Lideranças políticas de Serra Preta observam atuação suspeita da gestão municipal e avaliam tentativa de dilapidação do patrimônio público, inclusive, com gastos de R$ 11 milhões

Gestão do prefeito Adeil Figueredo Pedreira é acusada de dilapidar patrimônio público.

Gestão do prefeito Adeil Figueredo Pedreira é acusada de dilapidar patrimônio público.

Lideranças políticas do município de Serra Preta mantiveram contato com o Jornal Grande Bahia, neste sábado (10/12/2016), apresentando questionamentos e denúncias concernentes a gestão municipal. Na avaliação dos políticos, o que se observa no final da atual gestão do prefeito Adeil Figueredo Pedreira (PMDB) é uma possível forma de dilapidação do patrimônio, inclusive com questionáveis gastos da ordem de R$ 11 milhões.

Segundo as fontes, “desde do início do segundo semestre de 2016, o prefeito de Serra Preta vem tentando de forma desesperada colocar a mão em cerca de R$ 11 milhões em recursos financeiros oriundos de ação, ajuizada em 2003, cujo precatório, ou seja, a liberação do recurso, foi autorizada pelo Poder Judiciário para ocorrer em dezembro de 2016. Os recursos são oriundos de questionamentos judiciais referentes a verbas do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB).

As fontes revelam que “no primeiro momento, a estratégia da gestão municipal foi leiloar o precatório, intento que foi barrado pelo Ministério Público Federal (MPF), quando expediu recomendação posicionando-se contrário a utilização dessa modalidade licitatória para o adiantamento de receita futura oriunda de decisão judicial, pois a União havia se posicionado que pagaria regularmente todos os precatórios incluídos no Orçamento de 2016 da União, até início de dezembro de 2016”.

Eles seguem narrando que “entretanto, depois das eleições, com a frustração por não eleger o sucessor, Franklin Leite da Silva (PSL), derrotado nas urnas, o prefeito Adeil Figueredo vem adotando diversas medidas que atentam contra a legalidade e moralidade administrativa.”.

“Começou um “dilúvio” de licitações no Município. Somente entre 7 e 9 de dezembro de 2016, a gestão de Adeil Figueredo deu destinação de quase R$ 2 milhões em recursos financeiros ainda não disponíveis para gastos pelo município. A soba de R$ 11 milhões apenas estará disponível para uso da prefeitura na segunda-feira (12). No Diário Oficial, de 7 de dezembro, foram publicadas mais duas licitações que devem ocorrer nos dias 19 e 22 de dezembro.  A primeira licitação para aquisição de livros paradidáticos; e a segunda licitação com a finalidade de pavimentar cerca de três quilômetros de avenida.”, concluiu os denunciantes.

Documentos e novas denúncias

As fontes informam que documentos e outras denúncias serão encaminhadas ao JGB. Elas inferem que os gastos da atual gestão ocorrem em um mês com poucos dias úteis e ao final de mandatos sucessivos, que perfazem oitos anos de “administração”. As fontes ponderam que se medidas não forem tomadas, é evidente que o prefeito-eleito Rogerio Serafim Vieira de Sousa (Aldinho, PTN) encontrá um município depauperado, algo, lamentavelmente, muito comum ao final de mandatos municipais.

O Jornal Grande Bahia tentou contato com a assessoria da Prefeitura de Serra Preta, mas não obteve resposta.

Leia +

Ministério Público recomenda suspensão do concurso público do Município de Serra Preta

Lideranças políticas de Serra Preta observam atuação suspeita da gestão municipal e avaliam tentativa de dilapidação do patrimônio público, inclusive, com gastos de R$ 11 milhões

Por violação da Lei Orçamentária e evidente vício processual, juiz Claúdio Pantoja Sobrinho determina suspensão do concurso público do Município de Serra Preta

Por falta de avaliação, juiz Claúdio Pantoja Sobrinho determina suspensão do leilão de bens públicos do Município de Serra Preta

Recurso ao TJBA objetiva bloquear R$ 11 milhões do Município de Serra Preta, ativo financeiro é oriundo da União em pagamento de precatório e não consta no orçamento municipal de 2016

Decisão do desembargador Salomão Resedá determina indisponibilidade de R$ 10,463 milhões do Município de Serra Preta

Município de Serra Preta e Banco do Brasil não reconhecem decisão judicial do desembargador Salomão Resedá e R$ 10,463 milhões são sacados

Dando efetividade a decisão do desembargador Salomão Resedá, juiz Marcon Roubert determina bloqueio via Banco Central de R$ 10,463 milhões do Município de Serra Preta

Compartilhe e Comente

Faça uma doação ao JGB

Redes sociais do JGB

Publicidade

Publicidade

+ Publicações >>>>>>>>>

Manchete

Colunistas e Artigos

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: [email protected]