Ministro Dias Toffoli alerta para erro que degenerou no Golpe de 1964 e fala em ativismo totalitário por parte de setores e membros do Estado

O ministro Dias Tofffoli afirmou que a Corte corre o risco de caminhar para um "totalitarismo".

O ministro Dias Tofffoli afirmou que a Corte corre o risco de caminhar para um “totalitarismo”.

Reportagem de Leonardo Augusto, publica no O Estado de S.Paulo,na sexta-feira (16/09/2016), relata avaliações e alertas emitidos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Dias Toffoli. As declarações forma proferidas pelo ministro ao participar do Congresso Internacional de Direito Tributário, em Belo Horizonte, na sexta-feira (16).

O ministro Dias Tofffoli afirmou que a Corte corre o risco de caminhar para um “totalitarismo” caso não reduza seu “ativismo” e passe a atuar apenas “resolvendo crises de maneira pontual” e “quando provocado”. Segundo o ministro, se não agir assim, o STF estaria cometendo o mesmo erro dos militares em 1964, quando “passaram a gostar do poder e ficaram 20 anos”. As declarações de Toffoli acontecem três depois de a nova presidente do STF, Carmen Lucia, afirmar durante sua posse que a Corte precisa mediar a guerra fiscal entre estados no país, que é a redução de impostos para atração de empresas.

Toffoli participou de seminário na capital mineira que discutia exatamente questões tributárias. Porém, deixou de lado a palestra que disse ter preparado para a ocasião para falar sobre o que avalia ser o comportamento ideal do STF. O ministro lembrou que, antes de 64, em crise políticas, os militares faziam a moderador e entregavam o poder de volta a um civil, o que só não ocorreu no golpe de 1964, quando decidiram permanecer no comando do país até 1984. “O STF só passou a assumir o poder de moderador na Constituição de 1988, cumprindo um papel que nos Estados Unidos já é exercido (pela Corte equivalente) há mais de 200 anos”.

O ministro avalia que o STF não pode “se achar os donos do poder”. “Se quisermos ser protagonistas da sociedade brasileira, começarmos a fazer sentenças aditivas, operações que têm 150 mandados de busca e apreensão num único dia vamos levar a um dia, temos que refletir sobre isso”. “Isso é democracia? Isso é Estado de Direito”?, questionou.

Outras publicações

Presidente do Supremo Tribunal Federal rejeita recursos do mensalão que pediam revisão do julgamento Joaquim Barbosa: “Não há como concluir, portanto, que esses embargos infringentes se prestem simplesmente a abrir espaço à mera repetição de julgamen...
Senadora Gleisi Hoffmann critica presidente do STF por lançar suspeita sobre outros ministros Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) diz que economia cresceu mais do que previam os pessimistas. A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) lamentou que o pres...
Senadora Gleisi Hoffmann e ex-ministro Paulo Bernardo viram réus na Lava Jato Os ministros da Segunda Turma do STF decidiram receber a denúncia contra Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo por unanimidade. Por unanimidade, a Segund...

Sobre o autor

Carlos Augusto
Carlos Augusto Oliveira da Silva (Carlos Augusto) é Mestre em Ciências Sociais, na área de concentração da cultura, desigualdades e desenvolvimento, através do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS), da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) e Bacharel em Comunicação Social com Habilitação em Jornalismo pela Faculdade de Ensino Superior da Cidade de Feira de Santana (FAESF/UNEF). Atua como jornalista e cientista social. Telefone: (75)98242-8000 | E-mail: diretor@jornalgrandebahia.com.br.