Baianas do acarajé, símbolo cultural contribui para a economia do estado

Baiana do acarajé é um dos símbolos culturais que representam o estado da Bahia.

Baiana do acarajé é um dos símbolos culturais que representam o estado da Bahia.

Uma vestimenta que chama a atenção pela beleza e riqueza de detalhes, maquiagem que ressalta os olhos e, apesar das muitas horas de atividade, a presença constante de um sorriso nos lábios. As baianas do acarajé, tradicional símbolo da cultura popular brasileira e principal agente de divulgação da Bahia em território nacional e internacional, têm seu dia comemorado nesta sexta-feira (25/11/2016).

Missa solene celebrada às 9h, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, no Pelourinho, marca a data, que será seguida de almoço comemorativo na Praça da Cruz Caída, onde se localiza o Memorial das Baianas, e muito samba na região do Centro Histórico. As comemorações têm apoio do Governo do Estado, através das secretarias de Turismo e Cultura.

No Estado, existem entre oito e dez mil baianas, de acordo com a Associação das Baianas de Acarajé e Mingau do Estado da Bahia (Abam). Em Salvador, são aproximadamente 3,5 mil, aponta Rita Santos, que coordena a entidade desde 2011. Para ser baiana, diz, tem que gostar do que faz, ter simpatia, muita saúde e ciência, para chegar ao ponto com alegria e se vestir com respeito à cultura. “Para ficar atrás do tabuleiro, tem que estar de bata, saia, torço e fio de conta no pescoço. Isso é o que o patrimônio cultural pede e está no decreto municipal”, recomenda.

As baianas do acarajé ultrapassam a imagem cantada por Carmen Miranda, em 1939, na música de Dorival Caymmi, O que é que a baiana tem? Além de torço de seda, bata rendada e saia engomada, essas mulheres fortes têm, também, muita disposição. Faça sol ou chuva, passam horas atrás de tabuleiros; são chefes de família, com um trabalho que gera emprego e incrementa o comércio, movimentando a economia do Estado.

Afinal, para fazer chegar à mão do freguês os famosos produtos, levantam cedo e vão às feiras e mercados comprar os ingredientes que entram no preparo dos quitutes. Com uma oferta variada nos tabuleiros, com cocada, bolinho de estudante, passarinha e peixe frito,  o grande astro é o acarajé. O quitute corresponde a 80% das vendas, acompanhado de camarão e vatapá. Cozido em folha da bananeira, o abará vem logo depois.

Herança cultural – Elaine de Assis, 35 anos, está à frente de um dos tabuleiros mais famosos de Salvador, o de Dinha do Acarajé (sua mãe, falecida em 2008), com quem começou a trabalhar aos 12 anos. Junto com o irmão Edvaldo, Elaine administra o tabuleiro no Largo do Rio Vermelho, além de outro no Costa Azul. Semanalmente, são consumidos entre 200 e 250 quilos de camarão seco defumado e 500 quilos de feijão fradinho, além de outros ingredientes.

Formada em turismo e pós-graduada em planejamento e organização de eventos, Elaine diz que gosta de ser baiana de acarajé. E conta histórias divertidas. “Tem turista que pergunta se é para pôr ketchup, mostarda ou maionese. Outro já quis experimentar a folha da bananeira que enrola o abará. Tem até baianos que pedem limão”, lembra.

Na quarta geração de baianas – bisavó, avó e mãe -, Tânia Bárbara Nery, 52 anos, à frente do Acarajé Tânia do Farol, vende de 100 a 130 acarajés nos finais de semana. Na alta estação, as vendas sobem e variam de 250 a 390 acarajés, e de 70 a 90 abarás. “É quando a gente se prepara para a pouca venda no inverno”, revela.

Mãe de dois filhos, Tânia diz que procura manter o mesmo sabor, qualidade e alegria que fizeram a fama da família. A estudante Sueli Nascimento, que morou na Barra muitos anos, atesta. Quando quer comer acarajé, sai da Paralela, onde mora com o marido e filhos, e vai para o quiosque de Tânia. “São fregueses assim que me fazem feliz”, resume a baiana.

Outras publicações

Estudantes de Direito das universidades da Bahia, Sergipe e Alagoas promovem Encontro Regional com o tema Educação Jurídica O coletivo composto por estudantes de Direito das universidades da Bahia, Sergipe e Alagoas, promovem o Encontro Regional dos Estudantes de Direito, c...
OAB da Bahia vota pela inconstitucionalidade de lei que proíbe Uber em Salvador Sessão do Conselho Pleno da OAB da Bahia decidiu pela inconstitucionalidade da Lei Municipal 9.066/2016. Em sessão do Conselho Pleno realizada na ma...
Mudança de data: Serra chega à Bahia nesta terça-feira (27/04) O pré-candidato à Presidência da República, José Serra (PSDB-DEM-PPS), alterou a data de sua nova vinda à Bahia. Em vez de segunda-feira, ele virá na ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br