Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira critica politização do judiciário brasileiro e diz que falta ideologia aos detentores do poder da República

Luiz Alberto Moniz Bandeira.

Luiz Alberto Moniz Bandeira; para o mundo, o Brasil está na lata do lixo. Um Executivo desmoralizado, composto por políticos altamente corruptos, um Legislativo quase todo vendido e um Judiciário que politiza suas decisões. E ninguém mais tem ideologia.

Em entrevista ao Jornal GGN, o cientista político Luiz Alberto Moniz Bandeira avalia que “para o mundo, o Brasil está na lata do lixo. Um Executivo desmoralizado, composto por políticos altamente corruptos, um Legislativo quase todo vendido e um Judiciário que politiza suas decisões. E ninguém mais tem ideologia”.

Para o cientista político, autor de mais de 20 obras, entre elas “A Segunda Guerra Fria – Geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos” (ed. Civilização Brasileira), o “Brasil hoje já não existe para os estrangeiros”.

Na crise das instituições, Moniz destaca o Judiciário. Aos 81 anos de idade, afirma que nunca viu em sua vida um Supremo Tribunal Federal (STF) tão desmoralizado, “em que cada ministro atua como quer, toda hora falam à imprensa, adiantam suas decisões, politizam os julgamentos”.

“É claro que há gente boa, mas de modo geral, aqueles que estão estraçalham a imagem do Brasil. O STF sempre foi a instituição mais respeitada. Nunca vi uma coisa dessa na vida. Um país que politiza a Justiça, acabou.”

Além do Supremo, Moniz Bandeira lembrou da atuação da Justiça de primeira instância na Operação Lava Jato. Para ele, além de politizar os julgamentos, os investigadores e o juiz federal Sérgio Moro estão colaborando para a derrubada da economia brasileira.

“Eu creio que essas cooperações, tanto do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e de Dallagnol [coordenador da força-tarefa], estão prestando serviço ao estrangeiro, a uma nação estrangeira e arrebentando as empresas nacionais de construção, as maiores, as que estão encarregadas de projetos importantes”, ressaltou.

Para ele, o objetivo dos EUA é manter o Brasil sob controle, de forma a não ameaçar a soberania norte-americana. Com isso, às custas de figuras do Judiciário que se alimentam da imagem e da auto-promoção, o Departamento de Justiça dos Estados Unidos consegue o apoio de procuradores, como se os mesmos fossem agentes da polícia americana.

“É uma forma de controlar o outro país, de espionar. E os que estão [investigadores] nessa campanha da Lava Jato atuam como se fossem agentes. Mesmo não remunerados, o fato é que, objetivamente, estão a favorecer uma nação estrangeira contra o Brasil. Estão a trabalhar contra os interesses nacionais”, disse.

As consequências disso, alerta o cientista político, são os prejuízos causados à economia nacional, “muito maiores do que toda a corrupção que tem”. “O Brasil e as construtoras têm obras espalhadas em diversos países da América Latina e da África paralisadas num valor de mais de 6 bilhões de dólares”, lembrou.

Por outro lado, a imagem criada de corrupção sobre as empresas brasileiras aqui, tanto pela imprensa, quanto pela campanha massiva do Judiciário, difere muito dos conceitos que os próprios norte-americanos têm de proteção de seu mercado. “Porque os financiamentos, como o do BNDES, os Estados Unidos e outras nações também fazem, favorecendo suas empresas nacionais. Não é verdade que [o Brasil] financiou Cuba, financiou as empresas brasileiras, as indústrias nacionais, para que elas possam produzir e exportar”, lembrou.

“Tem muitos [procuradores e investigadores] que são manipulados. Muitos não tem consciência disso, não. Esses procuradores, Rodrigo Janot e outros, também estão por exibição, para autopromoção, estão querendo assumir o governo do país. Estamos todos agora no país deles”, concluiu.

Sobre o acordo recente fechado pela Odebrecht, sob intermediação dos investigadores da Operação Lava Jato, com o Departamento de Justiça norte-americano, Moniz Bandeira ressaltou que se trata de um projeto que visa atingir a segurança brasileira.

“Os Estados Unidos não poderiam fiscalizar todas as atividades da Odebrecht durante três anos como pretendem, porque a Odebrecht está encarregada de várias projetos em defesa da soberania: a construção do submarino nuclear com tecnologia da França. A fiscalização dos Estados Unidos é espionagem. A Odebrecht está encarregada de outros projetos, como a defesa da costa, também de segurança nacional, e outros. É um absurdo”, manifestou.

*Entrevista concedida originalmente a Patricia Faermann e publicada no Jornal GGN, em 28 de dezembro de 2016.

Leia +

Intelectual baiano Moniz Bandeira lança ‘A desordem mundial’; obra é referência sobre os Estados Unidos e a geopolítica do capital financeiro

Em entrevista, Moniz Bandeira avalia que ‘os EUA aspiram a uma ditadura mundial do capital financeiro’

Obra de autoria de Moniz Bandeira, ‘A desordem mundial’ investiga avanço do pensamento conservador

‘A Desordem Mundial’, novo livro de Moniz Bandeira | Por FC Leite Filho

Em entrevista, Moniz Bandeira avalia que a vitória de Donaldo Trump representa a derrota de “Wall Street”

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira comenta sobre a obra ‘A Segunda Guerra Fria: geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira comenta sobre a obra ‘A Segunda Guerra Fria: geopolítica e dimensão estratégica dos Estados Unidos’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira avalia que ‘a mídia internacional serve como instrumento de guerra psicológica’

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira critica politização do judiciário brasileiro e diz que falta ideologia aos detentores do poder da República

Em entrevista, Luiz Alberto Moniz Bandeira avalia que “a memória de Jango está sendo dilapidada”

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: [email protected]