Mais de 738 mil novos processos chegam à Justiça estadual baiana em um ano

Juiz Freddy Pitta Lima: Os magistrados produzem muito, mesmo não contando com uma equipe satisfatória de servidores e uma estrutura adequada. Mesmo assim, não conseguem dar vazão à demanda e ao crescente número de ações no Judiciário.

Juiz Freddy Pitta Lima: Os magistrados produzem muito, mesmo não contando com uma equipe satisfatória de servidores e uma estrutura adequada. Mesmo assim, não conseguem dar vazão à demanda e ao crescente número de ações no Judiciário.

Nada menos que 738.983 novos processos começaram a tramitar no Judiciário baiano em apenas um ano, segundo o relatório Justiça em Números (Ano-base 2015), divulgado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Proporcionalmente, são 1.182 novas ações para cada magistrado. Atualmente, a carga média de trabalho do juiz estadual na Bahia chegou a 4.745 processos, atingindo 5.178 ações no primeiro grau.

Em um ano, os magistrados baianos baixaram 675 mil processos, com 526 mil sentenças. O estoque ultrapassa dos dois milhões de ações na Justiça estadual. A média é de 1.152 processos finalizados por cada juiz, ou seja, mais de três por dia, sem considerar fins de semana e feriados. “O relatório permite concluir que não se pode culpar os juízes pela demora. Os magistrados produzem muito, mesmo não contando com uma equipe satisfatória de servidores e uma estrutura adequada. Mesmo assim, não conseguem dar vazão à demanda e ao crescente número de ações no Judiciário”, lembrou o presidente da AMAB, Freddy Pitta Lima.

Para ele, é preciso mudar a realidade destes dados, para evitar o contingenciamento no Judiciário. “A Justiça precisa ser mais célere, mas ela deve ser utilizada de maneira correta”, destaca. Ele lembra que muitos processos poderiam ser evitados e resolvidos sem a judicialização. Pitta Lima enfatiza que muitos afirmam que o Judiciário é moroso e pouco eficiente, mas nem todos conhecem os motivos e os setores responsáveis por congestionar a Justiça. “Há um grande número de ações repetitivas de um pequeno grupo de litigantes que afetam o equilíbrio entre o desempenho do juiz e o volume de demandas”, informou. Segundo ele, alguns setores, muitas vezes, desrespeitam leis e direitos e transformam milhares de conflitos em processos que chegam à Justiça a todo o momento.

Maiores litigantes

Uma pesquisa realizada pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), com apoio da AMAB, e divulgada no ano passado mostrou que, na Bahia, os 100 maiores litigantes chegam a representar 23,9% de todos os processos abertos no Primeiro Grau e 21,7% entre os que respondem a ações judiciais. Os governos municipais e estadual, bancos e telefonia são os setores que mais aparecem nos processos. Os governos municipais e estadual concentram a maior parte das ações iniciadas no Primeiro Grau, ultrapassando os 70% dos processos movidos. Por outro lado, os segmentos mais demandados são os bancos e empresas de telefonia. O setor financeiro (que inclui ainda empresas de crédito) chegou a 39% do total de ações. Já o setor de telefonia chegou a 23%. Para o magistrado, é preciso que os segmentos que geram maior demanda no Judiciário ajustem seus procedimentos para cumprir, cada vez mais, com a legislação, e, desta forma, evitar o litígio e o crescimento do acervo de processos.

Propostas

As entidades representativas dos magistrados encaminharam ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a proposta de criação de Centros de Inteligência e Monitoramento de Demandas de Massa no Poder Judiciário. A ideia é que eles sejam instalados nos tribunais de todo o País e coordenados pelo próprio CNJ, a partir de um núcleo que funcionará junto ao Departamento de Pesquisa Judiciária. Estes centros teriam como papel principal acompanhar e monitorar o ingresso de ações judiciais, por meio de um banco de dados, com vistas a prevenir e propor soluções à litigiosidade excessiva. As associações também propõem o estímulo em escala a métodos de solução alternativa de conflitos – conciliação, mediação, arbitragem e composição de ações coletivas em face dos maiores litigantes.

Outras publicações

Lei Eserval Rocha é modificada em votação na Assembleia Legislativa da Bahia Votação na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) modifica Lei Eserval Rocha. A Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) aprovou nesta noite de 29 de ...
Operação Calicute: MPF diz que ex-governador Sérgio Cabral ‘chefiou’ organização criminosa; propina é avaliada em R$ 224 milhões Organograma apresentado pelo MPF em que ex-governador Sérgio Cabral é apresentado como chefe de organização criminosa. O Ministério Público Federal ...
Telma Britto é a nova presidenta do Tribunal de Justiça da Bahia Desembargadora Telma Britto assume presidência do Tribunal de Justiça da Bahia. Ao tomar posse no cargo de presidente do Tribunal de Justiça d...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br