PEC 241 também terá impacto nos estados e municípios, avalia diretoria do Sindsefaz

 Cláudio Meirelles: A história mostra que na hora que a crise bate, governadores e prefeitos arrocham salários e suspendem contratações como forma de economizar, que é o que acontece neste momento na Bahia, quando acumulamos perdas salariais de mais de 20% desde 2013.

Cláudio Meirelles: A história mostra que na hora que a crise bate, governadores e prefeitos arrocham salários e suspendem contratações como forma de economizar, que é o que acontece neste momento na Bahia, quando acumulamos perdas salariais de mais de 20% desde 2013.

A aprovação da PEC 241 atingirá em cheio os estados e municípios. Essa é a avaliação do Diretor de Organização do Sindsefaz (Sindicato dos Fazendários do Estado da Bahia), Cláudio Meirelles. Para ele, chega a ser infantil pensar que o controle de gastos do orçamento federal não vai ter impactos nos demais entes federados. “Os efeitos serão sentidos imediatamente, logo após começar a valer o congelamento”, adverte ele.

Meirelles lembra que boa parte das verbas que garantem o funcionamento da saúde e da educação nos estados e municípios, são repasses federais do SUS e do Fundeb, respectivamente, sem falar em convênios, ações conjuntas e investimentos em saneamento, desenvolvimento urbano, entre outros.

O problema, segundo o sindicalista, é que a PEC 241 congela o gasto, mas não tem o poder de congelar o adoecimento da população e nem as matrículas no ensino público, por exemplo. “Vai chegar um momento em que haverá um choque entre repasse congelado e demanda crescente”, diz.

Para Cláudio, os governadores e prefeitos não se aperceberam do problema. “São as prefeituras e estados que assistem a população na ponta, onde a demanda do serviço público existe, majoritariamente, e eles é que vão sentir a pressão social na hora em que tiver dificuldade de oferecer o atendimento”, comenta.

Para o dirigente do Sindsefaz, quando isso ocorrer, os gestores estaduais e nos municípios terão que deslocar recursos de outras áreas para garantir a demanda e é nessa hora que os servidores públicos poderão ser atingidos. “A história mostra que na hora que a crise bate, governadores e prefeitos arrocham salários e suspendem contratações como forma de economizar, que é o que acontece neste momento na Bahia, quando acumulamos perdas salariais de mais de 20% desde 2013”, reclama.

Para Cláudio, este quadro será de caos na ponta, onde está exatamente quem mais precisa: a população carente. “Teremos uma combinação de desgaste do servidor – que estará prejudicado em seus direitos e salários – com a necessidade crescente da sociedade, que buscará por serviços públicos que não serão oferecidos por falta de recursos”, finaliza.

Outras publicações

Ministro demissionário Marcelo Calero apresenta grave acusação contra Geddel Vieira Lima; interesse pessoal em apartamento em Salvador está no centro da crise Ministro Geddel Vieira Lima (primeiro da esquerda) é acusado de usar o cargo em benefício pessoal. Publicada neste sábado (19/11/2016), na Folha de ...
Projeção do BC para inflação este ano cai para 5,8% Presidente do Banco Central (BC), Alexandre Tombini anuncia perspectiva de inflação. A inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor...
O governador Jaques Wagner em diálogo com o Ministro das Minas e Energia, Edson Lobão, confirmou interesse da Bahia em usina nuclear A geração de eletricidade através de usina nuclear passa a ser uma opção estratégica relevante para a Bahia e para todo o nordeste”, disse Jaques Wag...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br