Operação Hidra de Lerna: PF investiga grupo que fraudava contratos no Ministério das Cidades

A Polícia Federal deflagrou na terça-feira (04/10/2016) a Operação Hidra de Lerna, para investigar um grupo criminoso responsável pela possível prática de financiamento ilegal de campanhas políticas na Bahia e por esquemas de fraudes em licitações e contratos no Ministério das Cidades.

A Polícia Federal deflagrou na terça-feira (04/10/2016) a Operação Hidra de Lerna, para investigar um grupo criminoso responsável pela possível prática de financiamento ilegal de campanhas políticas na Bahia e por esquemas de fraudes em licitações e contratos no Ministério das Cidades.

Uma operação da Polícia Federal (PF), deflagrada na manhã desta terça-feira (04/10/2016), investiga grupo criminoso responsável tanto pela possível prática de financiamento ilegal de campanhas políticas na Bahia, quanto por esquemas de fraudes em licitações e contratos no Ministério das Cidades. Chamada de Operação Hidra de Lerna, os policiais estão cumprindo 16 mandados de busca e apreensão autorizados pela ministra Maria Thereza Rocha de Assis Moura, do Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Segundo a PF, “a operação, que deriva de três colaborações de investigados na Operação Acrônimo, já homologadas pela Justiça e em contínuo processo de validação pela Polícia Federal, tem como origem dois novos inquéritos em tramitação no STJ e cuja distribuição entre os ministros da corte ocorreu de forma automática”.

Em uma das linhas de investigação, a suspeita da PF é que os esquemas investigados realizassem triangulações com o objetivo de financiar ilegalmente campanhas eleitorais. Para isso, a empreiteira investigada “contratava de maneira fictícia empresas do ramo de comunicação, especializadas na realização de campanhas políticas, remunerando serviços prestados a partidos políticos e não à empresa do ramo de construção civil”. ]

Em outra direção a PF pretende investigar a ocorrência de fraudes em licitações e contratos no Ministério das Cidades. O nome da operação, Hidra de Lerna, faz referência à figura da mitologia grega, que, ao ter a cabeça cortada, ressurge com duas cabeças. A Operação Acrônimo, ao chegar a um dos líderes de uma Organização Criminosa, se deparou com uma investigação que se desdobra e exige a abertura de dois novos inquéritos.

Ministério das Cidades

Em nota divulgada há pouco, o Ministério das Cidades diz que não recebeu, na manhã desta terça-feira, nenhuma notificação sobre a operação da PF envolvendo recursos da pasta.

O ministério informa ainda que, em poder das informações, terá condições de avaliar do que se trata e capacidade de instaurar, imediatamente, “processos administrativos disciplinares para investigar a denúncia”.

O órgão ressalta a disponibilidade em colaborar com todas as informações necessárias para garantir eficiência e transparência na aplicação dos recursos citados.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

Tempo de inelegibilidade do ex-deputado Eduardo Cunha pode ser maior do que oito anos, diz professor O ex-deputado federal Eduardo Cunha foi preso na quarta-feira (19/12/2016) e transferido de Brasília para a sede da Polícia Federal em Curitiba. O t...
Procurador-geral da República pede que Supremo Tribunal Federal reconsidere revogação da prisão de Paulo Bernardo Ex-ministro Paulo Bernardo Silva é investigado por possível envolvimento em atos de corrupção. O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, recor...
Críticas de Gilmar Mendes precisam “ser ouvidas com muita atenção”, diz deputado Rodrigo Maia Deputado Rodrigo Maia e presidente em exercício Michel Temer, simbiose golpista e convergência conservadora. O presidente da Câmara dos Deputados, R...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br