Secretarias da Saúde, Educação e Administração de Feira de Santana são priorizadas para 2017; orçamento municipal previsto é de R$ 1,131 milhão

Audiência Pública debateu orçamento municipal de Feira de Santana.

Audiência Pública debateu orçamento municipal de Feira de Santana.

A Câmara Municipal de Feira de Santana realizou, na manhã desta quinta-feira (01/11/2016), uma audiência pública para discutir o projeto de lei de nº 84/2016, que estima receita e fixa a despesa do município de Feira de Santana para o exercício de 2017, atendendo ofício de autoria da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização.

O evento foi conduzido pelo presidente da referida Comissão, que compôs a mesa de honra juntamente com os secretários municipais Expedito Eloy (Fazenda) e Carlos Brito (Planejamento); além de Luiz Ivan dos Santos Silva, assessor da Secretaria de Planejamento, e Hamilton Santana Melo, assessor da Secretaria da Fazenda.

O secretário Expedito Eloy disse que o orçamento fica basicamente condicionado à situação econômica em que vive o país. “A realidade é que nós gestores, que acompanhamos, que administramos o orçamento, vamos estar eternamente refém da questão econômica por que passa o país. Quando você não deslumbra uma perspectiva positiva de uma economia para o exercício futuro, que em nosso caso é 2017, a gente pode imaginar que o orçamento é nada mais, nada menos que uma peça ilustrativa. Que adianta você estimar uma despesa e receita de 1, 2 bilhão, porque 1,2 bilhão é a certeza da despesa, mas onde vai está a certeza da receita?”, indagou.

Ele ressaltou que 90% das despesas do Município têm natureza eminentemente fixa. “Não adianta, por mais contingenciamento, por mais cuidado, por mais economia, mas o que vão se conseguir são valores ínfimos perto do orçamento. Então, quando você tem uma economia estável a perspectiva e otimismo por cumprimento do orçamento é natural. Mas a gente sabe muito bem, quem está acompanhando o noticiário, uma matéria hoje do Jornal Folha de São Paulo projeta um cenário mais pessimista para 2017”, afirmou, acrescentando que o cumprimento do orçamento de 2017 é muito subjetivo.

Ainda com relação ao orçamento do município de Feira de Santana para o exercício de 2017, o secretário Carlos Brito salientou que as equipes técnicas das Secretarias de Planejamento e da Fazenda elaboraram uma peça exequível, “embora nós tenhamos essa crise que assola o país, mas buscamos fazê-lo tecnicamente, sem ‘chutômetro’”, garantiu, destacando que “enquanto o país está enfrentando crises orçamentárias de toda a natureza, Feira continua fazendo o seu ABC”.

Ele continuou: “executar orçamento não é brincadeira e não seria possível também essa execução se não tivéssemos o apoio desta Casa, porque não se pode entender orçamento sem colaboração com o Poder Legislativo e a confiança que é depositada no Governo. Apesar de todas as dificuldades financeiras, o Município teve o privilégio e a tranquilidade de pagar sua folha no dia 25. Não sei no Brasil se existem duas Prefeituras ou Governos que paguem folha no dia 25 de cada mês”, disse, assegurando que o Governo Municipal sempre age em consonância com a Lei de Responsabilidade Fiscal.

Coube ao assessor da Secretaria de Planejamento, Luiz Ivan, explanar sobre as questões técnicas relativas a números. Ele informou que o orçamento municipal previsto para 2017 é R$  1.131.856.984,00. Deste valor está previsto para a Câmara Municipal R$ 29.000.000,00.

Ele disse também que as Secretarias que apresentam maior volume de recursos são a da Saúde (R$ 340.167.283,00), e Educação (R$ 245.895.060,00).

No que concerne a Secretaria de Saúde, Luiz Ivan acrescentou: “vale salientar que desse valor, além dos recursos de fontes do SUS, o Governo Municipal prevê recursos do Tesouro na ordem de R$ 27%. Ao longo desses anos, esse é o investimento dos recursos próprios da Prefeitura Municipal de Feira de Santana. Também vale salientar que a Constituição só prevê 15%, mas nós temos aqui um gasto em torno de 27% dos recursos próprios na Saúde”.

Com relação ao orçamento previsto para a Secretaria de Educação, ele informou que a Constituição Federal exige que os municípios apliquem ao menos 25% de sua receita.  “O nosso montante também está em torno de 27%. Então, estamos sempre gastando um valor de recursos próprios maior do que dispõe a Constituição”, pontuou.

Já para a Secretaria de Administração, conforme o preposto da Prefeitura, está previsto um montante de R$ 186.108.240,00. Luiz Ivan também informou a previsão orçamentária para outras Secretarias: “Desenvolvimento Urbano (R$ 92.766.988,00), Serviços Públicos (R$ 61.338,399,00), Desenvolvimento Social (R$ 35.169.113), Transporte e Trânsito (R$ 23.562.203,00). Essas são as Secretarias que possuem a maior disponibilidade de recursos no seu orçamento”, destacou.

Em seguida, os vereadores Edvaldo Lima, Pablo Roberto, José Carneiro, Welligton Andrade, Beldes Ramos, Justiniano França e Alberto Nery, além do procurador da Câmara, Magno Felzemburgh, e pessoas das galerias, fizeram questionamentos, entre outras coisas, sobre questões pertinentes a despesas e receitas; transferências entre rubricas orçamentárias; efeitos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 55) no município, caso ela seja aprovada; bem como quais serão os meios utilizados pelo poder público municipal para atingir o orçamento de R$ 1.131.856.984,00.

Eles também defenderam ampliação do orçamento para a Secretaria de Agricultura, Recursos Hídricos e Desenvolvimento Rural, que tem previsão orçamentária para 2017 de R$ 4.199.000,00, e parabenizaram a equipe técnica das Secretarias da Fazenda e de Planejamento, bem como   a Comissão  de Finanças, Orçamento e Fiscalização, pela realização da audiência.

O evento também foi prestigiado pelo vereador Eli Ribeiro, o vereador eleito Luiz da Feira, o ex-vereador Jorge Oliveira, profissionais da imprensa e pessoas da comunidade.

Outras publicações

CMFS: vereador José Carneiro critica administração de José Ronaldo e diz que faltam funcionários em órgãos públicos municipais de Feira de Santana José Carneiro reclama da falta de funcionários em órgãos públicos municipais. José Carneiro reclama da falta de funcionários em órgãos públicos muni...
Feira de Santana: vereador denuncia acumulação indevida de cargos por servidor do município Beldes Luis Pereira Ramos. O vereador oposicionista Beldes Ramos (PT) usou a tribuna na manhã desta terça-feira (24/11/2015), na Casa da Cidadania, ...
Vereador José Carneiro critica contratação de servidores da Bahia por meio do Reda José Carneiro criticou as contratações meio do Regime Especial de Direito Administrativo. O vereador José Carneiro (PSDB), nesta terça-feira (11/10/...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br