Resultado financeiro da 41ª Expofeira evidencia falta de política para o setor do agronegócio de Feira de Santana

Valores comercializados na 41ª Expofeira ficaram muito abaixo dos números da edição anterior.

Valores comercializados na 41ª Expofeira ficaram muito abaixo dos números da edição anterior.

Apesar da nota informando que a 41ª Exposição Agropecuária de Feira de Santana (EXPOFEIRA) superou as expectativas, relatos e números indicam que ocorreu grave retrocesso no volume de negócios.

Em 2016, os números indicam que foram realizados cerca de R$ 1,3 milhão em vendas de equinos e bovinos. Número bem distante dos valores alcançados em 2015.

Em 2015, a Expofeira resultou em transações comerciais de R$ 5 milhões.  Leilões realizados dos animais a exemplo dos leilões de cavalos da raça manga-larga marchador, gado girolando e guzerá totalizaram quase R$ 1 milhão.

Conforme relatos dos participantes da 41ª Expofeira, ocorreu falha na captação de expositores de animais e na política de promoção dos leilões. Além destes aspectos, a iluminação precária e estrutura física decadente do Parque de Exposições geram severas críticas.

Observa-se que um dos setores menos afetados pela crise pela qual passa o país é o setor agronegócio. Nesse segmento, o município de Feira de Santana foi referência nacional.

Em passado recente, a cotação da arroba de boi comercializada no município, era um dos valores que influenciavam a cotação nacional. Mas, esse passado de influência econômica foi sendo abandonado por falta de políticas consistentes que valorizassem o agronegócio em Feira de Santana.

Não obstante, o município é sede de uma região metropolitana e, nessa região metropolitana, além das atividades agropastoris, são observadas atividades nos segmentos da avicultura, fumo, produção e processamento de mandioca, e produção de mel. Do ponto de vista regional, mesmo tendo uma base agro-econômica substantiva, falta visão orgânica que estruture a cadeia de valor do agronegócio na região.

Festa e não negócios

Observa-se que a Expofeira é um evento para realização de negócios. A festa seria apenas um lenitivo para a diversão das pessoas que se dirigem ao evento para realizar transações comerciais. Mas, a falta de competência técnica e visão comercial tem invertido a prioridade do evento, sendo os shows musicais o principal motivo de promoção da Expofeira.

Comentários

Crítico do governo municipal, o deputado estadual José Cerqueira Neto (Zé Neto, PT), publicou na página pessoal no Facebook comentário sobre a Exposição Agropecuária:

— Hoje (domingo, 11/09/2016) estive participando da 41º Exposição Agropecuária de Feira e pude constatar que o evento, que no passado teve uma grande importância econômica e cultural, foi um verdadeiro fiasco em termos econômicos. Observei, também, que as condições físicas do nosso Parque de Exposição chegaram ao extremo do abandono.

Além do comentário, o deputado postou um vídeo com imagens noturnas do Parque de Exposição João Martins da Silva.

Confira o vídeo

Leia +

Prefeito e secretário de Agricultura destacaram resultados da 40ª Exposição Agropecuária de Feira de Santana

41ª Expofeira superou todas expectativas, afirma secretário da Agricultura

Outras publicações

Feira de Santana: Tito Pereira, Asa Filho e Domingones França apresentam shows na Cidade da Cultura Shows de Tito Pereira, Asa Filho e Domingones França ocorrem na Cidade da Cultura. A Organização Artística Cidade da Cultura (ORACC) apresenta nos d...
Feira de Santana: Projeto Nelson aGosto em cartaz no CUCA Três grupos de teatro de Feira de Santana com linguagens de encenação diferenciadas, mas tendo a obra de Nelson Rodrigues como objeto de estudo, se ju...
EBDA realiza teste de Ph do solo na Exposição Agropecuária de Feira de Santana Vista aérea do Parque de Exposições João Martins da Silva em Feira de Santana. Os agricultores que visitarem a 39ª Exposição Agropecuária de Feira d...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.