Pesquisa aponta que 23% dos adolescentes baianos sofrem com a obesidade

Obesidade infantil atinge população baiana.

Obesidade infantil atinge população baiana.

Os maus hábitos, a alimentação predominantemente industrializada, repleta de componentes químicos nada saudáveis, associados ao sedentarismo, são os principais fatores para o aumento de um índice alarmante: a obesidade. Considerado como um dos maiores problemas de saúde pública do mundo pela Organização Mundial de Saúde (OMS), a obesidade cada vez mais se volta para as crianças e adolescentes e assusta pelos números.

De acordo com uma pesquisa de uma entidade latino-americana voltada ao combate ao peso, o número de pessoas obesas dentro dessa faixa etária aumentou mais de 200% nos últimos 10 anos em todo o país. Dessa forma, é fundamental conhecer quais são as principais consequências do aumento abusivo do peso entre os jovens, para saber como lidar com o problema, antes que cause riscos à saúde.

“A obesidade ocorre principalmente por causa de um consumo de calorias em excesso, ou seja, em função de uma alimentação que se caracteriza por ultrapassar o valor calórico usado pelo organismo para a sua manutenção e para que o corpo realize atividades diárias”, explica Sara Frediani, nutricionista da Hammer Academia. Na Bahia, os números também chamam a atenção. Segundo o Estudo dos Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (ERICA), elaborado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, 23% das pessoas entre 12 e 17 anos na Bahia estão obesas ou com sobrepeso.

Normalmente, a obesidade na adolescência vem acompanhada de inúmeras complicações para a saúde, entre elas hipertensão, diabetes, e complicações ortopédicas. Além das mudanças na alimentação, incentivar a atividade física é de extrema importância para uma vida saudável na adolescência. Para evitar sucumbir aos impulsos, as dicas são de, na hora do lanche, adicionar alimentos ricos em fibras e/ou gorduras associados às frutas, por exemplo, castanhas, amêndoas, sementes e farelos como a aveia.

Por outro lado, tentar ao máximo colocar para fora da lista de alimentos refrigerantes, salgadinhos, biscoitos recheados e sucos industrializados. “Eles possuem muitos corantes, conservantes e adoçantes, que apesar de possuírem calorias, promovem efeitos negativos ao organismo e em excesso podem ser causadores de diversas doenças”, alerta Sara.

Outras publicações

Eleições 2014 – Bahia | Paulo Souto critica omissão do governo à falta de prioridade para ferrovias baianas Paulo Souto critica governo Wagner. “Mais uma vez o governador do PT se curva a uma decisão do governo federal que prejudica a Bahia”, afirma o cand...
Eleições 2014 – Bahia: Lídice da Mata se compromete a criar Agência de Desenvolvimento do Oeste Lídice da Mata e Eliana Calmon durante atividade política. Criar uma Agência de Desenvolvimento do Oeste da Bahia foi o compromisso firmado pela can...
Eleições 2014 – Bahia: deputado Joseildo Ramos diz que projeto de governo do DEM inclui privatização da Embasa Joseildo Ramos: “Está na cartilha deles. Assim fizeram em São Paulo, onde a população sofre com a crise de abastecimento de água por conta da falta d...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br