Senadora Gleisi Hoffmann diz que terá “benefício da dúvida” no STF | Agência Brasil

A senadora Gleisi Hoffmann virou ré na Operação Lava Jato.

A senadora Gleisi Hoffmann virou ré na Operação Lava Jato.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), que virou ré hoje (27/09/2016) na Operação Lava Jato, disse que recebeu “com tristeza” a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de acatar a denúncia contra ela e o marido, o ex-ministro Paulo Bernardo, feita pela Procuradoria-Geral da República. Gleisi disse que a abertura do processo lhe dá “o benefício da dúvida”, que deverá pesar quando o julgamento acontecer.

“Embora eu respeite muito a Justiça do nosso país, devo dizer que recebi com profunda tristeza a aceitação por parte da Segunda Turma [do STF] contra mim e também contra o Paulo. Mas também, no voto do relator Teori Zavaski, ele coloca que não tem certeza dos fatos ocorridos. Portanto, me dá o benefício da dúvida, coisa que eu não tive até agora. E estou ciente de que o Supremo Tribunal Federal vai analisar com profundidade o processo, vai conseguir ver que não há sustentação [para a denúncia]”, disse a senadora em entrevista após a decisão do Supremo.

Gleisi, que foi ministra da Casa Civil no primeiro governo da ex-presidenta Dilma Rousseff, reiterou que é inocente e que não conhece o doleiro Alberto Youssef e o ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa, ligados a ela pela força-tarefa da Lava Jato. Para a senadora, os processos relacionados à Lava Jato estão “muito politizados”.

“Estou dizendo que está politizado esse processo da Lava Jato e está todo mundo muito pressionado, pela própria sociedade. Então, todo mundo tem muito medo de errar, de fazer coisas que não são corretas, e pode ser que acabe exacerbando para outro lado. Não quero fazer aqui nenhum julgamento e não estou fazendo, reitero que respeito o Judiciário, mas tenho profunda tristeza por ter recebido a denúncia”, disse.

Nota

Além de falar com os jornalistas, a senadora também distribuiu nota à imprensa na qual levanta outros pontos sobre o processo que acaba de ser aberto. Gleisi Hoffmann questiona as delações de Youssef e Costa, que embasam a denúncia, e também a do sócio de Youssef, Antonio Carlos Pieruccini. “Em sua delação, essa pessoa disse que transportou a suposta propina para minha campanha, em dinheiro, de São Paulo para Curitiba, em quatro viagens. Ele afirmou ainda que entregou a quantia para o empresário Ernesto Kugler, que sempre negou o fato”, diz a nota.

Kugler também virou réu hoje no mesmo processo contra a senadora e Paulo Bernardo. “Se Pieruccini esteve realmente quatro vezes com o empresário, por que a Polícia Federal não obteve provas físicas desses encontros? A bem da verdade, a denúncia sequer aponta qualquer ato concreto cometido. Baseia-se apenas em especulações que não são compatíveis com o que se espera de uma acusação penal”, argumenta a senadora no texto.

Segundo Gleisi, “são inúmeras as contradições nos depoimentos dos delatores”, o que tira a credibilidade da denúncia. A senadora aponta que um dos delatores mudou sua versão “nada menos que seis vezes”, o que comprovaria que os fatos relatados por ele “não existiram”.

Denúncia

Com a decisão de hoje da Segunda Turma do STF, Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo viraram réus em processo por corrupção e lavagem de dinheiro. Em maio, o casal foi denunciado ao Supremo sob a acusação de ter recebido R$ 1 milhão para a campanha da senadora em 2010. De acordo com depoimentos de delatores na Lava Jato, o valor é oriundo de recursos desviados de contratos da Petrobras.

Os ministros seguiram o voto do relator, ministro Teori Zavascki, segundo o qual a denúncia descreveu a conduta individual dos acusados e indicou que Paulo Bernardo solicitou o pagamento ao ex-diretor, que determinou a Youssef a entrega dos recursos, por meio de uma pessoa interposta.

Outras publicações

Rui Falcão: operação contra ex-presidente Lula é política, midiática e policialesca Rui Falcão: operação contra ex-presidente Lula é política, midiática e policialesca. O presidente do PT, Rui Falcão, classificou a ação da Polícia F...
Contra o fascismo: “Se querem me acusar, mostrem uma prova”, diz ex-presidente Lula em evento em Fortaleza O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez sua primeira visita a uma cidade do Nordeste desde que a força-tarefa da Operação Lava-Jato apresentou ...
Senado aprova aposentadoria especial para quem trabalha em limpeza urbana O Senado aprovou hoje (15/05/2012) projeto de lei que garante a aposentadoria especial aos 25 anos de trabalho aos empregados em serviços de limpeza...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br