Vende-se o Brasil

Infográfico satiriza tentativa de criminalizar ex-presidente Lula.

Infográfico satiriza tentativa de criminalizar ex-presidente Lula.

A era FHC foi o período da história política brasileira onde ocorreram as maiores privatizações. Durante este período foram recolhidos “aos cofres públicos,” oriundo das privatizações, aproximadamente um valor em torno de R$ 78,6 bilhões e que ninguém sabe para onde foi este dinheiro. A dívida pública saltou de US$ 269 bilhões em 1996 para US$ 881 bilhões em 2002.

A Companhia Siderúrgica Vale do Rio Doce, a maior empresa Siderúrgica do mundo, foi privatizada em maio de 1997 vendendo a parte acionária controlada pelo governo federal por R$ 3,3 bilhões de reais; esta operação foi considerada pelos economistas da época como “vendida a preço de banana”. E este dinheiro ninguém sabe, ninguém viu.

Infelizmente esta atitude de lesa-pátria se repete através do governo do golpista Michel Temer e o mais absurdo de tudo é que querem privatizar a água potável. O Aquífero Guarani, um reservatório gigantesco de águas subterrâneas, compartilhado entre Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai, com área total de 1,2 bilhões de km², e com 2/3 da reserva em terras brasileiras, está sendo negociado no PPI – Programa de Parceria e Investimentos – através das multinacionais Nestlé e Coca-Cola.

Também deverão ser privatizadas pelo governo golpista, com certeza a preço de banana, as empresas públicas como a Petrobrás, Eletrobrás, Correios, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil, BNDES, SUS, Educação, entre outras empresas do mesmo porte.

Como prova disso, o pré-sal já está sendo vendido no varejo, através do ministro do apagão, Pedro Parente, que o golpista Michel Temer colocou para gerir a Petrobrás. Em um piscar de olhos ele vendeu o campo de Carcará para a norueguesa Stastoil. Segundo estudos técnicos, a produção de Carcará será superior a 35 mil barris por dia. Esta “pérola” foi vendida por R$ 8,5 bilhões de reais, sendo metade a vista e metade condicionada à absorção de áreas vizinhas.

Segundo o jornalista Fernando brito: “com a venda de Carcará, a Petrobrás perdeu mais do que com a Lava Jato inteira”. É fundamental e urgente que se dê um basta neste governo golpista, sem legitimidade e que está entregando nossas riquezas para as diversas multinacionais.

E o governo foi pra China. Deveria ter ido pra Conchichina.

Outras publicações

Isto é Flamengo | Por Alberto Peixoto Clube de Regatas Flamengo. Flamengo não é somente um clube, uma agremiação esportiva. O Flamengo é uma religião, uma seita, um credo, com sua bíblia...
Um golpe dentro do golpe Protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, na avenida Paulista, em São Paulo. Após as eleições de 2014 o PSDB, mancomunado com os p...
Feira de Santana: Alberto Peixoto lança obra literária ‘O Enterro da Sogra’ Alberto Peixoto lança obra literária 'O Enterro da Sogra'. O escritor feirense Alberto Peixoto lançou a obra literária ficcional 'O Enterro da Sogra...

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br