Onete Banzeiro realiza shows na ‘Caixa Cultural Salvador’

Dona Onete Banzeiro.

Dona Onete Banzeiro.

A CAIXA Cultural traz pela primeira vez a Salvador, entre os dias 7 e 9 de outubro de 2016 (sexta-feira a domingo), shows de Dona Onete. Serão três apresentações em que a cantora e compositora paraense mesclará seus sucessos com canções do seu segundo álbum, Banzeiro (2016). O público poderá conferir os espetáculos na sexta-feira e no sábado, às 20h, e domingo, às 19h.

Aos 77 anos e com sua voz rouca, Dona Onete tem conquistado platéias por onde passa. Inventora do Carimbó Chamegado, que ela própria classifica como um ritmo que tem “o balanço do carimbó com um toque de pimenta”, a cantora e sua banda apresentarão canções que já se tornaram clássicos do estilo como “Jamburana” e “Proposta Indecente”. O show também guarda espaço para novidades como “Tipití”, “Rio das Flores” e “Banzeiro”, presentes no novo álbum.

Os ingressos serão vendidos a preços populares, a partir das 9h da sexta-feira (7), para todas as apresentações, na bilheteria da própria CAIXA Cultural Salvador, na Rua Carlos Gomes, 57, Centro.

Dona Onete

Compositora de mais de 300 canções, Dona Onete participou de importantes grupos folclóricos como o “Raízes do Cafezal” e do grupo pop-regional “Coletivo Radio Cipó”, antes de se tornar inspiração da nova música paraense. No seu primeiro CD “Feitiço Caboclo” (2012), lançado quando já contava 73 anos, ela conseguiu sintetizar as bases musicais que a fariam cativar o público mais jovem e os fãs de música alternativa brasileira.

Hoje já gravada por diversos artistas paraenses, incluindo cantoras de projeção nacional como Gaby Amarantos e Aíla, Dona Onete relembra o seu processo de criação musical: “a música do Pará é muito cheia de mistura, então comecei a fazer essas canções, que falavam de amor, num ritmo mais lento e muito sensual, e assim nasceu esse Carimbó Chamegado”.

As apresentações na CAIXA Cultural Salvador terão como base o CD “Banzeiro”, no qual Dona Onete só gravou músicas autorais e inéditas. O repertório revela inspiração no passado histórico-cultural da artista, com influências das canções de rádio que ela costumava ouvir. Entre os temas, histórias de negros escravos que trabalhavam nas lavouras de cana do Pará e que uniram sua dança e ritmo à cultura dos caboclos que lá já estavam, criando o ritmo denominado Bangüê.

No palco, a artista será acompanhada pelo guitarrista e produtor musical Pio Lobato, além de Vovô (bateria), JP (percussão amazônica), Breno Oliveira (contra-baixo) e Daniel Serrão (teclado e sax).

Agenda

Período: de 7 a 9 de outubro de 2016

Horário: às 20h (sexta-feira e sábado) e às 19h (domingo)

Local: CAIXA Cultural Salvador – Rua Carlos Gomes, 57, Centro – Salvador (BA)

Outras publicações

A peça teatral Tabatabá volta a ser encenada em Salvador Inspirada na obra do autor francês Bernard Marie Koltès, a peça Tabatabá volta a ser encenada em Salvador, no espaço Caixa Cultural Salvador, sob dire...
Destinação do Parque de Exposições de Salvador será prioritariamente para eventos agropecuários Expositores de caprinos durante a Expoagro 2012. Feira e exposições agropecuárias tem prioridade, decide governo. O secretário estadual da Agricultu...
União Brasileira de Escritores realiza reunião aberta ao público, evento ocorre em Salvador no próximo de 5 de fevereiro A União Brasileira de Escritores (UBE), Núcleo Bahia, promoverá no dia 5 de fevereiro (sábado), na Biblioteca Pública Thales de Azevedo (Costa Azul), ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br