Professores da UEFS não aprovam greve, mas seguem mobilizados

Conforme assembleia, os professores da Uefs não aprovaram a deflagração da greve indicada pelo Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior (ANDES-SN), mas seguem mobilizados contra os projetos do governo Temer para o setor público. Além de participar da Marcha a Brasília, em 29 deste, a categoria endossará o ato público marcado para a próxima sexta-feira (25/11/2016), às 8h30, em frente à Prefeitura. O protesto desta semana é convocado como Dia Nacional de Mobilizações e Greves.

O ato em frente ao Paço Municipal reforça as denúncias sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/2016 (antes chamada de PEC 241), que corta os investimentos em educação, saúde, segurança e outras áreas por vinte anos. Ainda na pauta da mobilização, a luta contra a Medida Provisória que prevê a reforma do Ensino Médio; os Projetos de Lei relacionados ao Movimento Escola sem Partido; o PL 257, que estabelece um novo limite para o crescimento do gasto público; além das reformas previdenciária e trabalhista.

O Dia Nacional de Mobilizações e Greves, ocorrido também em 11 de novembro, com atos públicos em diversos estados, foi resultado de amplo debate entre representantes do ANDES-SN e das centrais sindicais de todo o país, no qual foi evidenciada a urgência em intensificar as ações, diante do agravamento das investidas do governo federal contra o setor público e os direitos dos trabalhadores. A mobilização soma-se ao processo de ocupação estudantil das escolas, universidades e institutos federais, bem como à deflagração da greve em um crescente número de universidades federais.

A assembleia dos professores da Uefs ocorreu terça-feira (22).

Marcha Ocupa Brasília

Uma grande marcha, intitulada de Marcha Nacional Ocupa Brasília, está sendo organizada para o dia 29 deste mês, quando deve ser votada, em primeiro turno, no Senado, a PEC 55. A data foi incorporada pelo Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) e pela Central Sindical e Popular (CSP-Conlutas).

A diretoria da Associação dos Docentes da Uefs (Adufs), que também está empenhada na construção da Marcha, disponibilizará transporte para a mobilização na capital federal.

Bahia

No âmbito do Estado, além de cobrar respostas à pauta ao governo, as direções das associações docentes das universidades estaduais baianas exigirão o compromisso dos deputados com as reivindicações da categoria. Conforme encaminhamento, será protocolado um documento nos gabinetes dos parlamentares solicitando a apresentação de uma emenda parlamentar à Lei Orçamentária Anual (LOA) que garanta, para o orçamento a ser destinado às quatro instituições (Uefs, Uesb, Uneb e Uesc), em 2017, 7% da Receita Líquida de Impostos (RLI), mais 1% da RLI para assistência e permanência estudantil. O índice de 7% já havia sido solicitado pela categoria ano passado, mas o documento foi endossado apenas pelos deputados da Minoria.

Também será reivindicada uma audiência pública junto à Comissão de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Serviço Público da Assembleia Legislativa (AL-BA) para discutir a situação orçamentária das universidades.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Facebook do JGB

Publicações relacionadas

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia (JGB) é um portal de notícias com sede em Feira de Santana e abrange as Regiões Metropolitanas de Feira de Santana e Salvador. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br