Domingo de Ramos. A entrada de Jesus Cristo em Jerusalém

João Batista, ao ouvir na prisão o que Cristo estava fazendo, enviou seus discípulos para lhe perguntarem:

— És tu aquele que haveria de vir ou devemos esperar algum outro?

Jesus respondeu:

— Voltem e anunciem a João o que vocês estão ouvindo e vendo: Os cegos veem, e os coxos andam; os leprosos são limpos, e os surdos ouvem; os mortos são ressuscitados, e aos pobres é anunciado o evangelho (Mateus 11:2-5).

Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!

Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor!

Domingo de Ramos

Numa radiante manhã de domingo, Jesus Cristo entrou na cidade sagrada de Jerusalém, aclamado como o Deus Messias, o Ungido, o Eleito de Deus.

O Nosso Senhor humildemente escolheu o lombo de um burrico para entrar em Jerusalém.

Foi assim: quando se aproximaram de Jerusalém, enviou Jesus dois discípulos, dizendo:

— Ide até o povoado que está em frente, e logo que ali entrardes, encontrareis amarrado um jumentinho que nunca foi montado. Desamarrai-o e trazei-o aqui! Se alguém disser: ‘Por que fazeis isso?’, dizei: ‘O Senhor precisa dele, mas logo o mandará de volta’.

Eles foram e encontraram um jumentinho amarrado junto de uma porta, do lado de fora, na rua, e o desamarraram. Alguns dos que estavam ali disseram:

— O que estais fazendo, desamarrando esse jumentinho?

Os discípulos responderam como Jesus havia dito, e eles permitiram.

Levaram então o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele seus mantos, e Jesus montou.

Quando ele já estava perto da descida do Monte das Oliveiras, toda a multidão dos discípulos começou a louvar a Deus alegremente, em alta voz, por todos os milagres que tinham visto. Exclamavam:

— Bendito é o rei que vem em nome do Senhor!  Paz no céu e glória nas alturas!

Alguns dos fariseus que estavam no meio da multidão disseram a Jesus:

— Mestre, repreende os teus discípulos!

Jesus lhes respondeu:

— Eu lhes digo, se eles se calarem, as pedras clamarão.

Ele foi recebido por ramos de palmas, pétalas de rosas e buquês de flores.

Às portas de Jerusalém, homens e mulheres deitavam as suas mantas ao solo onde Jesus pisaria; outros espalharam ramos que haviam apanhado nos campos.

(Na rica cosmologia da doutrina ayahuasqueira da Barquinha, é dito que foi São Severino dos Ramos quem organizou esta festa para o Nosso Salvador, Jesus Messias).

Os que iam à frente e os que vinham atrás gritavam:

— Hosana! Bendito o que vem em nome do Senhor! Bendito seja o reino que vem, o reino de nosso pai Davi! Hosana no mais alto do céus!

Quando se aproximou e viu a cidade, Jesus chorou sobre ela e disse:

— Ai de ti, Jerusalém, que mata os seus profetas… Se você compreendesse neste dia, sim, você também, o que traz a paz! Mas agora isso está oculto aos seus olhos. Virão dias em que os seus inimigos construirão trincheiras contra você, e a rodearão e a cercarão de todos os lados. Também a lançarão por terra, você e os seus filhos. Não deixarão pedra sobre pedra, porque você não reconheceu o tempo em que Deus a visitaria.

Enquanto isso, o povo o aclamava como o Ungido, o Salvador, o Deus Messias.

Apesar de toda a aclamação, o Senhor não vinha alegre, e sim trazia no semblante uma discreta tristeza, pois Ele sabia que aquele mesmo povo que hoje o saudava como o Deus Messias, o Ungido, o Eleito de Deus, o crucificaria, dali a alguns dias.

Qual o significado atual do Domingo de Ramos?

Numa radiosa manhã de domingo, como essa de hoje, em que se celebra o Domingo de Ramos, para o cristão é dia de festa, dia de alegria.

Pois vamos festejar a entrada de Jesus Salvador nas nossas vidas.

Vamos festejar a entrada de Deus Messias nos nossos lares.

Vamos festejar a entrada de Deus Jesus em nossos corações.

A Paz de Deus seja conosco.

Publicidade

Publicidade

Compartilhe e Comente

Facebook do JGB

Publicações relacionadas

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Juarez Duarte Bomfim
Baiano de Salvador, Juarez Duarte Bomfim é sociólogo e mestre em Administração pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), doutor em Geografia Humana pela Universidade de Salamanca, Espanha; e professor da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Tem trabalhos publicados no campo da Sociologia, Ciência Política, Teoria das Organizações e Geografia Humana. Diversas outras publicações também sobre religiosidade e espiritualidade. Suas aventuras poético-literárias são divulgadas no Blog abrigado no Jornal Grande Bahia. E-mail para contato: juarezbomfim@uol.com.br.