Operação Malus: MPF da Bahia denuncia quatro pessoas por sonegação de impostos à Receita Federal

Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal deflagraram, em 11 de março de 2010, a Operação Malus. A investigação ocorreu na 2ª Vara Especializada Criminal da Seção Judiciária da Bahia e buscou apurar o descaminho, a evasão de divisas e crimes contra a ordem tributária supostamente praticados por empresários baianos que atuam no ramo de informática.

Polícia Federal, Receita Federal e Ministério Público Federal deflagraram, em 11 de março de 2010, a Operação Malus. A investigação ocorreu na 2ª Vara Especializada Criminal da Seção Judiciária da Bahia e buscou apurar o descaminho, a evasão de divisas e crimes contra a ordem tributária supostamente praticados por empresários baianos que atuam no ramo de informática.

O Ministério Público Federal na Bahia (MPF/BA) denunciou quatro pessoas por prestarem informações falsas e sonegarem impostos da Receita Federal. A denúncia, recebida em 14 de novembro pela Justiça Federal, é um desdobramento da Operação Malus, deflagrada em 2010, que cumpriu mandados de busca e apreensão em Salvador para apurar crimes cometidos por empresários da área de informática.

Segundo o procurador da República André Luiz Batista Neves, autor da ação, Evórcio Aguiar Botelho Filho, Lariss Aguiar Botelho, Marco José Aguiar Botelho e Demetrius Alfano Moscozo prestaram informações falsas à Receita Federal sobre as receitas das empresas de informática das quais eram sócios ou donos, com o objetivo de sonegar impostos, no ano de 2009.

Evórcio Botelho e Larissa Botelho, irmãos e sócios da Mac Bahia, comercializavam produtos eletrônicos e declaravam à Receita faturamento inferior ao efetivamente recebido. Evórcio Botelho reiterou as infrações junto com Marco José Botelho, também seu irmão, na gestão da Microcel Informática, e praticou mais uma vez sonegação fiscal na empresa Mac Training Ltda. O quarto denunciado, Demetrius Alfano Moscozo, praticou sonegação fiscal ao sonegar rendimentos pessoalmente recebidos.

Marco José Botelho e Larissa Botelho já haviam sido condenados a dois anos de reclusão e pagamento de dez dias-multa por apresentarem documentos falsos à Receita Federal para obter a liberação de bens importados clandestinamente. Os dois recorreram da decisão, mas o Tribunal Regional Federal ainda não apreciou a apelação.

O MPF requer que todos os denunciados sejam enquadrados no crime previsto no art. 1º, inciso I da Lei nº 8.137/90 — omitir informação ou prestar declaração falsa às autoridades fazendárias —, sendo que Evórcio Botelho deverá responder três vezes pelo crime.

*Número para consulta processual na Justiça Federal: 0040505-03.2016.4.01.3300 — Seção Judiciária da Bahia.

*Com informações do MPF.

Outras publicações

PF conduz deputado estadual do DEM do Tocantins para depor em nova fase da Operação Acrônimo Deputado José Eduardo Siqueira Campos é conduzido a depor na PF. A Polícia Federal (PF) deflagrou hoje (30/11/2016) a 12ª fase da Operação Acrônimo,...
MPF oficia BB, CEF, Bradesco e Bacen para que cumpram normas de compliance Ministério Público Federal (MPF). As chamadas normas de compliance estabelecem um verdadeiro mecanismo de tutela de recursos públicos repassados pel...
MPF Bahia abre inscrições para evento sobre corrupção na política Evento ocorre na sede da Procuradoria da República, em Salvador. A atividade gratuita será realizada no dia 7 de dezembro das 14h às 18h em comemora...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br