Governador quer privatizar a Embasa, denuncia Sindicato

Projeto de lei enviado pelo governador Rui Costa que permite a abertura do capital da Embasa para a iniciativa privada.

Projeto de lei enviado pelo governador Rui Costa que permite a abertura do capital da Embasa para a iniciativa privada.

A Assembleia Legislativa pode votar hoje (29/11/2016) ou amanhã (30) o projeto de lei enviado pelo governador Rui Costa que permite a abertura do capital da Embasa para a iniciativa privada. Na prática, segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente da Bahia (SINDAE), significa a privatização da empresa, algo que a entidade considera um absurdo e que terá graves consequências para a população baiana. Trabalhadores foram mobilizados e irão acompanhar a votação, cobrando que os deputados rejeitem o projeto.

A proposta está contida no Projeto de Lei 22.011/2016, que altera a lei que criou a Bahiainvest, estabelecendo que ações do governo estadual na Embasa integrem o capital da empresa que está sendo criada. Com isso, a Bahiainvest torna-se acionista relevante da Embasa e pode exigir que essa distribua lucro aos acionistas. Sustentado em parecer da própria Embasa, o Sindae denuncia que a primeira e grande consequência negativa do projeto será um brutal prejuízo à concessionária de saneamento do estado, que perderá o benefício da imunidade tributária.

De acordo com o parecer da Embasa, ao perder a imunidade tributária, a empresa terá um impacto negativo em seu caixa de R$ 1.579.777.095,21 pelas ações de crédito já ajuizadas, e ainda vai acrescer R$ R$ 153.509.484,97 nos créditos tributários que terá de recolher anualmente e que, consequentemente, serão repassados na forma de tarifas mais caras para a população.

Ainda segundo o Sindae, o governo pretende desmontar todos os avanços obtidos pelo setor de saneamento nos últimos anos, quando houve forte aumento na rede de abastecimento de água e esgotamento sanitário. Isso porque também é intenção do governo extinguir a Companhia de Engenharia Hídrica e de Saneamento da Bahia (Cerb), que presta serviço de alcance social indiscutível no interior do estado, especialmente no semiárido, construindo sistemas simplificados de abastecimento de água e esgotamento sanitário, perfurando poços artesianos (mais de 5,6 mil nos últimos 10 anos), construindo e operando barragens (29 no total), recuperando matas ciliares, nascentes e áreas de recarga, entre outras ações.

O Sindicato lembra que a privatização da água foi tentada por ACM na década de 90, tendo ele sofrido histórica derrota, após forte mobilização da sociedade baiana, inclusive com o apoio de igrejas. Cita, ainda, que em 2014, juntamente com outros candidatos ao governo do estado, Rui Costa assumiu o compromisso de não privatizar a EMBASA.

Outras publicações

SIHS inaugura programa ‘Águas nas Escolas’ em Feira de Santana SIHS inaugura programa 'Águas nas Escolas'. Em busca de alcançar o objetivo da universalização da água e do saneamento básico, em um mundo onde mais...
Prefeito eleito de Ibicuí quer levar água tratada a 3.850 moradores de dois distritos rurais Secretário Josias Gomes recebe em audiência Marcos Galvão. O secretário Josias Gomes (Serin) recebeu em audiência Marcos Galvão, prefeito eleito, co...
Governador Rui Costa defende união de esforços para solucionar abastecimento de água em Itabuna Governador Rui Costa debate crise hídrica de Itabuna. “Vamos formar de imediato um grupo de trabalho com participação de membros da Prefeitura de It...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br