Quem é o português favorito dos diplomatas para ser novo secretário-geral da ONU

António Guterres pode ser eleito próximo secretário-geral das Nações Unidas.

António Guterres pode ser eleito próximo secretário-geral das Nações Unidas.

Apontado por diplomatas da ONU como o próximo secretário-geral das Nações Unidas, o português António Guterres, 67 anos, tornou-se conhecido nos altos círculos diplomáticos quando lidava com o tema dos refugiados, um dos mais urgentes na agenda global hoje. Uma votação formal ocorrerá no Conselho de Segurança da ONU na quinta-feira para confirmar a escolha do candidato.

Guterres é o “claro favorito”, disse o embaixador da Rússia na ONU, Vitaly Churkin nesta quarta-feira (05/10/2016).

Entre 2005 e 2015, o português dirigiu o Acnur, agência da ONU responsável pelo assunto. Nesse período, promoveu uma série de reformas que aprimoraram a atuação da agência, segundo diplomatas.

Hoje o Acnur é considerado um dos órgãos mais funcionais e bem sucedidos da ONU, organização frequentemente criticada pelo excesso de burocracia e pouco impacto na vida das pessoas.

Uma de suas principais ações à frente da Acnur foi ampliar o número de funcionários nas áreas com mais refugiados para melhorar o atendimento in loco.Nascido em Lisboa e formado em física e engenharia elétrica, Gutérres foi primeiro-ministro de Portugal entre 1995 e 2002 pelo Partido Socialista, o que não impediu que partidos portugueses conservadores apoiassem sua candidatura à secretaria-geral da ONU (muitos trataram o pleito como uma questão nacional, acima de questões partidárias).

Enquanto ocupava o cargo, chefiou por um curto período o Conselho Europeu, órgão que reúne os chefes de Estado e governo da União Europeia. Fluente em inglês, francês e espanhol, sempre transitou bem entre os colegas do continente.

Ele começou sua carreira em meio à Revolução dos Cravos, movimento que pôs fim o Estado Novo português (1932-1974), e foi um dos principais líderes do nascente Partido Socialista.

Em 1992, foi nomeado vice-presidente da Internacional Socialista, associação formada por vários partidos socialistas, trabalhistas e social-democratas.

Diplomatas dizem que, ao contrário do atual secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, Guterres é carismático e tem força política.”É alguém ouvido e respeitado, com capacidade de resistir às decisões das grandes potências”, diz à BBC Brasil um diplomata brasileiro nos EUA.

Segundo o diplomata, Guterres se aproxima mais do perfil de Kofi Annan, ganês que chefiou a ONU entre 1997 e 2006 e enfrentou a maior potência global, os Estados Unidos, ao se opor à Guerra no Iraque.

O Brasil não endossou oficialmente a candidatura de Guterres para não melindrar a Argentina, que concorria ao posto com sua chanceler, Susana Malcorra.

Diplomatas que acompanharam a seleção de Guterres dizem que, diferentemente de pleitos anteriores, desta vez a cotação de um nome se deu a partir de um consenso “de baixo para cima”.O Conselho de Segurança da ONU, órgão composto por cinco membros permanentes e dez rotativos (o Brasil hoje está sem assento no órgão), realizou várias sabatinas com os postulantes ao cargo.

O desempenho de Guterres nesses encontros foi consolidando seu favoritismo, e ele passou a contar com o apoio de países africanos e asiáticos, além da França. O Reino Unido, que inicialmente resistia à candidatura, acabou por aceitá-la para não ficar isolado.

Um diplomata brasileiro diz que, além da experiência de Guterres com refugiados e de suas qualidades pessoais, também pesou em sua escolha o desejo do presidente Barack Obama de que a ONU tivesse um secretário-geral forte.

O favoritismo de Guterres, por outro lado, frustrou a expectativa de muitos de que a ONU tivesse sua primeira secretária-geral mulher. Campanhas foram organizadas em apoio às várias mulheres concorriam ao cargo, entre as quais a argentina Susana Malcorra, a búlgara Irina Bokova e a neo-zeolandesa Helen Clark.

*Com informação da BBC Brasil.

Outras publicações

Vamos fazer de 2017 um ano de paz, pede novo secretário-geral da ONU António Guterres assume como secretário-geral das Nações Unidas. “Vamos fazer de 2017 um ano de paz”. Foi com este apelo que o português António Gut...
Seguradoras do Brasil lançam com a ONU iniciativa para o setor Mais 30 empresas, que representam cerca US$ 5 trilhões em ativos, participam do projeto de sustentabilidade lançado na Rio+20; entre os fundadores est...
Na ONU, Brasil diz que combate ao terrorismo tem que ser holístico Embaixadora Maria Luiza Ribeiro Viotti. Embaixadora Maria Luiza Ribeiro Viotti afirmou ao Conselho de Segurança, nesta terça-feira (15/01/2013), que...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br