Ministro do STF concede habeas corpus a acusados na Operação Turbulência

A Polícia Federal deflagrou no dia 21 de junho de 2016 a Operação Turbulência com o propósito de desarticular uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro que atuava em Pernambuco e Goiás e que teria movimentado mais de R$ 600 milhões desde 2010. A investigação iniciou a partir da análise de movimentações financeiras suspeitas detectadas nas contas de algumas empresas envolvidas na aquisição da aeronave CESSNA CITATION PR-AFA. Esse avião transportava o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, em seu acidente fatal.

A Polícia Federal deflagrou no dia 21 de junho de 2016 a Operação Turbulência com o propósito de desarticular uma organização criminosa especializada em lavagem de dinheiro que atuava em Pernambuco e Goiás e que teria movimentado mais de R$ 600 milhões desde 2010. A investigação iniciou a partir da análise de movimentações financeiras suspeitas detectadas nas contas de algumas empresas envolvidas na aquisição da aeronave CESSNA CITATION PR-AFA. Esse avião transportava o ex-governador de Pernambuco e então candidato à Presidência da República, Eduardo Campos, em seu acidente fatal.

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Marco Aurélio concedeu habeas corpus a João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, acusado na Operação Turbulência, da Polícia Federal (PF) em Pernambuco, de ser o líder de uma organização complexa de lavagem de dinheiro. A decisão foi publicada no Diário da Justiça (DJ) desta quarta-feira (14/09/2016) e se estende aos outros três presos preventivos no caso – Eduardo Freire Bezerra Leite, Apolo Santana e Artur Roberto Lapa Rosal.

Os quatro empresários acusados na Operação Turbulência estão presos desde o dia 21 de junho deste ano no Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, na região metropolitana do Recife. Os pedidos de habeas corpus impetrados pela defesa dos suspeitos já haviam sido negados pelo Tribunal Regional Federal da 5ª Região.

A justificativa para a prisão preventiva dada à época foi a “garantia da ordem pública e econômica e por conveniência da instrução processual, considerada a continuidade da prática criminosa, o desequilíbrio das finanças nacionais, o risco de comprometimento da obtenção de novas provas e a possibilidade de intimidação de testemunhas”, conforme ressalta a publicação desta quarta-feira no DJ.

A defesa sustenta, no recurso ao STF, que não teriam sido indicados elementos concretos para a possibilidade de interferência nas investigações ou de continuidade das ações criminosas. Indicam “decisões anteriores do Supremo que desaprovam a prisão com base somente na reprovabilidade da conduta ou do temor de reiteração delitiva”.

Na decisão, o ministro Marco Aurélio observa que a afirmação “genérica” da possível obstrução de testemunhas e de continuidade dos crimes não permite a continuidade das prisões. “O possível envolvimento em delito não leva à inversão da sequência do processo-crime, que direciona a apurar para, selada a culpa, em execução da pena, prender. O arcabouço normativo não contempla a custódia automática presente possível imputação”, diz, em um trecho do documento. A soltura dos empresários está condicionada à permanência dos acusados em suas residências e ao atendimento de chamamentos judiciais posteriores.

O advogado do réu Apolo Santana Vieira, Ademar Rigueira Neto, afirmou que a expectativa é que seu cliente seja solto até amanhã. “A gente espera que seja hoje ainda. Estamos só aguardando a questão da burocracia, porque o Supremo tem que comunicar à Vara, e ela tem que expedir o alvará aqui. No mais tardar, esperamos que seja amanhã”, afirma.

A assessoria de comunicação da Polícia Federal em Pernambuco informou que a corporação ainda não foi notificada da decisão e que não vai se pronunciar a respeito.

Turbulência

A investigação da Operação Turbulência identificou um esquema de lavagem de dinheiro formado por uma rede complexa de empresas, a maior parte de fachada, que movimentou R$ 600 milhões desde 2010. O ponto de partida da investigação foi a compra do avião Cessna Citation PR-AFA, usado pelo ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos (PSB) na campanha presidencial de 2014. Campos e mais seis pessoas morreram na queda do avião, em agosto de 2014, em Santos, São Paulo.

Segundo a Polícia Federal, o grupo teria financiado campanhas eleitorais de Eduardo Campos. Os recursos movimentados pela organização seriam provenientes de desvios de dinheiro público, como em superfaturamentos ocorridos na Petrobras e nas obras de transposição do Rio São Francisco, fatos investigados em outros inquéritos que tiveram as informações cruzadas com o da Operação Turbulência.

No dia 3 de agosto, o Ministério Público Federal em Pernambuco ofereceu denúncia contra 18 pessoas suspeitas de integrar a organização. Para a acusação, João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, Eduardo Freire Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira são líderes da organização. Já Arthur Roberto Rosal é suspeito de atuar como testa de ferro da organização, fato também atribuído a Paulo César de Barros Morato, encontrado morto no dia seguinte à deflagração da operação, no dia 22 de junho, em um motel de Olinda.

*Com informação da Agência Brasil.

Outras publicações

CPI da Petrobras contrata Kroll para rastrear dinheiro enviado ao exterior Reunião da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras para ouvir o depoimento da ex-presidente da estatal, Maria das Graças Silva Foster. ...
BC monitora impacto da prisão do dono do BTG Pactual no mercado financeiro André Esteves é CEO do BTG Pactual, empresa financeira global que atua nos mercados de investment banking, sales & trading, corporate lending, we...
Operação Tempestade no Deserto: PF prende duas pessoas por extração ilegal de minério em Feira de Santana Operação Tempestade no Deserto prende duas pessoas por extração ilegal de minério em Feira de Santana. Duas pessoas foram presas em flagrante nesta ...

Sobre o autor

Redação
O Jornal Grande Bahia é um portal de notícias com sede em Feira de Santana. Para enviar informações, fazer denúncias ou comunicar erros do jornal mantenha contato através do e-mail: editor@jornalgrandebahia.com.br