Eleições 2016: vitória de apenas oito deputados para prefeituras reflete desgaste, dizem analistas

Deputada federal Moema Gramacho (PT) vence em Lauro de Freitas.

Deputada federal Moema Gramacho (PT) vence em Lauro de Freitas.

A eleição, em primeiro turno, de apenas oito dos 71 deputados federais que se candidataram a prefeituras em todo o país reforça os sinais de desgaste do cenário político, segundo especialistas. O número é quase a metade do registrado nas eleições municipais de 2012, quando 15 deputados federais foram eleitos prefeitos já no primeiro turno e 18 disputaram o segundo turno.

Este ano, apenas quatro deputados candidatos vão para a segunda etapa do pleito: Cícero Almeida (PMDB-AL), que disputa a prefeitura de Maceió; Nelson Marchezan Junior (PSDB-RS), candidato em Porto Alegre); Edmilson Rodrigues (PSOL-PA), em Belém; e Valadares Filho (PSB-SE), que concorre à prefeitura de Aracaju.

“A eleição, de fato, se deu num clima de desgaste generalizado da política, mas não tem porque isto se refletir apenas nos deputados. Tem reflexo sobre os partidos”, ponderou o cientista político Carlos Ranulfo, coordenador do Centro de Estudos Legislativos da Universidade Federal de Minas Gerais. Entre os sinais deste desgaste, segundo o analista, estão discursos de candidatos vitoriosos como o prefeito eleito de São Pauli, João Doria (PSDB), que destacou ao longo de sua campanha o fato de “não ser político, mas gestor” como estratégia para atrair votos.

O mesmo tom foi adotado por Alexandre Kalil (PHS), que está no segundo turno da disputa pela prefeitura de Belo Horizonte e enfrentará João Leite (PSDB). Além do discurso de alguns candidatos, Ranulfo também destacou que muitos nomes que disputavam o pleito evitaram associar suas imagens à de políticos mais conhecidos, mas que estão sob a mira de investigações policiais. “É um desgaste geral da política. Os candidatos pouco mostraram seus padrinhos. Aécio [Neves] aqui [em Minas Gerais] não apareceu”, citou.

Analista do cenário legislativo do país, Ranulfo disse que as eleições deste domingo não mostraram uma tendência de renovação clara. Segundo ele, ao mesmo tempo que novos nomes emergiram, “octogenários foram eleitos”.

Diante dos resultados municipais, Ranulfo aposta em uma mudança na composição da Câmara dos Deputados a partir de 2018, com maior pulverização partidária, reflexo do crescimento de diferentes legendas por todo o país. “Se não houver uma reforma política, pode ter um aumento do número de partidos, porque os prefeitos são a base de deputados. Está aumentando a dispersão [de legendas assumindo os Executivos locais], isto tende a tornar a Câmara mais fragmentada”, calculou, projetando um aumento dos atuais 28 partidos representados na Casa para 33.

Outra consequência, segundo Ranulfo, é o fim da polarização entre PT e PSDB, que, segundo ele, não deve se repetir nas eleições de 2018. “Resta saber quem vai enfrentar o PSDB, que pode enfrentar Marina [na disputa presidencial], mas a Rede  [partido de Marina] se saiu muito mal”, disse. Outra probabilidade é o surgimento de um nome de uma frente mobilizada pela esquerda para enfrentar os tucanos.

Impacto nas votações da Câmara

Já o cientista político da Universidade de Brasília (UnB) David Fleischer preferiu evitar projeções, mas admitiu que a queda do PT nas votações municipais terá reflexos dentro do Congresso e nas bases partidárias de legendas de esquerda que pretendem participar do pleito majoritário.

“A derrota do PT foi muito forte. O partido elegeu 40% dos que havia eleito em 2012. E para todos os que não se elegeram, este resultado vai influenciar as possibilidades de suas bases partidárias nas eleições de 2018”, avaliou.

Para Fleischer, as eleições municipais vão produzir impacto direto nas votações da Câmara. Segundo ele, se o governo Michel Temer conseguir convencer os partidos de centro direta e direita, conseguirá aprovar a proposta de emenda à Constituição (PEC) do Teto de Gastos, prevista para a próxima semana em plenário. “Isto pode fortalecer a mudança constitucional da reforma da Previdência e da legislação trabalhista, que é mais polêmica”, completou.

Senado

Entre os senadores, apenas Marta Suplicy (PMDB-SP) e Marcelo Crivella (PRB-RJ) concorreram a prefeituras nessa eleição.

Marta ficou em quarto lugar na corrida pela prefeitura de São Paulo, com 10,14% dos votos válidos, atrás de Celso Russsomano (PRB), Fernando Haddad (PT) e do prefeito eleito, Joao Doria (PSDB).

No Rio, Crivella liderou a votação, com 27,78% dos votos válidos, e vai disputar o segundo turno com o candidato do PSOL, Marcelo Freixo, que recebeu 18,26% dos votos válidos.

Deputados federais eleitos prefeitos em primeiro turno:

Arnon Bezerra (PTB-CE) –  Juazeiro do Norte

Dr. João (PR-RJ) –  São João de Meriti

Edinho Araújo (PMDB-SP) – São José do Rio Preto

Fabiano Horta (PT-RJ) – Maricá

Fernando Jordão (PMDB-RJ) – Angra dos Reis

Marcelo Belinati (PP-PR) – Londrina

Moema Gramacho (PT-BA) – Lauro de Freitas

Odelmo Leão (PP-MG) – Uberlândia

*Com informações da Agência Brasil.

Outras publicações

Eleições 2016 – Feira de Santana: prefeito José Ronaldo caminha pelo bairro onde promete construir Clínica Multiuso e CMDI José Ronaldo de Carvalho e Colbert Martins durante caminhada no Bairro Baraúnas. Candidato à reeleição, o prefeito José Ronaldo visitou os bairros S...
Eleições 2016 – Feira de Santana: derrotado no pleito, Tonhe Branco diz que vai disputar em 2020 Filiado ao PHS, Antonio Rodrigues Pedreira (Tonhe Branco) concorreu ao pleito municipal de 2016 através da coligação ‘Pra frente Feira’, formada pelo...
Eleições 2016 – São Francisco do Conde: Ralison Valentim tem recepção calorosa durante visita a Jabequara Ralison Valentim de Jesus é candidata a prefeita de São Francisco do Conde. A manhã deste domingo ficará marcada na história de Jabequara. A populaç...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br