Presidente Michel Temer poderá usar ONU para vender Brasil por partes, avalia Lyudmila Okuneva

Ministro José Serra (PSDB/SP), Michel Temer (PMDB/SP) e Marco Maia (DEM/RJ) a troica de políticos qualificados como usurpadores da República.

Ministro José Serra (PSDB/SP), Michel Temer (PMDB/SP) e Rodrigo Maia (DEM/RJ) a troica de políticos qualificados como usurpadores da República.

A professora da Universidade das Relações Internacionais de Moscou (MGIMO, na sigla em russo) Lyudmila Okuneva, entrevistada pelo serviço russo da rádio Sputnik, fala da situação econômica do Brasil e do comportamento pouco razoável das suas autoridades.

Para falar da venda de infraestruturas, o atual presidente do Brasil escolheu um lugar pouco conveniente — ele discutirá esse assunto na próxima semana durante sua visita a Nova York no âmbito da 71ª sessão da ONU.

Okuneva sublinha que a Assembleia da ONU é um palco diferente por princípio, lá não se realizam vendas e compras: “Parece que as novas autoridades brasileiras não se dão conta aonde eles vão, na própria Assembleia Geral da ONU eles tentam oferecer mercadoria a preço razoável, isto jamais foi feito.”

“Terminou um certo ciclo político e econômico no Brasil, as autoridades que estão no poder, representadas pelo presidente Temer, têm opiniões de direita, e tudo o que eles fazem — reformas neoliberais, redução do orçamento, redução brusca de programas sociais e este programa amplo de privatizações — mostra que o Brasil entrou em outra etapa de desenvolvimento”, disse a professora ao serviço russo da radio Sputnik.

Entretanto, a professora frisa que o Brasil está em “círculo vicioso”, por um lado o país vive em condições econômicas muito difíceis e precisa de investidores para recuperar, por outro lado, não há investidores que queiram contribuir para algo que aparentemente não promete lucro. “Infelizmente, o modelo de desenvolvimento anterior [do governo de Dilma], que se destinava a aumentar a prosperidade, fracassou e <…> chegaram outros tempos”, destaca a historiadora.

Falando da possível participação das empresas russas na privatização das empresas brasileiras, a professora ressalta que, primeiro, a Rússia já tem laços econômicos com o Brasil e, segundo, tomando em conta a situação do país na área econômica isso parece pouco vantajoso. A especialista assinala que as novas autoridades prometem muito à sociedade, mas suas ações mostram que uma vida melhor nunca chegará, porque a redução tão drástica dos programas sociais nunca poderá levar a qualquer mudança positiva.

*Com informações da Agência Sputnik.

Publicidade

Compartilhe e Comente

Facebook do JGB

Publicações relacionadas

+ Publicações >>>>>>>>>

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br