Um golpe dentro do golpe

Protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, na avenida Paulista, em São Paulo.

Protesto contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, na avenida Paulista, em São Paulo.

Após as eleições de 2014 o PSDB, mancomunado com os partidos de direita, estabeleceu a desordem política e a derrocada da economia brasileira, tornando inviável administrar o País. Como se não bastassem estas intervenções criminosas da direita branca e racista, o senador Aécio Neves – que até os dias de hoje não aceita sua derrota nas urnas para Dilma Rousseff – ameaça o filhote de Judas, o traíra Michel Temer, dizendo que sem o apoio do PSDB o “governo dos golpistas” não existirá.

“Enquanto Temer se mantiver fiel a essa agenda que colocamos para o país, contará com o PSDB. Se percebermos que isto não está ocorrendo, o PSDB deixa de ter compromisso com este governo”; vocifera Aécio Neves que nas pesquisas atuais tem uma rejeição de 64% dos brasileiros.

Por essas e outras atitudes de Aécio Neves e do PSDB, fica o questionamento dos eleitores brasileiros para as próximas eleições: O que vamos fazer diante das urnas? Qual será a motivação que nós, eleitores, teremos para escolhermos nossos representantes no pleito do dia 2 de outubro e em todos os outros, se no último realizado os 54.501.118 desejos (votos) de verem Dilma Rousseff nos representando foram violados de forma trágica e absurda? Decididamente somos palhaços!

As pessoas que tem um mínimo de discernimento ficam sem entender e indagam-se: Como é que se destitui do cargo uma presidente honesta, ‘impitimada’ por uma maioria composta, em grande parte, por senadores corruptos citados na Operação Lava Jato? Para tornar o caso mais escabroso, entregam o cargo de presidente para Michel Temer, ficha suja inelegível por 8 anos, condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo – TER-SP – além de ser citado 25 vezes na Lava Jato por atos de corrupção.

Esta situação que o Brasil passa atualmente é estarrecedora e inusitada! Uma presidente honesta sofre o impeachment julgada por uma quadrilha de corruptos propineiros; bando de cafajestes comandados, não por Temer, que é um fantoche de terno e gravata, mas por Aécio Neves que busca o poder a qualquer preço. Também tem o outro, não menos bandido, Eduardo Cunha, que luta desesperadamente para salvar sua pele, e de sua companheira.

Está então caracterizado pela não cassação dos direitos políticos de Dilma Rousseff, que ela não é culpada de nada; fica determinado desta forma, um golpe dentro do golpe, onde Aécio Neves luta para tomar o poder, deixando o povo sem saber quem é mais golpista.

Outras publicações

Senador Humberto Costa diz que governo Rousseff foi sabotado pela elite empresarial e política Senador Humberto Costa diz que Congresso 'nunca engoliu' Dilma Rousseff. O senador Humberto Costa (PT-PE) afirmou nesta terça-feira (30) que process...
Presidente do Senado arquiva pedidos de impeachment contra ministro Gilmar Mendes Ministro do STF Gilmar Mendes encarna função de juiz reacionário que atua de forma partidária. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), co...
Após 12 horas de discursos: 44 senadores declaram voto pelo impeachment de Dilma Rousseff e 18 contra Painel de votação do plenário do Senado Federal apresenta relação dos oradores inscritos para discussão da denúncia. Com o discurso do senador Romár...

Sobre o autor

Alberto Peixoto
Antonio Alberto de Oliveira Peixoto, nasceu em Feira de Santana, em 3 de setembro de 1950, é Bacharel em Administração de Empresas pela UNIFACS, e funcionário público lotado na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia, atua como articulista do Jornal Grande Bahia, escrevendo semanalmente, é escritor e tem entre as obras publicadas os livros de contos: 'Estórias que Deus Duvida', 'O Enterro da Sogra, 'Único Espermatozoide', 'Dasdores a Difícil Vida Fácil', participou da coletânea 'Bahia de Todos em Contos', Vol. III, através da editora Òmnira. Também atua incentivador da cultura nordestina, sendo conselheiro da Fundação Òmnira de Assistência Cultural e Comunitária, realizando atividades em favor de comunidades carentes de Salvador, Feira de Santana e Santo Antonio de Jesus. É Membro da Academia de Letras do Recôncavo (ALER), ocupando a cadeira de número 26. Saiba mais visitando: http://www.albertopeixoto.com.br