Paulo Roberto nega apelido “Paulinho” e qualquer reunião sobre ilegalidade com Lula e confirma acordo sigiloso com Estados Unidos

Em depoimento na Justiça Federal de Curitiba, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto da Costa disse nunca ter tido nenhuma reunião sozinho com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, muito menos qualquer conversa a respeito de atividades fraudulentas.

Ele também negou o apelido “Paulinho”, divulgado amplamente pela imprensa brasileira de forma mentirosa, sugerindo que assim lhe chamava o ex-presidente Lula. Segundo Paulo Roberto, só a sua família o chama de “Paulinho”.

“Nunca tive intimidade com o presidente Lula. Não existe isso dele ter usado (esse apelido) diretamente. Nunca tive uma reunião sozinho com o presidente Lula. Se ele usava com outras pessoas, eu não sei.”

Paulo Roberto disse que as vezes em que viu Lula foram sempre na companhia do então presidente da empresa, para informações sobre projetos de desenvolvimento dos Estados. E que desconhece qualquer pedido ou recebimento de vantagem indevida pelo ex-presidente Lula.

Disse inclusive que jamais ouviu falar de vantagens indevidas ao ex-presidente.

O réu confesso e delator premiado da Operação Lava Jato confirmou que fechou, com auxílio da Procuradoria-Geral da República, um acordo de colaboração com órgãos norte-americanos, onde existem ações onde a Petrobrás é ré, não vítima. Paulo Roberto confirmou duas reuniões sobre este tema com autoridades dos Estados Unidos e do Brasil.

O executivo afirmou também que quem fazia a balizamento de preços para licitações da Petrobras e os orçamentos a partir de projetos básicos eram profissionais idôneos, que não tinham relação com as comissões de licitação que faziam e negociavam os contratos.

Inquirido pela defesa do ex-presidente se algum dos vários órgãos de controle da Petrobras (TCU, CGU, Auditorias externas e internas) teve conhecimento de alguma irregularidade nos contratos da denúncia, disse não saber de nenhum questionamento desses órgãos, com exceção de questões técnicas de órgãos do TCU, mas não sobre desvios. Perguntado por que esses órgãos nunca detectaram qualquer desvios nos contratos da Petrobras, Paulo Roberto disse achar que isso se deu porque os contratos não saiam da variação prevista nas licitações da companhia. E talvez por isso nenhum desses órgãos detectou nenhuma irregularidade.

Outras publicações

Pesquisa latino-americana de popularidade mostra Dilma Rousseff em segundo lugar, atrás do presidente da Colômbia Dos presidentes da América Latina, o da Colômbia, Juan Manuel Santos, é o mais popular. Dilma Rousseff, do Brasil, ficou em segundo lugar. Já Sebastiá...
AMAB defende melhor estrutura para elevar produtividade no Judiciário baiano Juiz Freddy Pitta Lima, presidente da AMAB. A Associação dos Magistrados da Bahia (AMAB) defende a melhoria da estrutura e a redução da sobrecarga d...
Dilma Rousseff apoia permanência de Ban Ki-moon no comando das Nações Unidas, diz porta-voz da Presidência A presidenta Dilma Rousseff manifestou apoio à reeleição do secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, segundo informou o porta-voz da Presidênc...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br