Centrais sindicais e movimentos sociais protestam contra reforma da Previdência e Governo Temer

Atos no dia 31 de março preparam o Brasil para greve geral. Manifestação, em São Paulo, contra o desmonte da Previdênci, reforma trabalhista, terceirização e Governo Temer.

Atos no dia 31 de março preparam o Brasil para greve geral. Manifestação, em São Paulo, contra o desmonte da Previdênci, reforma trabalhista, terceirização e Governo Temer.

Atos no dia 31 de março preparam o Brasil para greve geral. Manifestação, em São Paulo, contra o desmonte da Previdênci, reforma trabalhista, terceirização e Governo Temer.

Atos no dia 31 de março preparam o Brasil para greve geral. Manifestação, em São Paulo, contra o desmonte da Previdênci, reforma trabalhista, terceirização e Governo Temer.

Centrais sindicais e movimentos sociais convocaram para hoje (31/03/2017) atos em várias cidades do país. Os manifestantes protestam contra a reforma da Previdência, reforma trabalhista e o projeto de lei da terceirização, aprovado pela Câmara dos Deputados e que permite a uma empresa contratar trabalhadores terceirizados para todas as atividades. O projeto aguarda sanção do presidente Michel Temer.

Salvador

Na capital baiana, representantes de diversas categorias, centrais sindicais, movimentos sociais e frentes populares se encontraram no Campo da Pólvora, Praça do Fórum Ruy Barbosa, no bairro central de Nazaré. O protesto teve início às 9h, e os manifestantes seguiram pela Avenida Joana Angélica, em direção ao bairro do Barbalho.

Para a médica Mônica Angelim, do movimento Médicos pela Democracia, a terceirização e a reforma da Previdência são “medidas retrógradas, que ameaçam os direitos dos trabalhadores”.

“O povo acordou, está na rua e vai lutar até ver os direitos dos trabalhadores preservados, como garantia de férias, FGTS. Por isso que hoje a classe trabalhadora ganhou as ruas de todo o Brasil contra a terceirização, contra a reforma trabalhista, contra o governo e a favor de uma nova eleição direta”, disse o diretor da Central Única dos Trabalhadores (CUT) na Bahia, Cedro Silva. A central foi uma das organizadoras do ato.

PSOL Bahia participa dos protestos do Dia Nacional de Mobilização contra o Governo Temer

A militância do PSOL baiano participou do Dia Nacional de Mobilização contra as Reformas da Previdência, Trabalhista e o Projeto que visa regulamentar a terceirização no Brasil, nesta sexta-feira(31), na região do Iguatemi e no Campo da Pólvora em direção ao Forte do Barbalho, em homenagem aos presos políticos da Ditadura Militar. As lideranças da sigla prestigiaram as manifestações ao lado de diversos sindicatos e movimentos sociais. Frente Povo Sem Medo, Brasil Popular, CTB, NCST, UGT, CUT, UBES, ANEL, CTB, CSP Conlutas,PSOL, PCB, PT, PCdoB e PSB. O vereador Hilton Coelho e o Presidente Estadual do PSOL na Bahia, Ronaldo Santos, protestaram contra o Governo Temer durante os atos.

O ex-candidato a Senador do PSOL na Bahia, Hamilton Assis, destacou que as reformas de Michel Temer possuem um caráter regressivo. Para o psolista, representam um “desmonte” da Constituição Brasileira de 1988, principalmente, em relação à cláusula que trata da Seguridade Social no país. “Essas propostas sinalizam um aprofundamento das políticas neoliberais. Hoje, os trabalhadores do Brasil visam construir uma unidade nesse novo patamar de lutas! Essas manifestações vão contribuir para deflagrarmos a greve geral, em 28 de abril! O governo Temer representa uma agenda regressiva para o país!”, salientou a liderança, membro da Executiva Municipal de Salvador e integrante da Direção da SCP Conlutas.

Segundo a militante e recém- filiada ao PSOL, Isadora Salomão, os movimentos sociais precisam “acumular forças” nas ruas para o processo de construção da greve geral no Brasil. ” A gente precisa explicar a sociedade que essas reformas vão atingir diretamente a vida das pessoas, principalmente, a população negra e pobre do país. Vamos construir a greve geral em repúdio ao Governo golpista!”, enfatizou Isadora Salomão, liderança do Coletivo 4 de Novembro e ex-dirigente do DCE UFBA.

São Paulo

Manifestantes ocupam, desde as 17h30, a Avenida Paulista. O ato teve início por volta das 14h, no vão livre do Masp, onde os professores estaduais decidiram suspender a greve, em assembleia.

Participam do ato químicos, metalúrgicos, professores universitários e integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto se juntaram ao ato. O grupo de manifestantes saiu em caminhada, sentido rua da Consolação. Eles carregam faixas pedindo greve geral e a saída do presidente Michel Temer.

Pela manhã, foram realizados protestos menores que alteraram o trânsito, como na Avenida Jacú Pêssego, na saída de São Paulo para a cidade de Mauá. Na Estrada do M’Boi Mirim, na zona sul, manifestantes ocuparam parte da pista e atearam fogo a pneus. As chamas foram apagadas pelos bombeiros e a via liberada.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro, os manifestantes se concentraram, às 15h, na Igreja da Candelária e saíram em passeata, às 18h, pela Avenida Rio Branco, até a Cinelândia. Eles foram apoiados por um caminhão de som, onde se concentram as lideranças políticas, que se alternaram em discursos com críticas às reformas propostas pelo governo federal. O grupo seguiu até as escadarias da Câmara Municipal, quando o caminhão estacionou e deu seguimento ao ato.

Homens do Batalhão de Grandes Eventos acompanham os manifestantes. Até às 19h, o protesto seguia pacífico. Um grupo de estudantes, incluindo alguns mascarados, acompanharam a manifestação, mas evitaram se unir aos sindicalistas, ficando longe do caminhão de som.

Fortaleza

O ato começou na Praça da Bandeira e foi até a Praça do Ferreira. Integrantes de centrais sindicais, organizações da sociedade civil, trabalhadores de diferentes categorias, indígenas e outros segmentos caminharam com faixas, cartazes e bandeiras pedindo a suspensão dos projetos que tratam das reformas da Previdência, trabalhista e que permite a terceirização de mão-de-obra em qualquer atividade.

Vários estudantes participaram do ato. Para o integrante do Movimento RUA, Marcelo Sousa Lima, o ato integra a mobilização feirua por centros e diretórios acadêmicos para sensibilizar os jovens sobre a importância de defender os direitos sociais e pressionar o governo para mudanças das reformas propostas.

“A juventude está perdendo uma série de direitos. Se formos falar em termos de aposentadoria, quem são os maiores prejudicados? A médio e longo prazo, é a grande massa de jovens de hoje. Fora o problema do desemprego. Os quase 13 milhões de desempregados são, sobretudo, jovens – ou estão desempregados ou em péssimas condições de trabalho na dita terceirização”, disse.

A organização do evento divulgou uma estimativa de 30 mil pessoas. A Polícia Militar não contabilizou o número de participantes.

A Polícia Militar não divulgou o número de manifestantes. A CUT estimou em cerca de 10 mil pessoas.

Brasília

Em um ato de cerca de 40 minutos, juízes, advogados, servidores e membros da Justiça do Trabalho protestaram contra as reformas e a desvalorização da Justiça do Trabalho, no Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região.

“Algumas inverdades têm sido propagadas a pretexto de justificar a aprovação de uma reforma trabalhista com consequências nefastas para os trabalhadores, num Brasil que ainda enfrenta graves problemas no combate ao trabalho escravo e ao trabalho infantil; num país em que são registrados cerca de 600 mil acidentes de trabalho por ano, num país em que a terceirização é sinônimo de precarização da relação de emprego”, diz o presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região, Pedro Luís Vicentin Foltran.

Segundo Foltran, há também uma tentativa de enfraquecimento da Justiça do Trabalho, que têm recebido críticas por parte de parlamentares e ministros. O presidente ressaltou que houve um corte de 90% nos investimento e 30% em despesas de custeio do orçamento da área.

 “A Justiça do trabalho existe para preservar os direitos constitucionais e infraconstitucionais, para defender a dignidade do trabalhador e do empregador”, disse o vice-presidente do TRT 23ª Região e presidente do Colégio de Ouvidores da Justiça do Trabalho, Eliney Bezerra Veloso.

O ato ocorreu no saguão de entrada do Tribunal, onde foram estendidos cartazes com os dizeres como “Trabalhador sem Justiça é escravo”.

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]