Feira de Santana não está entre as áreas afetadas por febre amarela e notificação da tríplice epidemia em janeiro é menor do que a registrada em 2016, informa Secretaria Municipal da Saúde

Tabela com sintomas das doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti.

Tabela com sintomas das doenças transmitidas pelo mosquito aedes aegypti.

Os feirenses podem ficar tranquilos: Feira de Santana não faz parte de áreas afetadas e nem tão pouco faz limites com estados onde estão ocorrendo registros de febre amarela, como Minas Gerais e Espírito Santo. Quem alerta é a secretária municipal de Saúde, Denise Mascarenhas, ao informar que não existe nenhuma notificação da doença nesta cidade.

Mesmo não havendo registros, a Secretaria Municipal de Saúde informa que o órgão municipal já está preparado e adotando ações padrão para prevenir contra a doença. “Não há necessidade das pessoas correrem aos postos de saúde para se vacinarem. Estamos imunizando prioritariamente apenas crianças e pessoas que comprovadamente vão viajar para as regiões do país onde existem registros da doença”, frisou Denise Mascarenhas.

Para tranquilizar a população e evitar correria desnecessária às unidades de saúde em busca de vacina, de forma aleatória, a secretária Denise Mascarenhas concedeu entrevista coletiva, na manhã desta sexta-feira, 27. “Não precisamos criar alarde no município sobre algo que não existe. A Secretaria de Saúde tem adotado as medidas preventivas necessárias, através da Vigilância Epidemiológica. Justamente por isso estamos fazendo apenas a vacinação seletiva”, destacou, ao informar que este mês o Ministério da Saúde somente encaminhou para Feira de Santana 6.400 doses da vacina, que já foram distribuídas e ministradas.

A coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Francisca Lúcia da Silva Oliveira, faz uma alerta importante! Informa que quem já tomou a vacina anteriormente, já está imunizado por toda a vida. E observa também que quem repetir a dose aleatoriamente estará correndo risco de contraírem a doença através da superdosagem.

A febre amarela é transmitida pelo mosquito aedes aegypti e tem como principal sintoma uma fere aguda que dura até 12 dias.

Notificação da tríplice epidemia em janeiro é menor do que a registrada em 2016

Nas primeiras semanas de 2017, a tríplice epidemia em Feira de Santana, de acordo com o boletim divulgado pela Vigilância Epidemiológica apresenta números de notificações inferiores em período semelhante ao ano passado. A tríplice epidemia é formada pela dengue, zika vírus e a chikungunya, e todas as doenças são transmitidas pelo mosquito aedes aegypti.

Até o momento, das 15 notificações, apenas um caso de chikungunya foi confirmado pela Viep. No ano passado os números foram semelhantes. No distrito de Maria Quitéria foram cinco suspeitas. O número de dengue no período foi de três casos confirmados, sendo que no Feira X o número de suspeitas da doença chegou a quatro.

Neste ano a Viep não registrou nenhum caso de zika. Em 2016 a quantidade de notificações chegou a 358. O bairro com maior número foi a Mangabeira, com 30 suspeitas. No município a quantidade de notificações de microcefalia, doença relacionada à zika, no ano passado chegou a 55, com 21 confirmações.

A redução na quantidade de casos, afirma a secretária de Saúde, Denise Mascarenhas, está diretamente relacionada às medidas preventivas. “Estamos realizando um trabalho de campo muito bom, com o empenho de todos os agentes, bem como a participação dos cidadãos”, afirmou.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Redes sociais do JGB

Publicidade

Faça uma doação ao JGB

Perfil do Autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]