Aluga-se o Brasil

Tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil!...

Tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil!…

A situação do Brasil é caótica. Chegamos ao caos. Não, como diz na Bíblia, a confusão geral dos elementos antes da formação do mundo, mas a total confusão generalizada; desordem.

As rebeliões nos presídios de Manaus e de Roraima são a prova da disseminação do ódio que assola o País pela Direita Zona Sul. Esta, com o apoio da grande mídia, que sempre esteve a serviço do PSDB e do governo golpista, ilegítimo, usurpou o poder conferido a Dilma Rousseff nas eleições de 2014.

Grande situação de bagunça instalou-se na economia do País. Em novembro de 2016 as vendas no comércio caíram 3,5% em relação ao mesmo período de 2015. Há uma expectativa de queda no varejo restrito entre 6,0% e 6,5%, segundo o PMC – Pesquisa Mensal de Comércio – divulgada pelo IBGE; o nível de emprego na construção civil acumulou queda de 14,5% nos últimos 12 meses, gerando saldo negativo de 437 mil postos de trabalhos, segundo SindusCon-SP – Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo.

Em 1980 Raul Seixas lançou o disco “Abre-te Sésamo” com uma das faixas intitulada por: “Aluga-se”. A canção, composta pelo próprio Raul Seixas e Cláudio Roberto Andrade de Azevedo, se adequa na atual condição do Brasil.

Logo na primeira estrofe pode-se entender a solução para nosso País: “A solução pro nosso povo eu vou dá, negócio bom assim ninguém nunca viu, tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil!…”

Mais uma nova licitação foi aberta pela Petrobrás e só foram convidadas para participar do processo de licitação 30 empresas estrangeiras e nenhuma brasileira. Entre estas, a maioria não possue nem escritório no Brasil. Seriam as ações que nunca se concluem de Moro e seu Lava Jato uma desculpa para o entreguismo ?

Observando outra estrofe da canção do “Profeta Raul Seixas”, concluímos que o entreguismo do governo ilícito está “ipsis litteris” a canção em questão: “Nós não vamo pagá nada, nós não vamo pagá nada, é tudo free! Tá na hora agora é free, vamo embora, dá lugar pros gringo entrar, esse imóvel tá prá alugar!…”

A indústria naval brasileira foi destruída pelo governo Temer. Uma das principais mudanças neste segmento foi abandonar a orientação de contratar a construção de navios próprios em estaleiros nacionais, cancelando a política do PT de usar a demanda da Petrobrás para aquecer a indústria naval.

“A Petrobrás, sob nova direção dos golpistas, rejeita o trabalhador brasileiro e cancela a construção de 17 navios. Para eles é mais interessante importar as embarcações de países como China, Coréia do Sul e Cingapura, ao invés de construí-los aqui com mão de obra nacional.” Comentário do Blog O Cafezinho.

O governo golpista de Temer fica explicitado no comentário do Blog O Cafezinho, como o governo que prefere dar empregos aos estrangeiros ao passo que desemprega os trabalhadores compatriotas.

“Os estrangeiros eu sei que eles vão gostar, tem o Atlântico, tem vista pro mar, a Amazônia é o jardim do quintal e o dólar dele paga o nosso mingau…”

Outras publicações

Uma Organização de Sucesso No Mundo Globalizado as Organizações estão sempre em constante evolução. O rápido desenvolvimento de produtos e serviços de alta qualidade está incess...
Editora prorroga inscrições para o livro Ponto Final A Editora Òmnira está com inscrições abertas para escritores de contos e crônicas que tem interesse em publicar seus trabalhos. A antologia “Ponto Fin...
Feira de Santana: uma cidade sem memória Feira de Santa é uma das cidades brasileiras que a cada dia cresce de forma assustadora, mas seu povo insiste em não registrar nas páginas do seu diár...

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br