As primeiras fábricas de Feira de Santana | Por Adilson Simas

Artigo aborda as primeiras fábricas de Feira de Santana.

Artigo aborda as primeiras fábricas de Feira de Santana.

Com a marca do historiador Antônio Moreira Ferreira, o Antônio do Lajedinho, vale a pena ler o texto “As Primeiras Fábricas”, nas páginas 113 a 115 do livro “A Feira no Século XX”, editado em 2006 pelo festejado cronista da Feira de Santana.

– O gosto por vinhos é uma herança dos europeus.

Embora tenha trazido também a uva um pouco mais tarde, somente depois da segunda guerra mundial, o vinho tornou-se acessível às classes pobres.

O brasileiro sempre foi criativo e, não tendo uvas para fazer vinhos, logo encontrou na jurubeba, no abacaxi, no jenipapo, no maracujá, no caju e em outras frutas, substitutos para a fabricação de vinhos equivalentes.

Assim o químico Paulo da Costa Lima criou, em 1924, os vinhos de diversas frutas e montou em Feira de Santana a primeira fábrica de grande porte: Fábrica Leão do Norte.

Quando a cidade tornou-se pequena para abrigar, levou-a para Salvador onde existe até hoje dentro dos parâmetros atuais.

Ficaram os seus discípulos: Francisco Ferreira da Silva, Francisco Valadares, Emídio Trindade, Afonso Rico, Janico Aguiar e Durval Lago, até que o progresso de após guerra, em 1945, popularizou o vinho de uva e sepultou as pequenas fábricas de vinho e vinagre.

Também as primeiras fábricas de doce aqui em Feira, como em todo mundo, foram artesanais, sendo as filhas do Coronel Tertuliano Almeida as primeiras a empregar vendedoras de guloseimas.

Dona Aurelina, filha do capitalista Juca Silva e posteriormente esposa de Anacleto Figueiredo Mascarenhas, foi a criadora em Feira de Santana de uma “cesta de balas”, onde vendia, desde o “queimado” (cinco balas enroladas separadamente e em um mesmo papel), até o chocolate trazido de Salvador.

Era permitida a venda dentro do cinema ou em qualquer evento.

Foi em 1950 que os queimados deram lugar para a primeira fábrica de balas em moldes de indústria, com o nome de Fábrica Guanabara, propriedade de Marivaldo Pereira Franco e Carlos Simões Oliveira.

Foi instalada na Rua Marechal Deodoro, nas proximidades da Casa da Borracha, sendo a parte da frente destinada à venda e entrega de mercadorias e, no fundo, num espaço amplo, o setor de fabricação e embalagem.

Embora produzisse os mais variados tipos de caramelos, era o “café com leite” o mais procurado  em todo o Estado da Bahia.

Em 1953, foi a última vez que vi meu amigo Carlos Simões de Oliveira.

Por uma grata coincidência encontrei seu filho, que conheci criança, Dimas de Oliveira, que atualmente é um dos competentes editores do jornal Folha do Estado.

Vendo tantas crianças que vi em minha maturidade, hoje quarentonas, é que sinto a realidade de ter vivido um sexto dos quinhentos anos do Brasil…

*Adilson Simas é jornalista.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]