo da Operação Cui Bono, que investiga o suposto esquema de corrupção na Caixa no período entre 2011 e 2013 – período em que Geddel ocupou a vice-presidência de Pessoa Jurídica da instituição.

A Operação Cui Bono – expressão latina que em português significa “a quem beneficia?” – é um desdobramento da Operação Catilinárias, deflagrada em dezembro de 2015, no âmbito da Operação Lava Jato, quando policiais federais encontraram um telefone celular na residência do então presidente da Câmara dos Deputados, o ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que revelou uma intensa troca de mensagens eletrônicas dele com Geddel.

Agora, os autores do pedido de prisão preventiva de Geddel dizem que o ex-ministro estaria tentando evitar que Cunha e o corretor Lúcio Funaro firmem acordo de colaboração com o MPF, atuando para garantir vantagens indevidas aos dois e “monitorando” o comportamento do doleiro de forma a constrangê-lo a não fechar o acordo.

Na petição à Justiça, os procuradores reproduziram mensagens que dizem que Geddel enviou à mulher de Funaro entre os meses de maio e junho. As mensagens, segundo o MPF, foram entregues às autoridades pelo próprio Funaro. Para os investigadores, Geddel continua agindo para obstruir a apuração dos crimes.

Geddel é o quinto investigado por suspeitas de fraudes em recursos administrados pela Caixa a ser preso preventivamente. Além de Eduardo Cunha e de Lúcio Funaro, também estão presos o também ex-presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves, e o ex-agente do Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), André Luiz de Souza. Embora fosse um dos alvos dos mandados de prisão contra os investigados por irregularidades na Caixa, Henrique Eduardo Alves acabou sendo preso, em junho, no âmbito da Operação Manus, que apura a suspeita de corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro na construção do estádio Arena das Dunas, em Natal (RN).

Baixe

Decisão judicial em que é ordenada prisão de Geddel Quadros Vieira Lima

Leia +

Uma síntese sobre a Operação ‘Cui Bono?’; o PMDB de Michel Temer, Eduardo Cunha e Geddel Vieira Lima no centro de um escândalo de corrupção

Operador de esquema de propinas do PMDB, Lúcio Funaro relata à Polícia Federal ter pago R$ 20 milhões ao ex-ministro Geddel Vieira Lima; confira trechos do depoimento

Denúncia da PGR contra presidente Michel Temer incluirá depoimento do doleiro Lúcio Funaro; operador de Eduardo Cunha disse à PF que Geddel Quadros manteve contato questionado possível delação

Caso Cui Bono: ex-ministro Geddel Vieira Lima estaria tentando obstruir investigação que apura irregularidades na liberação de recursos da Caixa Econômica Federal, diz MPF

Caso Cui Bono: ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso pela PF na Bahia; confira decisão judicial

Caso Cui Bono: juiz manda apreender telefones e acessar sigilo telemático de Geddel Vieira Lima

Em nota, defesa do ex-ministro Geddel Vieira Lima diz que prisão foi desnecessária, voltada para a imprensa, reafirma inocência e declara que está confiante na “altivez do Poder Judiciário”

Deputado Robinson Almeida diz que prisão de Geddel Vieira Lima tem repercussão no Governo Temer e na gestão do prefeito ACM Neto

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]