Presos poderão ter que pagar por custos com seu monitoramento

Proposta é cobrar pelo uso do sistema de monitoramento de preso.

Proposta é cobrar pelo uso do sistema de monitoramento de preso.

Condenados que são monitorados eletronicamente poderão arcar com despesas referentes à manutenção desses equipamentos. A medida consta do Projeto de Lei do Senado (PLS) 310/2016, que inclui esse artigo na Lei de Execução Penal (Lei 7.210/1984). A matéria está em análise na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ).

Apresentada pelo senador Paulo Bauer (PSDB-SC), a proposta define que os custos com o monitoramento possam ser descontados do salário que o preso recebe pelo trabalho remunerado que ele exerça.

De acordo com dados do primeiro diagnóstico nacional sobre monitoração eletrônica do Departamento Penitenciário Nacional (Depen), atualmente existem cerca de dez situações em que os presos no Brasil são monitorados, somando mais de 18 mil pessoas sobre vigilância. O estudo também aponta que são gastos em média R$ 300 por mês para monitorar condenados. O principal item utilizado na monitoração é a tornozeleira eletrônica.

Na justificativa, Bauer afirmou que os recursos investidos nesse programa chegam em torno de R$ 23 milhões e que abrigam até 40 mil pessoas.

— O gasto com a manutenção do monitoramento eletrônico representa 12% das despesas de um condenado encarcerado, a sociedade brasileira não pode e não deve arcar com esse custo — disse.

Na CCJ, o projeto será votado em decisão terminativa, o que significa que, se não houver recurso para votação em Plenário, a matéria seguirá diretamente para a Câmara dos Deputados.

Outras publicações

Número de homicídios de pessoas LGBT pode ser recorde em 2016 Número de homicídios de pessoas LGBT pode alcançar aproximadamente 340 mortes em 2016. O número de homicídios de pessoas gays, lésbicas, bissexuais,...
Ministro do STF diz que construção de presídios não é a solução para a crise penitenciária Descriminalização do uso de drogas e mutirões judiciais amenizariam superlotação nas cadeias. A questão da violência não se resolve com construção de...
Rodoviários da Bahia cobram mais rigor com reincidentes em assaltos Secretário estadual Maurício Teles Barbosa coordenou reunião. Discutir os principais entraves para a diminuição ainda maior dos índices de ataques c...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br