STF homologa delação de Zwi Skornicki

O Ministério Público Federal (MPF) em Curitiba informou ao juiz Federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato na primeira instância, que o acordo de delação premiada do engenheiro Zwi Skornicki foi homologado pelo Supremo Tribunal Federal (STF). O documento foi protocolado na quinta-feira (13/10/2016) na Justiça Federal do Paraná.

Zwi Skornicki atuava como representante no Brasil do estaleiro Keppel Fels, de Cingapura, que tinha contratos com a Petrobras. Além do documento que informa a homologação, o MPF anexou a decisão do ministro do STF Teori Zawascki, que aceita o procedimento.

A delação de Skornicki tem 24 termos de depoimento onde são citadas pessoas com foro privilegiado. A decisão informa que, segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), os depoimentos têm relação com a Operação Lava Jato e, mais especificamente, com dois inquéritos que tramitam no STF. Uma das ações foi recentemente desmembrada e teve o nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva incluído entre os investigados.

Como a delação cita pessoas com foro privilegiado, o documento foi enviado ao STF. “Dos documentos juntados com o pedido, é possível constatar que, efetivamente, há elementos indicativos, a partir dos termos do depoimento, de possível envolvimento de autoridade detentora de prerrogativa de foro perante tribunais superiores, a exemplo de parlamentares federais, o que atrai a competência do Supremo Tribunal Federal”, diz a decisão de Teori. O documento é datado de 6 de outubro.

Pelo acordo firmado, Skornicki deverá pagar multa de US$ 23,80 milhões, valor correspondente à soma do saldo de contas mantidas na Suíça em nome de offshores (contas bancárias ou empresas abertas no exterior, geralmente em paraísos fiscais) do engenheiro.

O documento prevê também que Skornicki terá pena máxima de 15 anos de prisão. Na colaboração com a Justiça, o engenheiro terá de esclarecer os esquemas criminosos que conhece, falar a verdade e cooperar com o Ministério Público Federal quando solicitado. Pelo acordo, ele deve ainda renunciar a bens em favor da Justiça, “de forma irrevogável e irretratável”, por se tratar de “produtos e/ou proveitos de crimes”.  Entre esses bens estão, por exemplo, obras de arte.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Operação Métis: Polícia Legislativa buscou escutas da PF em endereços de senadores PF prende agentes da Polícia Legislativa acusados de atrapalhar Lava Jato. O Ministério Público Federal (MPF) informou que os agentes da Polícia Leg...
STF nega pedido da defesa e mantém com juiz Sérgio Moro inquéritos contra ex-presidente Lula Ministro Teori Zavascki nega pedido da defesa e mantém com juiz Sérgio Moro inquéritos contra ex-presidente Lula. O ministro Teori Zavascki, do Supr...
Governador Rui Costa convida presidente do STF para implantação da Câmara de Conciliação da Saúde Governador Rui Costa (1ª da esquerda) convida presidente do STF, Cármem Lúcia, para evento na Bahia. Estabelecer o diálogo como caminho para resolve...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br