Policiais civis da Bahia paralisam as atividades por 24 horas

Policiais civis da Bahia promovem paralisação.

Policiais civis da Bahia promovem paralisação.

Todas as categorias da Polícia Civil do Estado da Bahia e o Departamento de Polícia Técnica (DPT)  irão paralisar as atividades por 24 horas,  nesta sexta-feira (02/12/2016), conforme deliberação da Assembleia Unificada que ocorreu na semana passada (25), na Faculdade Visconde de Cairu. Delegados, investigadores, escrivães, peritos criminais, peritos técnicos, médicos legistas e  odontos, a partir das 9hs, vão realizar um ato público em frente ao Centro de Operação e Inteligência (COIN), próximo à Secretaria de Segurança Pública, localizado no CAB, onde será feito um protesto em repúdio à precariedade e falta de estrutura das unidades policiais e em defesa do Anteprojeto de Reestruturação Salarial das Carreiras já entregue a SAEB.  Os serviços essenciais serão mantidos de acordo com o percentual exigido por Lei.

O Presidente do SINDPOC, Marcos Maurício, destaca que 90% das delegacias do Estado estão inadequadas, com condições de extrema precariedade e diversas delegacias foram instaladas em casas residenciais. Como exemplo, o sindicalista citou a 3ºDP do Bonfim, 7º DP do Rio Vermelho, 16º DP da Pituba,  14º DP da Barra e outras delegacias no interior baiano.  Maurício esclarece que o objetivo da paralisação é chamar atenção da sociedade e do Governo em relação à situação da Polícia Civil “que está falida”  e passando por muitas necessidades.  “ A Secretaria de Segurança Pública investiu  R$ 260 milhões na construção do COIN e, enquanto isso, as delegacias estão totalmente abandonadas!”, criticou Maurício.

O Presidente da Sindicato dos  Delegados da Polícia Civil (ADPEB), Fábio Lordello, enfatiza que na tabela salarial, a nível nacional, a Polícia Civil baiana  possui a pior remuneração do Brasil. Lordelo explica que a partir de sábado(3) a categoria irá trabalhar sob o regime de Operação Padrão, ou seja, a categoria só vai executar as atividades que estiverem com todas as condições de trabalho exigidas por Lei. “Se não tivermos os equipamentos adequados para fazermos as perícias e as investigações, não iremos fazer! O objetivo da Operação Padrão é agir com a legalidade”, pontuou o delegado Fábio Lordello.

O Presidente da Associação dos Investigadores (ASSIPOC), Ary Alves, lembra que a paralisação será feita por todas as categorias com o intuito de pressionar o Governo para que o Anteprojeto de Reestruturação Salarial da Polícia Civil e Polícia Técnica seja sancionado pela Assembleia Legislativa. ““ Reivindicamos a valorização profissional, melhores condições de trabalho, a nomeação dos concursados de 2013, 2014 e os remanescentes de 1997, para podermos prestar um bom serviço à sociedade, Hoje temos policiais que precisam fazer bicos para complementar a renda”, criticou a liderança.

O Presidente da Associação dos Escrivães (AEPEB), Luiz Carlos, ressalta que a Assembleia é soberana e os escrivães vão seguir a deliberação de paralisação. “ Estamos lutando por uma demanda comum para todos!”, garantiu.

Outras publicações

Governo da Bahia libera cadastro para edição 2016 dos editais setoriais da cultura Governo da Bahia libera cadastro para edição 2016 dos editais setoriais da cultura. O destaque é dado ao fomento do setor Audiviovisual, que tem gar...
Governador diplomado, Rui Costa toma posse em cerimônia na Assembleia Legislativa da Bahia Rui Costa toma posse como Governador da Bahia, dia 1º de janeiro de 2015. Em cerimônia nesta quinta-feira (01/01/2015), às 8h, será empossado o gove...
Deputado Bruno Reis critica fragilidade de legados pós-Copa na Bahia Bruno Reis critica governo. O deputado estadual Bruno Reis (PMDB), presidente da Comissão Especial da Copa 2014, criticou nesta quarta-feira (02/04/...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br