Produção de dendê da agricultura familiar baiana é destaque nacional

A Bahia é o segundo maior produtor de dendê do Brasil, com uma produção anual de 204.986 toneladas.

A Bahia é o segundo maior produtor de dendê do Brasil, com uma produção anual de 204.986 toneladas.

A Bahia é o segundo maior produtor de dendê do Brasil, com uma produção anual de 204.986 toneladas, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Esse fruto da agricultura familiar é originário da África e chegou ao estado durante o período colonial, adaptando-se rapidamente ao litoral baiano, que tem condições climáticas adequadas para o desenvolvimento dessa cadeia produtiva.

A produção de dendê na baiana contribui para o desempenho do país no cenário internacional. O Brasil é, atualmente, o terceiro produtor de azeite de dendê ou óleo de palma da América Latina, sendo a Colômbia, em primeiro e o Equador, em segundo lugar.

Maria Helena Conceição, que trabalha a mais de trinta anos no Centro Comercial de Valença, no Território Costa do Dendê, destaca que “do dendê eu tiro meu pão de cada dia e garanto o sustento da minha família e ajudo minha filha no curso de enfermagem”, explica a feirante.

Floriano Nascimento, membro da Associação das Cascalheiras do Jequiriçá, de Valença, comenta que o cultivo do dendê tem sido rentável. “Pelas minhas anotações em 2015 conseguimos colher 22 toneladas de dendê e este ano já foram mais de 30 toneladas. Isso graças ao trabalho de assistência técnica e extensão rural (Ater), oferecido pela Superintendência Baiana de Assistência Técnica e Extensão Rural (Bahiater). Isso ajudou a gente a organizar o trabalho, porque antes tudo era feito sem controle”, conta o agricultor familiar.

“O dendê tem um ciclo produtivo sustentável onde tudo se aproveita, da tala da planta, que se confecciona artesanato e biojóias, até o resíduo, o que amplia a possibilidade de geração de renda ao agricultor familiar”, afirma Ana Cristina dos Santos, engenheira agrônoma, da Bahiater, superintendência vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR).

Utilizações

Do dendezeiro são extraídos dois tipos de óleos: o azeite de dendê, também conhecido como óleo de palma (extraído da polpa ou mesocarpo) e o óleo de palmiste (extraído da amêndoa ou endosperma), utilizado principalmente na fabricação de cosméticos. Da dendeicultura também é possível extrair carvão ativado, utilizado em siderúrgicas e, da queima do carvão, surge a fumaça líquida, que pode defumar alimentos. Outra possibilidade é a utilização do resíduo do azeite, aproveitado para fazer sabão, além da fibra, que pode ser utilizada para a produção de bucha e para adubação orgânica ou até para a geração de energia.

Segundo a Ana Cristina, o cultivo do dendê é considerado uma cultura com forte apelo ecológico, por apresentar baixos níveis de agressão ambiental e adaptar-se a solos pobres, protegendo-o contra a lixiviação – força da água de chuva que provoca a erosão. “É válido ressaltar que a dendeicultura tem ainda a capacidade de ajudar na restauração do balanço hídrico e climatológico, contribuindo de forma expressiva na ‘reciclagem e sequestro de carbono’ e na liberação de oxigênio, combatendo a elevação excessiva das temperaturas médias do Planeta”, explica.

Região produtora

O Território Baixo Sul, conhecido como a Costa do Dendê, formados pelos municípios de Valença, Aratuípe, Igrapiúna, Cairu, Camamu, Taperoá, Nilo Peçanha, Ituberá e Maraú, é a região do estado em que os agricultores familiares têm como foco a produção desse fruto, aproveitado ainda como fonte energética alternativa para o biodiesel, pelo seu alto potencial de produção.

Cláudia Silva, coordenadora de ATER da Central de Cooperativas e Empreendimentos Solidários (Unisol/Brasil), acompanha, por meio da chamada pública de sustentabilidade da Bahiater, uma atividade realizada com 720 famílias de agricultores familiares,  divididas entre os municípios de Valença, Taperoá e Jaguaripe, que trabalham com a cadeia produtiva do dendê,

“Até 2019 estamos com um trabalho de Ater para acompanhar, orientar e organizar a produção e a forma de comercialização mais justa. Nós fazemos também um alinhamento institucional entre o Serviço Territorial de Apoio à Agricultura Familiar (SETAF/Bahiater) e os agricultores. Toda essa articulação tem como objetivo fortalecer o trabalho no campo e dar o empoderamento ao agricultor, para que eles andem com as próprias pernas”, disse Cláudia Silva.

Benefícios

O azeite de dendê ou óleo de palma previne o envelhecimento da pele e o ressecamento da córnea. Reduz os níveis do colesterol LDL, e aumenta o HDL. O óleo de palma é a maior fonte vegetal de carotenos em termos equivalente de retinol (pró-vitamina A) combate da deficiência de vitamina A (hipovitaminose A).

Outras publicações

Deputado Paulo Azi denuncia rombo de R$ 2 bilhões nas contas do governo da Bahia Deputado Paulo Azi critica execução orçamentaria do estado. Planilha apresentada por Paulo Azi apresenta problemas no orçamento do Governo da Bah...
Genética do Campolina baiano desperta interesse científico Genética do Campolina baiano desperta interesse científico. A alta qualidade genética dos 296 equinos da raça Campolina expostos no Parque de Exposi...
Marcos Presídio assume vaga de conselheiro do TCE Bahia Conselheiro Marcus Vinicius de Barros Presídio recebe cumprimento do governador Rui Costa. O ex-superintendente de Administração e Finanças da Assem...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br