Ministro Humberto Martins: o Poder Judiciário, no Brasil, é viável

Humberto Martins: o nosso trabalho é hercúleo, mas gratificante, pois nossas decisões estão voltadas aos interesses do cidadão brasileiro.

Humberto Martins: o nosso trabalho é hercúleo, mas gratificante, pois nossas decisões estão voltadas aos interesses do cidadão brasileiro.

Ministro Humberto Martins e Desembargadores do TJBA, durante solenidade de posse do STJ.

Ministro Humberto Martins e Desembargadores do TJBA, durante solenidade de posse do STJ.

“O aumento do número de processos decorre da maior conscientização dos cidadãos sobre os seus direitos e da crença no Poder Judiciário como instância de resolução de conflitos. Assim, afirmo, com plena convicção, que o Poder Judiciário, no Brasil, é viável”. A declaração é do ministro Humberto Martins, 59 anos, que toma posse no cargo de vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal (CJF) na tarde desta quinta-feira (01/09/2016).

Martins defende mecanismos alternativos para a resolução de conflitos como forma de enfrentar a crescente demanda judicial. “Não podemos esquecer que o Código de Processo Civil e as Leis de Mediação e Arbitragem trazem opções para a solução de litígios de forma extrajudicial. Ou seja, pode ser que tais medidas sejam suficientes para diminuir o grande volume de processos que atualmente chega ao STJ”, afirma o ministro.

Apegado à segurança jurídica, Humberto Martins acredita que o STJ está desempenhando bem o seu papel de uniformizar a aplicação da legislação federal em todo o país, dando resposta a todas as demandas que a sociedade tem trazido à corte. “O nosso trabalho é hercúleo, mas gratificante, pois nossas decisões estão voltadas aos interesses do cidadão brasileiro”, diz.

E acrescenta: “As nossas decisões têm impacto em toda a coletividade e contribuem para a consolidação do exercício da cidadania e para a tão almejada pacificação social.”

Habilidade administrativa

Em seus dez anos de atuação no STJ, Humberto Martins já produziu mais de 137 mil julgados. Ele é considerado um dos ministros mais produtivos da corte e o que tem um dos menores acervos do tribunal. Hoje, Martins tem 1.726 processos conclusos em seu gabinete, para apreciação e  julgamento

“Acredito que ajudei a guiar a jurisprudência dos vários tribunais de justiça dos estados e das regiões federais em prol de um entendimento harmônico sobre a aplicação da legislação federal”, afirma o ministro.

Na tarefa, ele conta com a ajuda de todos do seu gabinete. “Todos os servidores que integram o meu gabinete fazem parte de uma mesma família; a família do Poder Judiciário, em que cada qual exerce um papel diferente, mas todos têm a sua importância na busca do objetivo comum, que é atender bem os cidadãos”.

Paralelamente ao seu trabalho como julgador, o novo vice-presidente do tribunal apresentou bons resultados administrativos durante sua gestão como corregedor-geral da Justiça Federal, no período de abril a dezembro de 2014. Dos 196 processos do acervo da Corregedoria-Geral, mais de 120 tiveram baixa. O número de julgados superou em 50% o de processos ingressados.

No cargo de diretor-geral da Escola Nacional de Formação e Aperfeiçoamento de Magistrados Ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira (Enfam), que vem ocupando desde o mês de dezembro de 2015, o novo vice-presidente do STJ determinou como diretriz para as ações da instituição o binômio participação e integração.

Humberto Martins coordenou a equipe em estudos que resultaram na reestruturação dos normativos que disciplinam os programas de formação inicial, formação continuada e formação de formadores da magistratura.

Em sua gestão, a Escola Nacional também apresentou a primeira edição da Revista Enfam, em comemoração aos resultados do extenso trabalho realizado nos oito meses à frente da escola, em que se investiu em ações estratégicas para a educação a distância; novas formas de resolução de conflitos; acordos de cooperação técnica e na instituição de grupos de trabalho.

Gestão participativa

Para o ministro Humberto Martins, ocupar a vice-presidência do STJ é uma atribuição que ele vai procurar desempenhar com a mesma responsabilidade que encarou os diversos desafios ao longo da vida.

“A vida do ser humano é um constante superar de desafios. Desde muito jovem ocupei cargos públicos, o primeiro deles – promotor de justiça adjunto no estado de Alagoas – quando tinha apenas 21 anos de idade”, ressalta Martins.

O novo vice-presidente acredita que a gestão da ministra Laurita Vaz será participativa e integradora, na qual todos os ministros, servidores e colaboradores do STJ serão ouvidos.

“A gestão da nova presidente reafirmará o papel do STJ como corte de referência na aplicação da lei. Eu serei um colaborador da ministra Laurita Vaz em todos os momentos, buscando, ao seu lado, a valorização do Tribunal da Cidadania”, afirma.

Perfil

Natural de Maceió (AL), o ministro Humberto Martins formou-se em direito pela Universidade Federal de Alagoas e em administração de empresas pelo Centro de Estudos Superiores de Maceió.

Segundo ele, o direito sempre foi o caminho que quis seguir para poder participar da construção de uma sociedade mais justa e igualitária. “Nunca tive dúvidas de qual faculdade cursar, qual carreira exercer, pois a defesa dos menos abastados, das minorias étnicas e sociais, a valorização do ser humano, o amor pela justiça, são valores que me movem desde sempre”, diz Martins.

Exerceu a advocacia durante muitos anos, ocupando o cargo de presidente da Associação dos Procuradores do estado de Alagoas, de 1992 a 1994. Foi procurador do Estado, de 1982 a 2002, bem como presidente da Seccional da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas, por dois mandatos, de 1998 a 2000 e 2001 a 2003, não concluindo o último mandato por ter sido indicado, em 2002, para o cargo de desembargador do Tribunal de Justiça de Alagoas.

Como desembargador do TJAL, Humberto Martins atuou nas seções cíveis e criminais, bem como ocupou os cargos de vice-presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas, corregedor-regional eleitoral e diretor da Escola Judiciária Eleitoral.

Em 2006, chegou ao STJ, onde ocupou diversos cargos, como os de presidente das Comissões de Jurisprudência e Coordenação, de corregedor-geral da Justiça Federal, de diretor do Centro de Estudos Judiciários do CJF, de presidente da Turma Nacional de Uniformização (TNU), de Ouvidor do STJ e diretor-geral da Enfam. Atualmente, é membro da Segunda Turma e da Primeira Seção, especializadas em direito público, da Corte Especial, colegiado que reúne os 15 ministros mais antigos do tribunal, e do Conselho de Administração do STJ.

Outras publicações

OAB lança campanha em defesa da manutenção da Câmara Especial do Extremo Oeste Baiano OAB de Barreiras lança campanha em defesa da manutenção da Câmara Especial do Extremo Oeste Baianotjba A Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil e...
Segunda Câmara Criminal do TJBA julga recursos do processo em que a médica Kátia Vargas é acusada de assassinato Segunda Câmara Criminal do TJBA julga recursos do processo contra a médica Kátia Vargas. O Tribunal de Justiça do Estado da Bahia informa que foram ...
Prefeito e ex-tesoureira de Gongogi têm mais de R$ 500 mil de reais em bens bloqueados e são acionados por improbidade Poder Judiciário decreta bloqueio de bens do prefeito Altamirando de Jesus Santos. O Ministério Público Federal (MPF) em Jequié/BA ajuizou em 15 de ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br