Arquidiocese de Feira de Santana emite nota em solidariedade ao padre Gilmar Assis; entidade rejeita atitude preconceituosa e racista contra clérigo

Padre Gilmar Assis e a nota de solidariedade da Arquidiocese de Feira de Santana.

Padre Gilmar Assis e a nota de solidariedade da Arquidiocese de Feira de Santana.

Em nota, emitida nesta segunda-feira (05/06/2017), pela Arquidiocese de Feira de Santana, a circunscrição eclesiástica da Igreja Católica presta solidariedade a Gilmar Assis, padre-cura da Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho, localizada na cidade de Serra Preta.

“Prestamos nossa solidariedade ao padre Gilmar Assis e a todas as pessoas que sofrem qualquer tipo de discriminação e preconceito!”, expressa a Arquidiocese de Feira de Santana.

A entidade religiosa afirma que o clérigo foi “vítima de injúria racial e ameaças. Em um áudio compartilhado por inúmeras pessoas, o padre sofre preconceito de natureza racista, uma vez que o mesmo é negro, além disso, ameaças de morte e outras humilhações”.

A nota da Arquidiocese é assinada pelo Conselho Presbiteral, formado pelos monsenhores José Nery de Almeida e Luiz Rodrigues de Oliveira, e pelos padres Edimundo Almeida dos Santos, Gilvan Pereira Brito, Arivaldo Aragão Vitória, Gerson Pereira Figueiredo, Francisnário de Araújo Soares, Hipólito Gramosa dos Santos, João Carlos Falcão Brito e João Eudes R. de Jesus.

Confira íntegra da ‘Nota de Solidariedade’

A ARQUIDIOCESE DE FEIRA DE SANTANA vem manifestar a sua solidariedade ao Padre Gilmar Assis, pároco da Paróquia Nossa Senhora do Bom Conselho na cidade de Serra Preta/BA, que foi vítima de injúria racial e ameaças. Em um áudio compartilhado por inúmeras pessoas, o padre sofre preconceito de natureza racista, uma vez que o mesmo é negro, além disso, ameaças de morte e outras humilhações. Sabemos o quanto essas atitudes machucam suas vítimas e abrem feridas de difícil cicatrização.

Num Estado democrático de direito, é inadmissível qualquer postura discriminatória. Somos todos iguais perante a lei e gozamos dos mesmos direitos e deveres. Repudiamos as manifestações de ódio e todas as formas de racismo e discriminação correlatas.

Racismo é crime. A Igreja, perita em humanidade, quer ser um espaço de misericórdia, perdão e acolhimento, mas não pode compactuar com atitudes que se constituem crimes e ferem a dignidade humana.

Prestamos nossa solidariedade ao Padre Gilmar Assis e a todas as pessoas que sofrem qualquer tipo de discriminação e preconceito! Recomendamos nossas preces e orações para que as pessoas que destilam seus ódios e preconceitos façam um caminho de conversão e de respeito ao ser humano.

Feira de Santana, 05 de Junho de 2017.

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB); Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF) e Aluno Especial do Programa de Doutorado em Sociologia da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Atua como jornalista e cientista social, é filiado à Federação Internacional de Jornalistas (FIJ, Reg. Nº 14.405), Federação Nacional de Jornalistas (FENAJ, Reg. Nº 4.518), Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado da Bahia (SINJORBA), Associação Brasileira de Imprensa (ABI Nacional, Matrícula nº E-002907) e Associação Bahiana de Imprensa (ABI Bahia).