Vaquejada em Praia do Forte é proibida pela Justiça

Vaqueiros protestam, na Esplanada dos Ministérios, contra a proibição da vaquejada.

Vaqueiros protestam, na Esplanada dos Ministérios, contra a proibição da vaquejada.

A Justiça proibiu na terça-feira (11/10/2016), a realização de uma vaquejada que aconteceria entre os próximos dias 13 e 16 de outubro no Parque Nossa Senhora de Fátima, em Praia do Forte, no município de Mata de São João, durante o evento ‘Desafio Bahia Forte Vaquejada 2016’. A determinação judicial atendeu pedido de antecipação de tutela feito em ação civil pública ajuizada ontem (10/10/2016), pelo Ministério Público estadual por meio da promotora de Justiça Nívia Carvalho Rodrigues. A ação se baseia em decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que considerou, no último dia 6, a vaquejada como crime ambiental de maus-tratos a animais e declarou inconstitucional lei estadual do Ceará que regulamentava a prática.

A promotora Nívia Rodrigues destacou que, apesar da decisão do STF não ter efeitos vinculantes, nenhuma norma legislativa que considere a vaquejada como esporte ou patrimônio histórico e cultural, “como faz a Lei Estadual 13.200/2014, bem como a Lei Estadual 13.454/2015”, pode escapar aos argumentos da Corte Suprema e permitir a propagação do crime de maus-tratos. “Não foi apenas uma lei estadual que foi declarada inconstitucional, mas o STF foi mais adiante e reconheceu as práticas inerentes à vaquejada como condutas penais típicas, de modo que as ações praticadas na vaquejada não podem configurar maus-tratos e crimes ambientais apenas no Estado do Ceará”, afirmou. O crime de maus-tratos a animais é previsto no artigo 32 da Lei Federal 9.605/98. Segundo a ação, nas provas de vaquejada “não é raro o animal ter a coluna vertebral ou as costelas fraturadas ou ainda ocorrer a perda da cauda”.

Na decisão, o juiz Admar Ferreira Sousa, acatou integralmente o pedido do MP e afirmou que “em bom momento, o STF se pronunciou quanto à ilegalidade da prática de vaquejada”. Além do evento em Praia do Forte, o magistrado proibiu a realização de qualquer vaquejada nos municípios da comarca de Mata de São João, sob pena de multa não inferior a R$ 135 mil, valor da premiação, além de multa diária de R$ 50 mil. A determinação não vale para o leilão programado para ocorrer no evento.

Outras publicações

Deputado Targino Machado defende manutenção das vaquejadas no Brasil: ‘temos que pedir aos marajás para respeitarem a nossa cultura’ Deputado Targino Machado critica descompasso entre interesse público, elevados salários e valores culturais nas decisões do Poder Judiciário. O depu...
“Não se calará a Justiça”, diz presidente do STF sobre medida aprovada na Câmara dos Deputados que atinge magistratura Ministra Cármen Lúcia critica mudanças na legislação que atingem a magistratura. A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúc...
Rui Barata Filho é um dos nomes da lista tríplice para juiz efetivo do TRE Bahia Advogado Rui Barata Filho faz parte da lista tríplice para indicação ao TRE Bahia. O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) elegeu na manhã desta sext...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br