Polícia Federal indicia Fernando Pimentel e Marcelo Odebrecht

Polícia Federal indicia Fernando Pimentel.

Polícia Federal indicia Fernando Pimentel.

A Polícia Federal (PF) indiciou nesta quinta-feira (15/09/2016) o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel, e o empresário Marcelo Odebrecht no âmbito da Operação Acrônimo. Pimentel e Odebrecht são investigados por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro. O governador também foi acusado de tráfico de influência.

Conforme os indícios levantados na operação, o governador recebeu propina da construtora Odebrecht, que havia sido beneficiada pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, comandado por Pimentel de 2011 a 2014. Nesse período, Pimentel teria atuado para liberar financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para obras da empreiteira em Moçambique e na Argentina. O BNDES é vinculado à pasta.

Como o governador tem foro privilegiado, o indiciamento precisou da autorização do ministro Herman Benjamin, do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Caberá agora à Procuradoria-Geral da República (PGR) decidir se concorda com o indiciamento e leva a denúncia à Justiça.

As investigações da Operação Acrônimo começaram em outubro de 2014, quando agentes federais apreenderam R$ 113 mil em uma aeronave que chegava ao Aeroporto Internacional de Brasília. Na época, a PF informou que tinha como foco o combate a uma organização criminosa investigada por lavagem de dinheiro e desvio de recursos públicos.

Entre os presos estava Benedito de Oliveira Neto, conhecido como Bené e dono da Gráfica Brasil. Naquele ano, Bené atuou na campanha do então candidato e atual governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel. Em troca de redução da pena, Bené assinou acordo de colaboração com a Justiça.

Defesa

Em nota, a defesa do governador contesta a legalidade do indiciamento, classificando-o de ato de convencimento da autoridade policial, e diz que não tem qualquer outra consequência. “O Supremo Tribunal Federal, por maioria esmagadora, afirma a impossibilidade desse indiciamento. A PGR, também. Mas isso não inibe quem quer antecipar culpa, a todo custo”, destaca o texto.

A defesa de Pimentel diz que aguarda o julgamento de questões de ordem que demonstrarão as ilegalidades da Operação Acrônimo.

No documento, o advogado Eugênio Pacelli classifica de “risível” a “coincidência” que vai se repetindo a cada dia em que se designam novas datas para o prosseguimento do julgamento dos recursos da defesa no STJ. “Sempre vem uma nova operação ou novo indiciamento.”

O indiciamento, agora, será analisado pelo vice-procurador-geral da República, José Bonifácio Borges de Andrada, responsável pelas ações envolvendo governadores no STJ.

Procurada, a Odebrecht disse que não vai se pronunciar.

Denúncia

Em maio, a PGR denunciou Pimentel ao STJ pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, também na Operação Acrônimo. Bené também foi citado na denúncia.

O governador já havia sido indiciado pela PF em abril por corrupção passiva, organização criminosa, lavagem de dinheiro e tráfico de influência. Ele foi acusado de interceder para favorecer a montadora Caoa, representante da Hyundai no Brasil. Em 2012, quando Pimentel era ministro do Desenvolvimento, foi lançado o Programa Inovar Auto, que concedia incentivos fiscais a indústrias do setor automotivo.

De acordo com investigações da Operação Acrônimo, A Caoa pagou propina para participar do programa. Em maio, a PGR levou o caso à Justiça e formalizou denúncia.

A Operação Acrônimo chegou hoje à oitava fase. Os policiais federais investigam se a Odebrecht pagou R$ 3 milhões em propinas a um assessor do Ministério da Fazenda para desenvolver projetos em Cuba, na República Dominicana, no Panamá, em Angola, Gana e no México. Pimentel não é alvo dessa fase da Acrônimo.

O dinheiro teria sido repassado a Benedito Rodrigues de Oliveira, apontado como operador do esquema para beneficiar Pimentel. Em abril, ele fechou acordo de delação premiada.

O acordo feito por Bené também é contestado na nota encaminhada hoje pela defesa de Pimentel. “Trocou-se um pacote de crimes de toda espécie por um ano de prisão domiciliar. Violação da primeira à última letra da lei”, diz o texto.

Outras publicações

Eleitores brasileiros poderão escolher em 2012 representantes no Parlasul "O acordo nos permitirá realizar eleições diretas, e espero que elas possam ocorrer em 2012.", disse Celso Amorim Os eleitores brasileiros poderão i...
Deputado Alan Sanches reúne lideranças políticas em Seminário do Recôncavo Baiano Evento com deputado Alan Sanches ocorreu em Santo Antônio de Jesus. Temas referentes ao avanço socioeconômico de uma das regiões mais produtivas da ...
Cientista político Bruno Reis: escândalos de corrupção geraram um enfraquecimento geral do sistema partidário Presidente de honra do PT e ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva. Para o cientista político Bruno Reis, PT foi o mais punido, mas esc...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br