Coelba nega corte de cabos de voz e dados de empresas de internet de Salvador e diz que procedimento objetiva retirar cabos inativos e equipamentos instalados à revelia

Fiação inadequada em postes da rede elétrica apresenta risco para população.

Fiação inadequada em postes da rede elétrica apresenta risco para população.

Em nota, emitida nesta terça-feira (14/06/2017), a concessionária pública de energia Coelba nega que esteja retirando cabos de voz e dados de empresas de internet, instalados na rede de postes de energia elétrica de Salvador.

Segundo a empresa, “o trabalho de reordenamento das fiações nos postes da distribuidora foi iniciado no final de 2015 e consiste na identificação, retirada de cabos inativos e equipamentos instalados à revelia, coordenação e monitoramento das ações de regularização do cabeamento das telecomunicações e de organização das situações como emaranhados de fios, exposição de riscos de acidentes e poluição visual na cidade”.

Confira nota ‘A Coelba esclarece’

*Não está realizando corte indevido de cabos de empresas de internet em Salvador. O trabalho de reordenamento das fiações nos postes da distribuidora foi iniciado no final de 2015 e consiste na identificação, retirada de cabos inativos e equipamentos instalados à revelia, coordenação e monitoramento das ações de regularização do cabeamento das telecomunicações e de organização das situações como emaranhados de fios, exposição de riscos de acidentes e poluição visual na cidade.

*O objetivo é ordenar as instalações de telecomunicações nos postes da rede elétrica e promover a segurança da população e dos profissionais de todas as empresas que acessam os postes da Coelba, além de diminuir o impacto visual provocado pelo desordenamento da rede de telecom. Fiações irregulares e desordenadas estão mais sujeitas a risco de queda, de se entrelaçar em veículos altos, por causa, muitas vezes, da altura inadequada e de inclinação do poste por excesso de peso.

*A distribuidora nunca se negou a conversar e negociar com as empresas para garantir a regularização no compartilhamento dos postes. As empresas que, por algum motivo, estejam utilizando os postes de forma irregular, ou seja, com cabos instalados sem o conhecimento da Coelba, ou sem autorização de funcionamento da Anatel, devem procurar a concessionária, imediatamente, para regularizar a situação

*Ressaltamos ainda que não há novas regras em vigor, a Coelba coloca em prática as regras já existentes, desde 2014, da Aneel e Anatel, agências reguladoras do setor de energia e telefonia, respectivamente. Todo o trabalho feito pela Coelba é realizado com comunicação prévia e em conjunto com as empresas de telecomunicações.

* Em reunião ocorrida em 12/06 com representantes do sindicato e associações de provedores de internet, com a presença de um representante da Anatel, a Coelba explicou a importância de seguir a legislação vigente e os procedimentos para regularização. Também ficou acordado entre as partes um prazo de 90 dias para a regularização, a partir do diagnóstico apresentado pela Coelba. Todo o procedimento para o reordenamento dos cabos de provedores de internet nos postes será acompanhado em conjunto pela Coelba, o sindicato e as associações representantes dos provedores.

*Somente em 2016, foram ordenados 45 Km de cabos de telefonia e telecomunicações em 11 grandes corredores viários de Salvador e retiradas cerca de 1,5 toneladas de materiais das redes de telefonia/telecomunicações instalados irregularmente.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).