Em entrevista, Moniz Bandeira avalia que a vitória de Donaldo Trump representa a derrota de “Wall Street”

Posse de Donald John Trump, como 45º presidente dos Estados Unidos.

Posse de Donald John Trump, como 45º presidente dos Estados Unidos.

Segundo o cientista político Moniz Bandeira, a vitória do republicano Donaldo Trump representa o repúdio do eleitor comum ao establishment. (Mulheres protestam contra Donald Trump)

Segundo o cientista político Moniz Bandeira, a vitória do republicano Donaldo Trump representa o repúdio do eleitor comum ao establishment. (Mulheres protestam contra Donald Trump)

Quando lançou em outubro d 2016 seu mais recente livro, intitulado ‘A Desordem Mundia’l, o cientista político Luiz Alberto Moniz Bandeira não previa exatamente a eleição de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos.

Mas o caldo de cultura que alimentou a surpreendente vitória do republicano está fartamente analisado na obra, uma minuciosa descrição do predomínio do sistema financeiro e do esforço militar para espalhar pelo planeta o “espectro da dominação total” dos EUA.

A desordem, no fim das contas, não foi só externa. “Um outsider venceu como franco repúdio ao establishment”, afirma Moniz Bandeira nesta entrevista.

Confira a entrevista

— Como interpretar a vitória de Donald Trump?

Luiz Alberto Moniz Bandeira: Os grandes bancos e corporações concentrados em Wall Street sempre foram, de fato, os eleitores do presidente dos Estados Unidos. Agora, porém, a tentativa de colocar Hillary Clinton na chefia do governo falhou. Um outsider da política venceu como franco repúdio ao establishment.

Ele recebeu, em larga medida, o apoio dos trabalhadores brancos empobrecidos pela globalização. A política do presidente Barack Obama, do Partido Democrata, foi igual ou pior do que aquela do presidente George W. Bush, do Partido Republicano. E o sistema político nos Estados Unidos está corrompido e apodrecido como no Brasil.

— O senhor acha que o republicano conseguirá cumprir a promessa de tornar os EUA mais protecionistas, barrar produtos chineses e recuar em acordos de livre comércio?

Moniz Bandeira: Creio que, de certo modo, Donald Trump, como presidente, tomará medidas protecionistas. É uma necessidade econômica para conter o desemprego. São mais de 45 milhões de americanos desempregados, número equivalente ao da população da Argentina.

Os acordos de livre comércio agravariam a crise. Tanto nos EUA quanto na União Europeia, a rejeição a esses tratados é enorme. Eles visam a dar soberania econômica e jurídica às grandes corporações, ao capital financeiro internacional e diminuir significativamente o poder do Estado nacional.

— A atuação militar dos EUA tende a aumentar ou a diminuir?

Moniz Bandeira: Os EUA gastam 900 bilhões de dólares por ano com as instalações militares e serviço de inteligência, entre outras despesas. De 2001 a 2016, gastaram cerca de 4,7 trilhões apenas nas guerras no Afeganistão e no Iraque, segundo estudo realizado na Brown University. Com a sua “arrogância imperial”, para usar um termo do professor Jeffrey Sachs, da Columbia University, produzem um massivo déficit público.

O país se vê obrigado a cortar investimentos urgentes em infraestrutura para sustentar uma disfuncional, militarizada e custosa política exterior. Creio que Trump terá de diminuir a ação militar para não levar os EUA à bancarrota. Ele será o síndico de uma nação cujo déficit fiscal é calculado em 534 bilhões de dólares.

— Como a vitória de Trump irá afetar a América Latina e o Brasil em particular?

Moniz Bandeira: Diante dos problemas domésticos, onde expressiva parte da população sequer tem dinheiro suficiente para pagar o seguro de saúde, Trump provavelmente não cuidará tanto do exterior, incluída a América Latina. Suponho que não haverá diferença nas relações com o Brasil.

*Entrevista concedida originalmente a Sérgio Lírio e publicada na Carta Capital, em 10 de novembro de 2016.

Leia +

Intelectual baiano Moniz Bandeira lança ‘A desordem mundial’; obra é referência sobre os Estados Unidos e a geopolítica do capital financeiro

Em entrevista, Moniz Bandeira avalia que ‘os EUA aspiram a uma ditadura mundial do capital financeiro’

Obra de autoria de Moniz Bandeira, ‘A desordem mundial’ investiga avanço do pensamento conservador

‘A Desordem Mundial’, novo livro de Moniz Bandeira | Por FC Leite Filho

Em entrevista, Moniz Bandeira avalia que a vitória de Donaldo Trump representa a derrota de “Wall Street”

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira comenta sobre a obra ‘A Segunda Guerra Fria: geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira comenta sobre a obra ‘A Segunda Guerra Fria: geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira avalia que ‘a mídia internacional serve como instrumento de guerra psicológica’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira critica politização do judiciário brasileiro e diz que falta ideologia aos detentores do poder da República

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira avalia que “a memória de Jango está sendo dilapidada”

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]