Em pronunciamento, ministro Henrique Meirelles diz que teto de gastos preservará saúde e educação | Agência Brasil

Teto de gastos é essencial para recuperação da economia, destaca o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

Teto de gastos é essencial para recuperação da economia, destaca o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

A proposta de emenda à Constituição (PEC) que limita o crescimento dos gastos públicos preservará a saúde e a educação, sem retirar direitos dessas áreas, disse o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles. Em pronunciamento que irá em cadeia nacional de rádio e televisão às 20h, o ministro defendeu a criação do teto de gastos como medida essencial para a recuperação da economia.

“O governo [do presidente Michel] Temer enviou uma proposta para mudar a Constituição e equilibrar o orçamento nos próximos anos. É necessário um prazo para ajustar as contas de forma gradual, sem retirar direitos, sem cortar o dinheiro dos projetos mais importantes, aqueles essenciais. Saúde e educação, por exemplo, serão preservados. Estamos criando mecanismos para garantir que essas áreas prioritárias não terão perdas”, destacou o ministro.

De acordo com Meirelles, o controle dos gastos permitirá ao país recuperar a credibilidade. “A confiança de consumidores, investidores e empresários já está retornando. Já notamos os primeiros sinais dessa mudança. Confiamos que o Congresso aprovará essa medida que vai equilibrar as contas públicas. Este é o caminho para a volta do crescimento de nossa economia e para a criação dos empregos de que o nosso povo precisa.”

O ministro pediu empenho do Congresso na votação da proposta, cujo texto-base foi aprovado mais cedo pela comissão especial da Câmara dos Deputados que discute a proposta. “Confiamos que o Congresso aprovará essa medida que vai equilibrar as contas públicas. Este é o caminho para a volta do crescimento de nossa economia e para a criação de empregos que o nosso povo precisa.”

Segundo Meirelles, o momento atual da economia exige, de toda a sociedade, dedicação e esforço para que o Brasil volte a crescer. Ele ressaltou que a recessão pune as camadas mais pobres e que somente o reequilíbrio das contas públicas possibilitará a recuperação do país. “Não aceitamos mais inflação e desemprego, porque os mais pobres é que pagam essa conta. Com a aprovação da proposta que equilibra as contas públicas, vamos superar esse momento e recolocar o Brasil no caminho da justiça social com desenvolvimento de verdade.”

O ministro da Fazenda atribuiu o déficit primário recorde nas contas públicas ao governo anterior, que expandiu os gastos sem se preocupar com a arrecadação. O déficit primário é o resultado negativo das contas públicas desconsiderando o pagamento dos juros da dívida do governo.

“Só neste ano o nosso déficit será de R$ 170 bilhões. Ou seja, esse é o tamanho do prejuízo que tivemos que assumir. E isso já vinha ocorrendo em anos anteriores. O governo vinha se endividando e pagando juros muito altos para poder financiar essa conta. A inflação saiu do controle e está acima dos limites aceitáveis. O clima de insegurança tomou conta da economia”, disse o ministro.

Meirelles comparou ainda a situação das contas públicas ao orçamento doméstico. “Na sua casa, todos sabem que não podem se endividar para gastar mais do que ganham, continuamente. Com o governo acontece a mesma coisa. Temos que sair da crise e reverter esse quadro de recessão e de desemprego. É por isso que defendemos o equilíbrio das contas do país”, ressaltou.

Apesar de exibido hoje (6), o pronunciamento foi gravado na terça-feira (4), por causa da viagem do ministro aos Estados Unidos. De hoje até domingo (9), Meirelles participa da reunião anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial em Washington. Segunda-feira (10), ele chega a Nova York, onde ficará até quarta-feira (12) e terá reuniões com empresários e investidores.

Confira vídeo

Outras publicações

Professores da Uefs fazem mobilização contra a PEC 241 Professores da Uefs durante panfletagem. Na segunda-feira (24/10/2016), os professores da Uefs fizeram uma panfletagem no pórtico da instituição com...
“Geddel Vieira Lima não tem condições de continuar sendo ministro”, afirma deputada Maria del Carmen após caso La Vue Ladeira da Barra Deputado Antônio Imbassahy e ministro Geddel Vieira Lima. Deputada Maria del Carmen defende saída imediata de Geddel Vieira Lima do ministério. Prin...
Sedes Bahia firma acordo com Defensoria Pública para garantir direitos do consumidor carente Sedes firma acordo com Defensoria Pública para garantir direitos do consumidor carente. A Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreg...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br